Domingo, 05 Julho 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

A ONU aponta para Airbnb, Expedia e 110 outras empresas 'ilegais' em territórios palestinos ocupados

Há empresas que lucram ilegalmente em territórios ocupados, situação que o direito internacional proíbe. A lista inclui empresas da França, Estados Unidos, Holanda, Luxemburgo, Tailândia ou Reino Unido. A Palestina celebra a 'vitória do direito internacional' sobre o ultraje de Israel que nunca respeitou nenhuma legalidade, NUNCA!

O relatório publicado quarta-feira pelo escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que aponta para 112 empresas com atividades em assentamentos israelenses em territórios palestinos ocupados, é uma "rendição vergonhosa" para Israel e uma "vitória" completa para a Palestina.

A ONU tornou pública a lista de cem empresas com atividades consideradas ilegais pelo direito internacional. Isso inclui empresas da França, Estados Unidos, Holanda, Luxemburgo, Tailândia ou Reino Unido: Airbnb, TripAdvisor, Alstom, Booking, Motorola Solutions ou Expedia, entre outras.

Quase imediatamente, o governo israelense denunciou o relatório: "É uma rendição vergonhosa a pressão de países e organizações que querem prejudicar Israel", disse o ministro de Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, em comunicado o que garantiu que "a maioria dos países se recusou a participar dessa campanha de pressão política".

Por sua vez, o escritório do ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riyad a-Maliki, comemorou que a publicação da lista representa "uma vitória para as leis internacionais e nossos esforços diplomáticos para conter o sistema colonial incorporado por assentamentos ilegais nos territórios. Palestinos ocupados ". O ministro pediu aos Estados membros e à ONU que enviassem "recomendações e instruções para essas empresas cessarem imediatamente seu trabalho nos assentamentos".

 

Sem consequências legais

O documento foi publicado quase três anos depois de uma resolução de 2016 do Conselho de Direitos Humanos da ONU, que solicitou um banco de dados de todas as empresas ativas nos assentamentos israelenses. Isso ocorre precisamente durante um novo período de tensão entre Israel e Palestina após o anúncio do plano de paz para o Oriente Médio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"Estou ciente de que esta questão foi e continuará sendo uma questão controversa", disse Michelle Bachelet, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que enfatizou que o relatório "é baseado em fatos" e reflete um trabalho " sem precedentes e particularmente complexo ".

Depois de analisar 300 empresas, a lista "não constitui ou pretende constituir um processo judicial", a agência especificou diante do medo israelense de dar lugar a um boicote aos negócios. Isso foi esclarecido pelo porta-voz da Bachelet, Rupert Colville, que insistiu que a lista não considera a atividade das empresas mencionadas como "ilegal".

A verdade é que o Airbnb já reconheceu em abril de 2019 que estava operando nos territórios que Israel anexou em 1967 e disse que doaria o produto das reservas no território a organizações humanitárias internacionais.

 

Fonte: RTVE.es

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.