Segunda Feira, 24 Fevereiro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Acordo de paz de Trump desencadeia violência entre israelenses e palestinos

Dois jovens e um policial palestino são mortos por tiros do Exército na Cisjordânia. Um agente israelense é baleado e 12 soldados são atingidos em ataques em Jerusalém

Uma semana após a apresentação do plano de paz do presidente Donald Trump, a tensão aumentou na Terra Santa. Dois jovens manifestantes e um policial palestino morreram na Cisjordânia por causa do tiroteio do Exército entre quarta e quinta-feira. Além disso, em dois ataques registrados em Jerusalém nesta quinta-feira, um agente israelense foi ferido após ser baleado por um atirador que foi morto e 12 soldados sofreram ferimentos, um deles muito grave, quando foram deliberadamente atingidos por um veículo no centro de Jerusalém. A escalada da violência, remanescente da chamada Intifada de facas ou lobos solitários (2015-2016), coincide com o ressurgimento dos lançamentos de foguetes da Faixa de Gaza, seguidos por bombardeios de retaliação da aviação israelense sobre o território.

Os primeiros protestos populares de baixo perfil contra o chamado acordo do século tornaram-se violentos em áreas como Hebron, onde os assentamentos de colonos judeus se dividem e cercam a grande cidade da Cisjordânia. Um manifestante de 17 anos foi morto a tiros na quarta-feira em uma ação das tropas israelenses de ocupação, que alegaram estar repelindo um ataque com coquetéis molotov no bairro de Bar al Zawaya.

O Exército reforçou sua presença na Cisjordânia em antecipação a um surto palestino. A demolição da casa da família de um palestino condenado pela morte de um rabino em 2018 desencadeou um treinamento violento em Jenin (norte da Cisjordânia) na manhã de quinta-feira. Um palestino de 17 anos foi morto a tiros por soldados que realizavam a destruição com explosivos da casa, uma medida habitual de represália contra os autores de ataques letais que os palestinos denunciam como punição coletiva.

Um porta-voz militar disse que o jovem era "um atirador de elite" que havia atirado nas tropas. No mesmo incidente, um policial da Autoridade Palestina que estava na área ficou ferido e morreu logo após ser evacuado para um hospital. O Exército de Israel abriu uma investigação sobre esses fatos. Fontes militares citadas pelo jornal Haaretz disseram que o policial palestino estava de plantão na porta de uma delegacia próxima e não representava uma ameaça aos soldados

Enquanto isso, em Jerusalém, um membro da Polícia de Fronteira, uma força de segurança militarizada israelense, foi ferido ao meio-dia de quinta-feira pelo disparo de um atacante palestino perto do Portão Lions do complexo murado, na parte oriental da Cidade Santa ocupada por Israel desde 1967. O agente também abriu fogo contra o agressor, que foi morto instantaneamente, informou a polícia israelense.

Algumas horas antes, nas primeiras horas da quinta-feira, um veículo atropelou deliberadamente vários israelenses - 12 soldados e dois civis - perto do centro comercial e de entretenimento da Estação Velha, na parte oeste de Jerusalém e perto da Cidade Velha. Os militares eram jovens recrutas que se preparavam para participar de um ato no Muro das Lamentações, o principal local de culto do judaísmo aos pés da Esplanada da Mesquita. Um deles está em estado crítico em um hospital de Jerosolimitano. O motorista fugiu e está sendo revistado com uma implantação maciça de unidades das forças de segurança.

Da Faixa de Gaza e sem creditar a ação do ultraje, o movimento islâmico Hamas descreveu o ataque como "uma operação de resistência à ocupação e uma resposta ao plano de destruição de Trump". Na semana passada, o foguete palestino foi multiplicado por Israel a partir do enclave palestino, sem causar baixas, nem bombardeios retaliatórios contraposições de milícias islâmicas em Gaza, que também não causaram ferimentos.

O ministro do Interior de Israel, Aryeh Deri, reconheceu em declarações à rádio estatal que existe uma clara correlação entre a escalada da violência e o plano de paz da Casa Branca. A iniciativa de Trump, rejeitada pelos palestinos por não garantindo seu próprio Estado, estabelece pré-condições extremamente favoráveis para Israel e dá acesso gratuito à anexação das colônias judaicas na Cisjordânia e ao estratégico Vale do Jordão.

 

Fonte: Juan Carlos Sanz, jornal El País - Espanha

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.