Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Ajudar os refugiados palestinos não é uma questão política

Os ataques à UNRWA visam politizar uma organização humanitária que se manteve neutra em seu trabalho com os refugiados palestinos.

Por Philippe Lazzarini

 

Mohammad é um menino de sete anos que mora em Gaza. Como os quase 300.000 alunos em Gaza que frequentam escolas administradas pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA), ele entrou e saiu do aprendizado presencial e remoto desde a eclosão do COVID- 19. Pandemia que já dura um ano. Ele luta contra os cortes de eletricidade todos os dias para receber materiais educacionais online preparados por professores da UNRWA que também lutam para ter acesso à eletricidade e à Internet. O direito de Mohammad à educação permanece inalienável, mesmo durante uma pandemia e uma crise humanitária.

Ele é apenas um dos 5,7 milhões de refugiados palestinos registrados na UNRWA hoje, muitos dos quais enfrentaram um sofrimento inimaginável desde que seus ancestrais foram deslocados de sua terra natal, há mais de 70 anos. O aniversário de um ano do bloqueio global marca 12 meses de sofrimento ainda maior para os refugiados palestinos em toda a região.

Como comissário-geral da UNRWA, minha responsabilidade é garantir que os refugiados palestinos na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, Gaza, Jordânia, Líbano e Síria, recebam os serviços básicos a que têm direito. Mesmo assim, no ano passado, a UNRWA foi alvo de ataques de ferocidade e preconceito sem precedentes.

A acusação mais frequente contra nós é que a UNRWA desempenha um papel político. Isto não podia estar mais longe da verdade. A UNRWA tem o mandato de fornecer assistência humanitária direta e vital aos refugiados da Palestina, que aguardam uma solução justa e duradoura para sua situação. Essa é a prioridade e o foco da agência. Não se envolve em política. A UNRWA, como todas as outras agências das Nações Unidas e ONGs internacionais, está vinculada aos quatro princípios humanitários (humanidade, imparcialidade, neutralidade e independência) que estão consagrados em duas resoluções da Assembleia Geral da ONU.

Isso significa que todas as operações da UNRWA são conduzidas exclusivamente pelo alívio do sofrimento (humanidade), garantindo que nossa resposta seja independente dos objetivos militares e políticos (independência), sem discriminação (imparcialidade) e não tomando partido no conflito (neutralidade). Ser político é a antítese de ser humanitário.

O compromisso estrito com os princípios humanitários orienta todas as nossas posições e decisões. Todos os funcionários da UNRWA são treinados para defender os princípios de neutralidade e não discriminação e são responsabilizados e disciplinados se forem violados. Em todas as 711 escolas da UNRWA na região, nossos alunos se organizam em parlamentos escolares e aprendem sobre a importância dos direitos humanos, igualdade e tolerância. Os professores da UNRWA são constantemente treinados sobre como abordar criticamente qualquer conteúdo educacional que não esteja de acordo com os valores da ONU. É uma prova aos nossos 28.000 funcionários e cerca de 532.000 alunos que eles afirmam esses valores de forma esmagadora mesmo em meio a emergências e crises, permanecendo neutros mesmo durante conflitos.

Os recentes ataques à UNRWA - alegando que ensinamos “jihad” e “terrorismo” - são tentativas tendenciosas de arrastar uma agência humanitária de princípios para uma esfera altamente politizada à qual ela não pertence. Além disso, eles classificaram incorretamente os alunos da UNRWA como propensos ou favoráveis à jihad e ao terrorismo. Não deve haver tolerância para estereótipos. Ater-se firmemente à neutralidade e à não discriminação garante que possamos trabalhar com todas as partes para poder ajudar e proteger os refugiados da Palestina, seja importando medicamentos para nossas 144 clínicas de saúde que 3,1 milhões de refugiados acessam a cada ano, obtendo vistos para nossos professores comparecerem conferências no exterior, ou garantindo a santidade de nossos edifícios em tempos de guerra.

Como a ONU ou agência humanitária operando em um dos conflitos mais complexos e mais antigos do Oriente Médio, sabemos melhor do que ninguém a importância de permanecer neutros. Os ataques em curso e as alegações infundadas contra a UNRWA são apenas uma ferramenta política para deslegitimar a agência e os refugiados da Palestina que ela protege. Esses ataques procuram desviar o foco das dificuldades que os refugiados palestinos enfrentam devido à sua desapropriação e deslocamento em curso. Diante desses ataques políticos, são as vozes dos mais vulneráveis, como Mohammad e seus colegas, que lutam para aprender nos ambientes mais difíceis, que são silenciadas. Abalar as bases da agência que fornece ajuda a milhões de pessoas em todo o Oriente Médio constitui mais um golpe para uma região altamente volátil.

Imagine um Oriente Médio sem UNRWA e um conflito não resolvido. Na ausência de uma solução política, nenhum UNRWA significa nenhuma educação para meio milhão de crianças ou nenhuma clínica de saúde para 3,1 milhões de refugiados palestinos por ano e, principalmente, nenhuma sensação de segurança e estabilidade para milhões de refugiados palestinos que se sentem cada vez mais discriminados contra, desprivilegiados e marginalizados. Como humanitários, encontrar uma solução para este conflito não é da nossa responsabilidade. Mas garantir que os direitos humanos dos refugiados palestinos sejam totalmente respeitados e suas vozes não sejam silenciadas, até que a comunidade internacional encontre uma solução, sim.

 

Philippe Lazzarini é comissário geral da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina

 

Fonte: Aljazeera

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.