Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

A única fábrica de medicamentos de Gaza opera com apenas 20 por cento da capacidade

A única fábrica farmacêutica na Faixa de Gaza ocupada por Israel está “lutando para sobreviver” e operando com apenas 20 por cento de sua capacidade, informou a Xinhua.

Estabelecida em 1994 pelos Laboratórios Farmacêuticos e Cosméticos do Oriente Médio Ltda, com produção iniciada em 1999, a fábrica foi severamente atingida pela “deterioração da situação econômica causada pelo bloqueio de 12 anos em Israel”.

De acordo com o presidente da empresa, Marwan Al-Astal, os produtos são vendidos “com baixa margem de lucro, a fim de ajudar a aliviar as terríveis condições econômicas que a população de Gaza enfrenta”, acrescentando que “o bloqueio de Israel e a crise econômica que ele trouxe podem encerrar nosso negócio”.

Al-Astal disse à Xinhua que um fator-chave que contribuiu significativamente para o declínio da capacidade produtiva da fábrica são as repetidas incursões militares israelenses na fábrica, “acrescentando que a fábrica já foi confiscada pelo exército israelense por mais de três meses contínuos. ”.

No entanto, o maior obstáculo continua sendo o bloqueio. “Desde que o bloqueio foi imposto em 2007, as autoridades israelenses impediram a entrada de muitas matérias-primas necessárias para a indústria farmacêutica, o que reduziu as taxas de produção em até 80%”, disse Al-Astal.

O secretário da Federação das Indústrias da Construção, Mohammed Al-Assar, disse à Xinhua que as restrições israelenses levaram a perdas significativas no setor industrial privado em geral e no setor de construção industrial em particular.

“Ele acrescentou que Israel continua a proibir a entrada de cerca de 400 itens de matérias-primas e mercadorias em Gaza, impedindo a reconstrução do que foi destruído durante a guerra de 2014”, relatou a Xinhua.

O gerente Sami Al-Taaban disse que a fábrica utiliza 20% de sua capacidade de produção.

“No entanto, conseguimos encontrar alternativas para manter os lucros mínimos e também para manter nossos trabalhadores. A alternativa foi produzir outras variedades de medicamentos e cosméticos para garantir a continuidade do trabalho ”, disse Al-Taaban à Xinhua.

 

Fonte: Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.