Domingo, 16 Junho 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

A fábula do sionismo de esquerda

Por Sayid Marcos Tenório

Sionismo, Estado de Israel e limpeza étnica são termos indissociáveis. Antes mesmo da partilha em 1947, o autodenominado sionismo de esquerda já se constituía numa corrente do movimento sionista que, apesar do ideário de esquerda e “pacifista”, contribui para legitimar as ações do Estado de Israel contra o povo palestino. Termos como “genocídio”, “apartheid”, “limpeza étnica” e “BDS” (o movimento de Boicote, Sanções e Desinvestimento) não fazem parte do vocabulário dos sionistas de esquerda, nem em Israel nem em qualquer parte do mundo.

Essa ideologia chegou à Palestina ainda na década de 1920, no período em que o Movimento Sionista promovia uma forte imigração de judeus. Esses imigrantes, a maioria vinda do leste europeu, foram os responsáveis pela criação dos Kibbutz, comunidades agrícolas largamente saudados pelos movimentos socialistas e comunista de todo o mundo. Apesar do caráter coletivista e igualitário na propriedade e produção, esses Kibbutz não admitiam os trabalhadores palestinos entre seus membros.

Para o israelense e bacharel em Relações Internacionais pela PUC-SP, Shajar Goldwaser, “o Kibbutz veio a se tornar a base econômica, social e cultural da nova sociedade judaica, motivada pelo lema ‘um povo sem terra para uma terra sem povo’, que via na Palestina a possibilidade de sua modernização e emancipação. O que os sionistas socialistas não esperavam era encontrar uma vibrante sociedade palestina no local, o que os impediria de concretizar o seu ideal máximo: a criação de uma Democracia Judaica”.

A professora do Departamento de Sociologia da UNB, Berenice Bento, propôs o conceito redwashing em artigo publicado no Opera Mundi para definir “o papel nefasto que discursos apoiados em um suposto ideário de esquerda terminam por legitimar as ações do Estado de Israel”. Para ela, esse discurso supostamente de esquerda é utilizado para limpar os crimes de Israel.

Pouco importa se a Palestina segue desaparecendo, que os métodos de terror utilizados pelo Estado de Israel não arrefeçam ao longo dos seus anos de existência. E, ao final, o praticante do redwashing dirá que é aliado do povo palestino. Com um aliado como este, quem precisa de inimigo?

Este discurso é utilizado também mundo afora por certos setores do movimento de solidariedade, partidos, parlamentares de esquerda e defensores dos direitos humanos que fecham os olhos de maneira cúmplice, ao defenderem um certo diálogo em busca da paz. No entanto, seus discursos vêm carregados de acusações aos “extremistas”, leia-se, a resistência que cobra o cumprimento das Resoluções da ONU, principalmente aquela que diz respeito ao retorno dos refugiados expulsos desde 1948.

Berenice Bento afirma em seu artigo já mencionado que, a partir da sua vivência e leituras de diversos artigos de ONGs israelenses que se dizem defensoras do povo palestino, chegou a conclusão de que “a grande maioria, infelizmente, no suposto trabalho de quebrar o silêncio das necropolíticas implementadas pelo Estado de Israel, na verdade, fazem um sofisticado trabalho de justificar estas mesmas políticas acionando o ideário socialista. Dizem que há exagero em definir o que acontece como genocídio. A este excesso linguístico praticado por ativistas de movimentos de solidariedade do mundo inteiro, os redwashing não têm nenhuma timidez em tipifica-lo como ‘antissemita’”.

A esquerda sionista israelense e certos setores do movimento de solidariedade teimam em não reconhecer o Movimento de Resistência Islâmica – HAMAS – como um partido político palestino que em 2006 elegeu democrática e limpamente a maioria do Conselho Legislativo, o Parlamento palestino, a quem consideram como um grupo fundamentalista e terrorista islâmico, portanto, incapaz de dialogar, mesmo que as resoluções políticas do Movimento sejam no sentido do diálogo e da unidade das forças palestinas para enfrentar a ocupação. Acabam fazendo coro com os sionistas, que não concedem aos palestinos sequer o direito de eleger seus governantes. Quando os palestinos votam em quem os sionistas acham que não deveriam votar, são castigados. É o que acontece com Gaza, que se converteu na maior prisão a céu aberto do mundo, desde que o Hamas ganhou as eleições a passou a ser a esperança de luta e resistência dos palestinos que não suportam mais o apartheid sionista.

A minha percepção, a partir do que ouvi nos diálogos que mantive em visita à Palestina, é a de que os palestinos continuam a acreditar na resistência como o único caminho. Pude perceber que o apoio crescente ao Hamas é uma consequência natural da ocupação brutal e do apartheid sionista. Por outro lado, a decepção com os acordos não cumpridos por parte do ocupante e o papel exercido pela Autoridade Palestina como gerente das políticas de Israel após os acordos de Oslo, é um dos motores do crescimento da influência do Hamas, tanto em Gaza quanto na Cisjordânia.

A esquerda sionista condena os chamados “atentados” realizados pelos diversos grupos palestinos que lutam pela independência, enquanto silencia perante o genocídio cometido pelas forças de Israel desde 1948, como também na primeira intifada, em 1987, na segunda intifada em 2000, na Grande Marcha do Retorno, manifestação que vem ocorrendo desde 30 de março de 2018 e os ataques massivos a Gaza em 2012 e em 2014, onde foram mortos mais de 2.200 palestinos.

Segundo Goldwaser, no artigo mencionado, em relação aos movimentos palestinos, a esquerda sionista se mostra tão racista quanto a direita: “Ela não reconhece os crimes que ela própria cometeu contra palestinos, não reconhece que os palestinos têm direito de retornar às suas vilas, terras e cidades roubadas, não reconhece o direito legítimo da população palestina de resistir contra a massiva ocupação militar que sofre e, finalmente, defendo um modelo de Estado nacional baseado na segregação étnico racial – o Estado Judaico”.

A esquerda sionista que se orgulha do protagonismo na chamada Guerra de Independência de 1948, uma guerra que de fato deu início a Nakba, a catástrofe que provocou uma enorme limpeza étnica com a morte de milhares de palestinos e onde mais de 800 mil homens, mulheres e crianças foram expulsos de suas terras – mais que toda população de judeus existente na Palestina naquela ocasião – através da destruição de mais de 400 vilas e povoados, é a mesma esquerda sionista que diz querer o diálogo e a busca da paz e da coexistência na Palestina, através da solução de dois estados, um discurso que enche os olhos de muitos pelo mundo afora, que sentem vergonha de dizer que aceitam a prática genocida e o apartheid do Estado de Israel.

Os chamados sionistas de esquerda representam um perigo para a unidade do movimento de resistência, porque confundem o movimento de solidariedade através de propostas capciosas, tais como “coexistência”, “paz duradoura” e “diálogo”, ao mesmo tempo em que tentam minar as campanhas centrais de solidariedade ao povo palestino, como o movimento BDS, que tem sido responsável pela queda de 46% dos investimentos externos de Israel nos últimos anos. O sionismo de esquerda representa um perigo para a luta palestina, pois não passa de uma ramificação ardilosa do projeto colonial, ao qual prestam serviço.

 

Sayid Marcos Tenório é historiador e especialista em Relações Internacionais. É secretário-geral do Instituto Brasil-Palestina (IBRASPAL). [email protected]

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.