Domingo, 21 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

A crise da descolonização terapêutica

Nos últimos anos, o conceito de “descolonização” foi engolido pelas suas potencialidades metafóricas. O resultado é uma situação desconfortável para as instituições de elite que abraçaram retoricamente a “descolonização” – mas prefeririam certamente evitar as suas implicações mais literais

por Geoff Shullenberger - Editor da Compact Magazine 

No rescaldo da chocante incursão do Hamas em Israel, a escritora somali-americana Najma Sharif perguntou retoricamente no X: “O que vocês acham que significa descolonização? Vibes? Papers? Ensaios? Perdedores.” No momento da redação deste artigo, a postagem obteve mais de 100.000 curtidas e quase 25 milhões de visualizações. Sharif tinha razão numa coisa: uma névoa impenetrável de imprecisão desceu sobre este termo. Antes do derramamento de sangue consumir novamente o Médio Oriente, as manchetes apontavam para a forma como poderíamos “descolonizar” a inteligência artificial, a nossa dieta, o design, o teatro e “a cidade”.

Nos últimos anos, o conceito de “descolonização” foi engolido pelas suas potencialidades metafóricas. O segundo significado eufemístico que o termo adquiriu no processo – um gesto verbal evasivo no sentido da restituição simbólica de certos erros históricos – facilitou o seu endosso generalizado por parte de universidades, ONGs e meios de comunicação social. Mas à medida que o Hamas devastava o sul de Israel, escritores, ativistas e acadêmicos ligavam avidamente o termo ao seu referente concreto original: as lutas muitas vezes terrivelmente brutais pelo controle territorial que moldaram o século XX e que agora correm o risco de regressar à ribalta à medida que a Pax Americana vacila.

O resultado é uma situação desconfortável para as instituições de elite que abraçaram retoricamente a “descolonização” – mas prefeririam certamente evitar as suas implicações mais literais.

Uma indicação clara deste impasse é a hesitação amplamente notada das grandes universidades – geralmente tão ansiosas por emitir declarações solenes sobre a última tragédia noticiada – em comentar publicamente os acontecimentos da semana passada. Um exemplo: a Universidade de Nova Iorque (meu antigo empregador) até agora não emitiu uma declaração nas suas redes sociais públicas sobre os acontecimentos em Israel, embora tenha feito várias publicações no mesmo período em comemoração do Dia dos Povos Indígenas. No único e-mail sobre o assunto enviado à comunidade universitária, a recém-empossada presidente da NYU, Linda Mills, ofereceu a seguinte reflexão empolada: “A violência que assola agora provavelmente intensificará os sentimentos daqueles em nosso campus que têm opiniões fortes sobre o conflito. ” O e-mail da NYU também incluía – como acontece com essas mensagens – o número da linha direta de saúde mental do campus.

“A exigência de restauração territorial tornou-se uma metáfora para lutas internas pela identidade.”

Aqui encontramos uma pista indireta sobre a verdadeira natureza do projeto de “descolonização” que se tornou uma parte proeminente do ensino superior: tal como muito do que acontece agora nas instituições de elite, é, em última análise, um empreendimento terapêutico. As batalhas pela terra e pela soberania são deslocadas para a psiquê; a exigência de restauração territorial tornou-se uma metáfora para lutas internas sobre identidade e pertencimento, para as quais as universidades servem de palco.

Mas a história intelectual sugere que esta função terapêutica não é tão facilmente separada das implicações violentas do conceito como os administradores universitários gostariam. O filósofo afro-caribenho Frantz Fanon, geralmente considerado o criador de grande parte do pensamento contemporâneo sobre a descolonização, também era um psiquiatra praticante. No seu manifesto de 1961, Os Condenados da Terra, Fanon argumentou que a violência era essencial para a derrota do colonialismo tanto por razões psicológicas como por razões práticas: Sem uma luta sangrenta contra o colonizador, os colonizados não podem curar as feridas psíquicas impostas a eles pelo colonialismo. Deste cadinho, profetizou ele na fase inicial da descolonização, nasceria um “novo homem”. Para Fanon, a descolonização só era terapêutica na medida em que também era real, material – e violenta.

Nos últimos dias, os manifestantes pró-Palestina tentaram canalizar os efeitos catárticos da violência anticolonial invocada por Fanon. Mas à medida que a resposta de Israel se desenrola com o apoio ocidental, uma narrativa gêmea veio à tona do outro lado, com alguns apoiantes do Estado Judeu também a procurarem a catarse na distribuição da devastação recíproca em Gaza. Da mesma forma, uma dificuldade com qualquer aplicação unilateral da explicação de Fanon sobre a descolonização neste contexto é que Israel tem a sua própria explicação da regeneração psíquica através da construção da nação. Também alguns dos primeiros sionistas procuraram forjar um “novo homem” através de uma luta violenta para superar os efeitos psíquicos de milênios de antissemitismo e de subjugação sem Estado. Ambas as narrativas mantêm um apelo poderoso muito além dos territórios em disputa.

Não houve assunto mais delicado do que Israel nas universidades de elite nas últimas décadas. A maioria deles tem círculos eleitorais influentes em ambos os lados do conflito e, consequentemente, agiram de formas contraditórias, atraindo muitas vezes a ira tanto dos apoiantes de Israel como dos seus oponentes. Mas a sua relutância e constrangimento em responder à situação atual sugere um problema mais profundo do que estas lealdades divididas. Durante anos, as faculdades de elite – e outras instituições influentes – emprestaram o seu prestígio a conceitos outrora radicais como a descolonização, parecendo imaginar que poderiam ser mantidos separados das histórias horríveis das quais surgiram. Fanon, o padrinho intelectual do pensamento “descolonial”, não era tão ingênuo. À medida que o mundo se torna novamente mais perigoso, o luxo do radicalismo metafórico pode revelar-se demasiado dispendioso para ser sustentado.

https://compactmag.com/article/the-crisis-of-therapeutic-decolonization

Texto traduzido livremente para fins educacionais.

  • Gravatar - Post by
    postado por: Geoff Shullenberger
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.