Domingo, 20 Outubro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

73 prisioneiros morreram sob tortura nas prisões israelenses desde 1967

A ong Clube dos Prisioneiros da Sociedade Palestina denuncia que desde 1967, 73 prisioneiros palestinos foram martirizados como resultado de tortura durante o interrogatório das forças de ocupação israelenses.

O clube disse em comunicado, quarta-feira, que as autoridades de ocupação israelense usam vários métodos para torturar prisioneiros e detidos palestinos. Esses são métodos físicos e psicológicos projetados para tirar sua humanidade e pressioná-los a fazer confissões durante o período de investigação.

O Clube explicou que 95% dos detidos foram submetidos a tortura desde o momento em que foram presos. Apr[atoca continua durante a investigação e mesmo depois que os prisioneiros são colocados em centros de detenção públicos.

O Clube explicou ainda que, em um caso de destaque, em 2013, Arafat Jaradat foi morto por tortura nas celas da prisão de Megiddo cinco dias após sua prisão. Em 2014, as forças israelenses mataram Yassin Al-Saradih no momento de sua prisão, depois de torturá-lo e matá-lo à queima-roupa. No mesmo ano, as forças de Nahshon (unidades selecionadas nas prisões para subjugar prisioneiros) mataram o prisioneiro Aziz Eweisat depois de torturá-lo nas celas da prisão de Eshel. Ele foi transferido para um hospital israelense até o anúncio de seu martírio em 20 de maio de 2018. Em setembro do mesmo ano, as forças de ocupação mataram o detido Mohammed Al-Khateeb (Al-Rimawi) no momento de sua prisão em sua casa após torturá-lo. O mais recente prisioneiro morto como resultado de tortura durante o interrogatório foi o detento Nassar Taqatqa ,em 16 de julho de 2019.

O Clube destacou que a tortura não se limita à violência usada contra o prisioneiro durante a prisão e interrogatório. Pelo contrário, inclui todos os abusos que os prisioneiros enfrentam dentro dos centros de detenção. O mais proeminente desses métodos é o confinamento solitário, a detenção de prisioneiros em condições que não atendem aos padrões mínimos de saúde e os métodos pelos quais são transportados. Esse método de transporte também é conhecido como “Bosta”, em que os prisioneiros palestinos são algemados até o tribunal ou a clínica, sentados em cadeiras de metal. A política de negligência médica se enquadra nos métodos de violência física e psicológica, nos quais o prisioneiro sofre uma morte lenta.

Segundo o Clube dos Prisioneiros, as ações repressivas realizadas pelas unidades de opressão da Administração Prisional de Israel são um dos métodos mais famosos de tortura coletiva de prisioneiros. O Clube destacou que, desde o início deste ano, essas unidades realizaram várias repressões que foram estendidas desde fevereiro deste ano, quando invadiram a prisão de Ofer. Durante o confronto, dezenas de prisioneiros foram prejudicados pelo uso de gás pimenta, bombas de som, balas de borracha, cassetetes e cães policiais, seguidos de uma repressão nas prisões de Megiddo e Raymond. O confronto atingiu seu pico novamente na prisão de Ktzi’ot em março, quando dezenas de prisioneiros foram feridos, alguns ficaram com ferimentos graves, resultado de tortura. Isso incluía espancamentos severos, pulverização de gás, amarração nas camas por vários dias sem tratamento para os feridos. Os prisioneiros também foram despojados de todos os seus pertences e transformaram a seção da prisão em uma cela de isolamento coletivo.

 

Fonte: Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.