Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

A fome destrói os palestinos do Líbano. Um escritor destaca o sofrimento

O escritor Ahmed Al-Hajj Ali destacou em seu artigo o grave sofrimento que os refugiados palestinos estão passando nos campos do Líbano, sobre o impacto da crise econômica no país.

Ali disse no artigo publicado no site "Cities": Os campos de refugiados palestinos no Líbano tiveram o dobro do impacto da crise vivida sobre eles, porque já estavam sofrendo com a pobreza generalizada, que era de cerca de 65%, antes da recente crise econômica no Líbano.

Ressaltou que a má situação levou os ativistas sociais palestinos a lançar muitas iniciativas para garantir alimentos, o que ressoou com os palestinos na diáspora, que, por sua vez, lançaram várias iniciativas, uma das quais na Suécia sob o título "Os campos não vão morrer de fome".

Enquanto o movimento Hamas cancelou suas atividades no Líbano, e os fundos disponíveis foram canalizados em favor dos palestinos do Líbano, o movimento "Fatah" seguiu o exemplo da distribuição de ajuda urgente a grandes setores dos refugiados palestinos em campos e agrupamentos de palestinos.

Ali disse: Nenhum acampamento ou agrupamento está livre de uma ou mais iniciativas sociais destinadas a fornecer comida a refugiados palestinos e residentes em geral, de sírios, libaneses e outros.

O chefe da Associação de Acampamentos de Shatila, Yahya Sarris, foi citado por dizer que distribuem mais de 1.200 refeições durante os dias de distribuição aprovados, e que os necessitados em um acampamento de menos da metade dos seus 25 mil habitantes não são suficientes para os palestinos, e o restante são sírios e libaneses, apontando que a necessidade do acampamento hoje é 4000 refeições, pois a taxa de pobreza excedeu 85%, no mínimo.

Ali indicou que a crise econômica também se refletia nas condições de saúde dos palestinos no Líbano, de acordo com o diretor da Associação de Serviços Médicos Al-Shifa, Dr. Majdi Karim.

A crise financeira levou muitos às clínicas da UNRWA a procurar tratamento, pela primeira vez em suas vidas, o que causou grande pressão nessas clínicas, apesar da falta de especialidades.

O diretor da associação, que inclui sete dispensários nos campos palestinos, reclamou da diminuição do estoque de medicamentos nos fornecedores.

Os números obtidos pelo censo de 2017 mostram que o número de refugiados palestinos nos campos e centros populacionais atingiu 174422 indivíduos, e os resultados também mostraram que 45,1% dos refugiados palestinos vivem nos campos, em comparação com 54,9% deles que vivem em comunidades palestinas e áreas adjacentes.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.