Segunda Feira, 16 Setembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

A campanha eleitoral israelense esquenta: palestinos, não; colonos sim

Após dez anos consecutivos de mandato, Benjamin Netanyahu conseguiu criar realidades que parecem mais óbvias a cada dia. Uma de suas vitórias mais importantes é apagar a ocupação dos territórios palestinos da antiga agenda eleitoral e colocar os colonos radicais na nova agenda eleitoral.

A ocupação israelense está passando despercebida durante a campanha para as eleições de 17 de setembro. É verdade que aqui e ali você pode colher certas alusões aos palestinos, mas não é menos verdade que essas são alusões tangenciais e, em nenhum caso, explicativas. Também se pode dizer que a ausência dos palestinos da campanha não é o resultado do acaso, mas está acontecendo deliberadamente.

Tanto o Likud de Benjamin Netanyahu quanto a oposição de Azul e Branco mostram que estão satisfeitos com o progresso da ocupação. O número de colonos judeus não para de crescer em um bom ritmo, e isso é importante. Pelo contrário, a submissão dos palestinos a um regime apartheid e desumano não interessa a ninguém em Israel.

Isso explica que durante a campanha se fala muito mais sobre o futuro dos colonos do que sobre o futuro dos palestinos. De fato, boa parte dos candidatos que aspiram a um assento no Kneset são colonos que residem em assentamentos judeus nos territórios ocupados há muitos anos e têm apoio político não apenas dentro dos territórios ocupados, mas também em Israel.

No ar está o adiado "acordo do século" que Donald Trump disse na semana passada que será tornado público após as eleições, um plano de paz que todos sabem que foi ditado por Netanyahu e foi editado para se adequar a ele. É uma iniciativa que não terá validade, uma vez que nenhum líder palestino o aceitou de forma alguma.

Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro israelense tomou um banho de multidões na cidade palestina de Hebron, onde residem 700 colonos radicais. Netanyahu buscou os votos desses colonos, ou parte deles, bem como os votos de uma parte dos 800.000 colonos que residem em toda a Cisjordânia ocupada, incluindo Jerusalém. O presidente do Kneset, Yuli Edelstein, ele próprio um colono, proclamou que chegou a hora de multiplicar "por milhares" o número de colonos de Hebron.

Israel não perde nenhuma oportunidade de aumentar o número de colonos. Pode-se fazer isso em silêncio, graças à passividade dos líderes europeus, que não se preocupam com a criação de um Estado palestino há décadas. Os líderes europeus dizem em público que apoiam a ideia de um estado palestino verbalmente, mas na prática eles se comportam de uma maneira muito diferente.

Não apenas os próprios colonos estão no centro da campanha, mas Netanyahu mantém um relacionamento próximo com todas as formações mais radicais, xenófobas e racistas que exigem a implementação da lei religiosa judaica ou halacha em Israel. Esta circunstância não deve passar despercebida pelos líderes europeus, que, no entanto, permanecem de braços cruzados e silenciosos.

Até o partido que lidera a oposição, o "centrista" Azul e Branco, uma formação liderada por generais, levou os atos da campanha aos assentamentos judaicos naturalmente e com toda a fanfarra possível. Seu chefe de equipe, o ex-general Benny Gantz, disse nesta semana que, se o caso surgir, convocará um referendo para que o povo decida se deve deixar parte dos territórios ocupados.

Embora essa ideia possa parecer positiva, a realidade é que os israelenses, como as eleições sempre aparecem repetidamente, se recusam a deixar os territórios ocupados. As chances de um referendo hipotético dessa natureza prosperar são nulas. Israel só se retirará dos territórios ocupados por forte pressão da comunidade internacional e, em particular, da Europa, algo que é impossível, dado o comportamento dos líderes europeus, que são inibidos nesse assunto contra seus próprios interesses.

O populismo de Netanyahu, um nacionalismo exacerbado com fortes piscadelas religiosas, convenceu os israelenses de que não há parceiro palestino disposto a negociar e, portanto, é preferível continuar com um status quo que permita a Israel aprofundar a ocupação. Além disso, na Cisjordânia, a calma imposta pelo presidente Mahmoud Abbas é praticamente total e a calma que Abbas esperava que jogasse a seu favor está na verdade jogando em favor da ocupação militar.

Nesse contexto, não é de surpreender que nenhum israelense fale de "ocupação" ou de uma "solução política", conceitos que desapareceram completamente da mídia. Esses eram termos comumente usados na antiguidade mais remota, mas que há muito desapareceram do vocabulário político graças às decisões que Netanyahu tomou há mais de uma década.

Um artigo recente do cientista político israelense Meron Rapoport argumenta que a vitória de Netanyahu se manifesta no fato de que a "ameaça de paz" não existe mais para os israelenses. Na verdade, seria uma piada considerar o "acordo do século" de Trump como uma "ameaça de paz".

Rapoport alega que a "ameaça de paz" desapareceu, outros tipos de rachaduras estão surgindo na sociedade, começando com a luta entre secularistas e religiosos. Após as últimas eleições de abril, não foi possível formar um governo precisamente por causa de uma dessas fendas relacionadas à chamada "opressão religiosa".

Ainda é muito cedo para ver se o conflito entre secularistas e religiosos continuará no futuro, mas o que está claro é que o sentimento dos israelenses é que a "ameaça de paz" desapareceu. É por isso que é natural para a maioria da população judaica considerar que os palestinos deixaram de ser um problema, o que explica que a questão palestina dificilmente está na periferia da campanha.

 

Fonte: Eugenio García Gascón, Público - Espanha

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.