Quinta Feira, 06 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

A Cisjordânia começa a implementar medidas para suspender proibições, abrir mesquitas e remover barreiras

As autoridades governamentais na Cisjordânia começaram a aplicar as decisões para reduzir o estado de emergência existente desde o início de março passado, para limitar a propagação da epidemia "Corona", quando lojas e fábricas abriram suas portas completamente depois de tomarem todas as precauções, e mesquitas e locais de culto abriram suas portas após a esterilização. Embora nenhum novo caso do vírus tenha sido registrado nas áreas palestinas nas últimas 24 horas.

Nenhuma infecção nova

A ministra da Saúde, Mai Alkila, anunciou que não foram registrados novos casos de vírus "Corona" na Palestina, anunciando o registro de oito casos de recuperação.

Em um breve relatório sobre a situação epidemiológica na Palestina, ela disse que o número total de infecções chegou a 602 casos em todas as províncias do país desde que o vírus começou na Palestina, dos quais 319 estão na província de Jerusalém, 228 no resto das províncias do norte e 55 nas províncias do sul.

Ela indicou que os casos ativos totalizavam 114, incluindo 60 na província de Jerusalém, 18 casos na província de Hebron e 36 nas províncias do sul.

Ela explicou que o percentual de casos ativos atingiu 18,9% do total de infecções registradas, enquanto 8 casos de recuperação foram registrados (6 na província de Hebron em Samou e dois casos na Faixa de Gaza), elevando o número total para 483 casos de recuperação, elevando a taxa de recuperação para 80,2% do total de infecções registradas.

O Ministério da Saúde indicou que até agora as províncias livres de infecção pelo vírus Corona são Jericó, Al Aghwar, Tubas, Salfit, Jenin, Qalqilya, Ramallah e Al Bireh, Belém, Tulkarm e Nablus.

 

Levante o fechamento

E na madrugada de terça-feira, os serviços de segurança começaram a levantar as barreiras de segurança prevalecentes entre as províncias e também removeram as barreiras entre aldeias e centros das cidades, estabelecidas desde o início dos procedimentos de emergência, para impedir a propagação do vírus perigoso, de acordo com várias decisões tomadas pelo governo, que também inclui a abertura de instituições e ministérios para operar normalmente. Foi antes da crise, após o surto do vírus ter testemunhado uma diminuição no último período.

A decisão do governo que permitiu operar outros setores econômicos, prevê que seus proprietários sigam as medidas preventivas emitidas pelo Ministério da Saúde e governadores, alertando todos os infratores para não cumprirem essas ordens.

Milhares de cidadãos realizaram orações do amanhecer nas mesquitas da Cisjordânia, que abriram após fechar por mais de dois meses, onde um grande número de cidadãos correu em direção às mesquitas para cumprir o dever, depois de tomarem as medidas preventivas e de saúde necessárias e do número de fiéis em várias mesquitas, muitos cidadãos rezaram nas estradas e ruas vizinhas, mas as forças de ocupação impediram que grandes multidões de cidadãos realizassem a oração do Fajr na mesquita de Ibrahimi, depois de erguer postos de controle militares nas proximidades, e permitiram que apenas 50 pessoas rezassem.

Com o início de facilitar os procedimentos que incluem as mesquitas, lugares que testemunham grandes concentrações, o Subsecretário do Ministério de Dotações e Assuntos Religiosos Hossam Abu Al-Rab anunciou os procedimentos para reabrir as mesquitas, a partir do amanhecer de terça-feira, após a emissão de uma decisão do primeiro-ministro Muhammad Shtayyeh de reabri-los na frente dos fiéis para realizar as orações de sexta e sexta-feira.

Em uma declaração emitida pelo Ministério, Abu Al-Rab indicou que o Ministério se coordenou com as autoridades e especialistas em saúde após um progresso notável no número de pessoas recuperadas e a diminuição no número de doentes, preparando-se para reabrir mesquitas na frente de fiéis, e enfatizou a obrigação de aderir a controles de saúde e medidas preventivas e preventivas necessárias para usar máscaras e esterilização permanente, proteção para as pessoas e para não prejudicar os outros, e a necessidade de aderir distâncias seguras, a fim de alcançar a dimensão que evita a transmissão da infecção.

Ele pediu aos idosos e os que sofrem de doenças crônicas e os que têm fraca imunidade a orar em casa, a fim de preservar a si mesmos e impedir que se misturassem com os outros, e pediu encurtamento da leitura durante a oração, orando apenas sem sentar depois de pregar e afins, e não prolongando o sermão de sexta-feira e tomando as medidas necessárias como os tapetes de oração, e enfatizou a decisão de fechar os banheiros nas mesquitas, e não usar os refrigeradores da mesquita para beber, apontando que a suspensão da oração nas mesquitas das áreas afetadas continuará até que os motivos deixem de existir.

Além disso, os chefes das três igrejas, encarregadas da Igreja da Natividade (o Patriarca de Jerusalém para o Teófilo Ortodoxo Grego III, o Guardião da Terra Santa, padre Francesco Patton, e o Patriarca de Jerusalém para os armênios, Nurhan Manogian), também anunciaram a reabertura das portas da igreja a partir de terça-feira, para permitir a abertura aos fiéis novamente.

A declaração emitida pelos chefes das três igrejas indicou que "por uma questão de segurança e para evitar o risco de propagação do vírus Corona novamente, o número de crentes e visitantes será limitado a 50 pessoas, e o acesso à igreja será disponibilizado para aqueles que não tiverem febre ou sintomas de doença e usarem uma máscara facial”.

A declaração acrescentou que é necessário manter uma distância não inferior a dois metros entre cada pessoa e outra, e evitar o culto implícito pelo contato físico, como tocar e beijar pedras, ícones, roupas e pessoal da igreja, bem como uma adesão permanente às instruções dadas.

Apesar dessas medidas atenuantes, os cidadãos temem que o surto reinicie em grande número nas regiões vizinhas, especialmente em Israel, das quais milhares de trabalhadores retornaram recentemente, onde há medo de que entre eles haja alguém infectado pelo vírus. E que, nas semanas seguintes, outros retornem aos seus locais de trabalho, descobrindo o problema de saúde e podendo transmitir o vírus para outras pessoas.

Antes da chegada do Eid al-Fitr, muitos trabalhadores que haviam saído cerca de dois meses atrás retornaram ao trabalho nas áreas de 1948, com base em entendimentos entre a Autoridade Palestina e a ocupação.

As áreas palestinas viviam em um estado de fechamento quase completo da economia e se deslocavam entre as províncias e os centros das cidades, de acordo com as decisões dos decretos de emergência que foram os primeiros no dia 5 de março passado, para evitar o surto do vírus "Corona". Durante o feriado, o governo impôs um fechamento total em todas as áreas que duraram quatro dias e terminaram à noite na segunda-feira.

 

Mortes na comunidade

Em um contexto recente, o Ministério de Relações Exteriores e Expatriados informou que o número de mortes pelo vírus Corona entre as comunidades palestinas em muitos países era de 97 e 1.604 ficaram doentes, enquanto o número de casos de recuperação chegou a 787.

O Ministério das Relações Exteriores afirmou que o grupo de trabalho preocupado em acompanhar as condições da comunidade palestina nos Estados Unidos confirmou que não foram registradas novas infecções ou mortes entre a comunidade, de modo que o número de infecções permanece 772, o número de mortes 52 e o número de pessoas em recuperação 276.

A Embaixada do Estado da Palestina no Reino da Arábia Saudita afirmou que uma nova morte foi registrada por Ahmed Nimr Mahmoud Al-Wafa'i (78 anos) com o vírus Corona, elevando o número de mortes para 9 e registrando 3 casos de recuperação, elevando o número de casos em recuperação para 7 e nenhuma nova infecção foi registrada para manter o número de infecções, 41 pessoas. O Ministério das Relações Exteriores também anunciou a morte do cidadão Murid Ahmad Amin Bseisu, 74, no Estado do Kuwait, por ter sido infectado pelo vírus Corona.

Ela disse que o número total de feridos na comunidade palestina nos países do mundo foi de 1604 feridos, enquanto o número de casos de recuperação atingiu 787 casos.

Em Gaza, não foram relatadas novas infecções, e procedimentos de emergência preventivos permaneceram em vigor, incluindo o fechamento de mesquitas, especialmente depois que muitas vítimas foram registradas entre os retornados recentes e aqueles em centros de quarentena obrigatórios.

O Ministério da Saúde disse que o número de casos confirmados infectados pelo vírus "Corona" atingiu 55 casos, 18 dos quais se recuperaram, enquanto uma morte foi registrada.

Ainda existem mais de 1.600 pessoas nos centros de quarentena obrigatórios, todos vindos de fora da Faixa durante o último período, onde a travessia de Rafah foi excepcionalmente aberta para o retorno de um grande número de cidadãos isolados, enquanto dezenas voltaram da Jordânia, através da travessia de Karama na cidade de Jericó e de lá para Beit Hanoun "Erez" cruzando o norte da Faixa de Gaza.

 

Fonte: Al-Quds

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.