Quarta Feira, 15 Agosto 2018

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Início > Racismo

Racismo

E quais leis a ocupação usa contra os Palestinos:

 

 

Israel emitiu uma série de leis, legislação e decisões destinadas aos palestinos em geral e à Cisjordânia em particular. Essas leis são caracterizadas por sua natureza racista, que visa apertar os parafusos e limitar os ganhos, liberdades individuais e coletivos dos palestinos.

 

Essas leis incluíam várias áreas e campos, incluindo os assentamentos e as campanhas contra o boicote, a tentativa de silenciar as vozes árabes no Knesset, a proibição dos ouvidos e outras leis e decisões que diferem em seus títulos e concordam em seus antecedentes e objetivos.

 

Leis e legislação:

 

A lei dos "assentamentos de clareamento"

 

Uma lei aprovada pelo Knesset israelita em 6 de fevereiro de 2017, por uma maioria de 60 membros do Knesset, conhecida nos círculos israelenses como a lei "liquidação". Este é um passo em direção à anexação de partes da Cisjordânia.

 

A Lei de Lavagem de Liquidação prevê que o Estado (as autoridades de ocupação) tenha o direito de confiscar o direito de usar terra palestina privada de seus proprietários e não a sua propriedade, o que significa a expropriação de terras palestinas privadas (de propriedade de pessoas) para fins de liquidação.

 

A lei de liquidação e clareamento aplica-se apenas aos postos avançados de assentamentos que o governo israelense estabeleceu, como o posto avançado "Amona" e não para criminalizar os colonos ao assumir a terra privada, "mas eles fizeram isso com boa vontade". Em outras palavras, impede os tribunais israelenses de tomar quaisquer decisões para desmantelar esses assentamentos.

 

A lei israelense previa uma "compensação financeira substancial" para os palestinos que demonstram sua propriedade sobre a terra em que as casas dos colonos são construídas.

 

A lei, após a sua aprovação final, legitima 16 assentamentos na Cisjordânia estabelecida em terras palestinas de propriedade privada e legitima cerca de 4.000 unidades de assentamento sob a lei israelense.

 

A lei, portanto, proíbe a demolição do posto de colonização de Amona, que é habitada por trezentos colonos e está localizado a nordeste de Ramallah.

 

 

Prevenção de Athan:

 

Aprovado pela Coalizão do Governo de Israel em 13 de novembro de 2016 e restringindo o adhaan sobre alto-falantes em mesquitas em Jerusalém e Palestina em 1948, proibindo especificamente o uso de alto-falantes em serviços religiosos a partir das 11 horas da Palestina até às 7 da manhã, Proibição de elevar a azan da oração de Fajr.

 

Isto é de acordo com especialistas e seguidores um plano sistemático para completar a judaização de Jerusalém em toda a Palestina, e prepará-la como uma das decisões racistas mais perigosas de Israel, destinadas a combater a identidade islâmica do povo palestino e a consolidar o judaísmo do estado.

 

A primeira versão da lei foi aprovada pelo governo israelense em 13 de novembro de 2016, mas as objeções judaicas impediram que ela fosse apresentada por medo de usá-la contra certos rituais judaicos.

  

Impeça os advogados do boicote de entrarem em Israel:

 

Uma lei que deverá ser votada pelo Knesset (na segunda e terceira leituras) terá efeito. A nova lei permite que o Ministro do Interior impeça a emissão de vistos de entrada para ativistas que pedem o boicote a Israel por causa dos assentamentos.

 

A nova lei tornará difícil para os ativistas internacionais chegarem aos territórios palestinos, onde usaram os aeroportos e os cruzamentos para chegar aos territórios palestinos, como parte das atividades revividas pelas forças ativas no boicote de Israel.

 

A nova lei reflete a extrema sensibilidade de Israel aos BDS, depois de ter pressionado Israel e persuadido muitas universidades a boicotar Israel de forma acadêmica e deixar de lidar com isso. Também convenceu muitas empresas e instituições a retirar seus investimentos dos assentamentos israelenses.

 

Prevenção do uso do árabe no transporte:

 

Em novembro de 2016, o Ministério do Trabalho de Israel deixou de trabalhar em árabe em ônibus na cidade de Beersheba, curvando-se ao protesto de passageiros israelenses que não desejam ouvir nada além do hebraico.

 

A decisão diz respeito a uma gravação de voz para orientar os passageiros nas estações onde os ônibus pararam e levantou o ressentimento dos líderes palestinos dentro da Linha Verde, que descreveu como racista e exigiu a desqualificação.

 

A guerra contra e a distorção da língua árabe continua a ser um dos objetivos mais importantes de Israel em sua política de distorção e desidentificação dos palestinos de 1948 para tirá-los de sua identidade árabe.

  

Lei de Exclusão:

 

Uma lei que permite a expulsão de qualquer deputado no Knesset se três quartos dos membros o concordarem, e o Knesset aprovou em julho de 2016. No final de fevereiro de 2016, o Knesset Law and Constitution Committee aprovou um projeto de lei para excluir qualquer deputado acusado de "incitamento ao racismo, lealdade a Israel como um estado democrático judaico", desde que 90 dos 120 deputados aprovem a resolução.

 

Na visão dos legisladores árabes, essa lei os visa contra o pano de fundo de suas declarações a favor da pressão sobre Israel economicamente e politicamente para acabar com a ocupação e parar os ataques e violações cometidos contra os palestinos.

 

Copyright © 2018 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.