Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

67 anos depois do massacre de Qibya

Unidades militares israelenses invadiram casas palestinas no vilarejo de Qibya, que fica 11 km a noroeste de Ramallah, em meio a fortes tiros de metralhadoras e bombas, eles metralharam antes de explodir as casas com os residentes ainda dentro. Este é um dos massacres israelenses contra o povo palestino que ocorreu em 14 de outubro de 1953.

Naquela data, duas unidades militares israelenses lideradas pelo criminoso de guerra sionista Ariel Sharon sitiaram a aldeia e a isolaram das demais aldeias vizinhas. Em seguida, eles começaram a bombardeá-lo com morteiros antes que os soldados o atacassem e invadissem as casas. Neste massacre, 67 civis palestinos foram mortos, dezenas foram feridos, e dezenas de casas foram bombardeadas.

 

Detalhes do massacre

Em 14 de outubro de 1953, a Unidade de Operações Especiais israelenses 101 liderada por Ariel Sharon, e a Unidade 890 dos pára-quedistas junto com 600 soldados sitiaram a vila às 19:30h, logo no início  da noite começaram a bombardeá-la até às 04:00h da manhã seguinte, forçando os palestinos  e habitantes para ficar dentro de suas casas.

Os soldados israelenses então começaram a invadir uma casa após a outra. O exército israelense jogou bombas dentro das casas de civis palestinos, e dispararam aleatoriamente através de portas, e de janelas abertas, eles atiraram em qualquer um que tentasse fugir.

Na época, as tropas israelenses plantaram minas em várias estradas para que a vila ficasse completamente isolada e as forças de infantaria entrassem nela atirando em várias direções. Os habitantes e a Guarda Nacional, liderada por Mahmoud Abdel Aziz, enfrentaram as forças israelenses apesar de seu pequeno número e armas simples. Eles atiraram contra os soldados israelenses e eles continuaram a resistir até ficarem sem munição e a maioria deles foram mortos.

O comandante da Guarda Nacional conseguiu chegar à vila de Deir Qaddis, onde contatou a liderança militar jordaniana em Ramallah, pedindo ajuda e munição. Os militares jordanianos se mudaram da vila de Budrus para resgatar a vila, mas ela foi interceptada pelas forças israelenses estacionadas nas estradas e não conseguiu chegar a Qibya.

As forças israelenses então começaram a explodir casas com seus habitantes ainda dentro. O número de habitantes da aldeia era de cerca de 200 no dia do massacre e o número de casas explodidas foi estimado em 56, além de uma mesquita, duas escolas e um tanque de água.

Os eventos deste massacre ocorreram depois que a autoridade israelense escalou seus ataques contra as aldeias palestinas próximas à fronteira após a assinatura do acordo de armistício com os países árabes.

 

Aldeia Qibya

A aldeia de Qibya está localizada a 11 quilômetros a nordeste da cidade de Lod e a oeste de Ramallah. Sua população é estimada atualmente em 1.635, além de cerca de quatro mil migrantes de outras cidades e vilas. Ela está localizado ao nordeste de Jerusalém, a cerca de 32 km de distância, e tem uma área de cerca de 16.000 dununs.

 

Cenas dolorosas

O número de mártires neste massacre de homens, mulheres e crianças chegou a 67 da população de Qibya e dezenas foram feridos.

Uma das cenas mais dolorosas foi a cena de uma mulher sentada indefesa em uma pilha de escombros, onde partes de pequenas mãos e pés se projetam sob os escombros. Eles são os restos mortais de seus seis filhos. O corpo de seu marido foi despedaçado pela chuva de balas disparadas contra ele que estava caído na estrada, de frente para ela.

Muitas famílias foram completamente exterminadas neste massacre, incluindo: família Abu Zaid de quatro membros, a família de Mahmoud al-Masloul que consistia em seis filhos, a esposa de Mahmoud Ibrahim e seus três filhos, Hussein Abdel-Hadi, 64, e Latifa Hussein Abdel -Hadi, 12 anos.

 

Por que Qibya?

O massacre ocorreu em retaliação à infiltração ocorrida em 12 de outubro de 1953, da Jordânia em um assentamento judaico, no qual militantes palestinos (fedayeen) lançaram uma bomba dentro do assentamento matando dois israelenses e ferindo um terceiro.

No dia seguinte, o então primeiro-ministro israelense, David Ben-Gurion, e seu governo decidiram lançar uma dura operação de represália contra Qibya, pela qual os infiltrados palestinos haviam passado.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.