Domingo, 14 Agosto 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

Além da propaganda: Pinkwashing como violência colonial (por al-Qaws)

Este artigo de análise explora uma mudança de paradigma que a alQaws vem explorando na última década de sua organização comunitária de base, que centraliza as experiências dos palestinos queer.

Há mais de uma década, ativistas palestinos adotaram o termo “pinkwashing” para descrever como o Estado de Israel e seus apoiadores usam a linguagem dos direitos dos gays e trans para desviar a atenção internacional da opressão dos palestinos. Guias de viagem israelenses e vídeos promocionais anunciam as praias de Tel Aviv como um destino de fuga gay-friendly – ​​e escondem a realidade de que turistas estão dançando sobre as ruínas de aldeias palestinas etnicamente dizimadas. A inclusão aberta de oficiais gays no exército de ocupação israelense é usada como prova de mentalidade liberal, mas para os palestinos a sexualidade do soldado em um posto de controle faz pouca diferença. Todos empunham as mesmas armas, usam as mesmas botas e mantêm o mesmo regime colonial.

 

O Pinkwashing surgiu como parte de um esforço de propaganda internacional em andamento, que visa reposicionar Israel como um estado liberal e “moderno” diante do crescente movimento de solidariedade à Palestina. Ao promover cidades como Tel Aviv como destinos de turismo gay, o Ministério das Relações Exteriores de Israel busca conquistar o apoio de comunidades queer em todo o mundo e impedir conexões internacionais com a luta palestina. Fundamentalmente, a promoção do “Israel amigo dos gays” depende de apresentar os palestinos (e os árabes em geral) como exatamente o oposto: sexualmente regressivos e, portanto, indignos de solidariedade. Esses estereótipos se baseiam na longa história de esforços para demonizar as narrativas e a resistência palestinas usando estratégias políticas ancoradas no racismo antiárabe e na islamofobia.

 

Os primeiros anos de ativismo anti-pinkwashing se concentraram em identificar e combater os esforços para esconder a realidade do colonialismo israelense e do apartheid por trás de uma cortina de fumaça de amizade queer. No entanto, à medida que as campanhas e teorias anti-pinkwashing progrediam, os ativistas da alQaws perceberam que o termo “propaganda” não poderia capturar o verdadeiro escopo do pinkwashing. Embora o pinkwashing muitas vezes apareça para o mundo como uma estratégia de marketing global, é, em última análise, uma expressão da política sexual e de gênero mais profunda de Israel e dos fundamentos ideológicos do sionismo.

 

Pinkwashing é o sintoma, a relação colonizador-colonialismo é a doença enraizada. Reconhecer o pinkwashing como violência colonial pode nos ajudar a entender como Israel divide, oprime e apaga os palestinos com base no gênero e na sexualidade.

 

O colonialismo dos colonos israelenses funciona separando e eliminando as comunidades palestinas, seja por meio da violência militar da ocupação e do cerco, dos regimes legais do apartheid ou da negação do direito de retorno dos refugiados. No entanto, também divide os palestinos interna e psicologicamente, nos domínios pessoais da autopercepção e identificação coletiva. Para entender a natureza dessa luta, também temos que entender a nós mesmos e como a colonização afeta nossa vida interior.

 

Pinkwashing empurra a ideia racista de que a diversidade sexual e de gênero não é natural e estranha à sociedade palestina. Quando essa ideia é internalizada nas comunidades palestinas, ela aliena os palestinos queer e não conformes de gênero e os isola como um grupo social. Essas pressões sociais combinadas dizem aos palestinos queer que eles devem desistir de alguma parte de sua identidade ou experiência: podemos ser queer e não aceitos como palestinos, ou podemos ser palestinos e não aceitos como queer. Os efeitos destrutivos do pinkwashing internalizado reverberam em todas as comunidades palestinas, fortalecendo mitos que associam palestinos queer a colaboradores israelenses ou informantes nativos ocidentalizados e propaga sentimentos de desesperança que estreitam nossos imaginários políticos.

 

Pinkwashing também é uma estrutura desempoderadora: se gênero e opressão sexual são uma parte essencial do que significa ser palestino, então não há como desafiá-lo ou mudá-lo. Em nenhum momento os palestinos queer podem ser vistos como agentes radicais de transformação dentro de nossa própria sociedade. Em vez disso, o pinkwashing compele os palestinos queer a interpretar suas experiências e dores através das lentes da vitimização e impotência, o que contribui para o desempoderamento e a supressão mais ampla de todos os palestinos sob dominação colonial.

 

No entanto, os mitos do “salvador israelense” persistem, apesar de suas óbvias contradições, porque o pinkwashing trabalha incansavelmente para apagar a presença de seu oponente mais formidável: um movimento queer palestino que funde intransigentemente a luta contra o colonialismo com a luta contra a opressão patriarcal e capitalista, e que se vê como parte integrante da sociedade palestina e da luta anticolonial. O apagamento sistemático de vozes queer progressistas e politizadas atende aos interesses do poder colonial e de sua narrativa.

 

AlQaws enfatiza o pinkwashing como violência colonial para revelar as políticas sexuais e de gênero mais profundas de Israel. Ao rejeitar a fragmentação colonial e ao nos recusarmos a permitir que uma brecha seja criada entre o eu e a sociedade, somos capazes de combater nossa exclusão e reivindicar um lugar para nós mesmos em nossas comunidades e em nossa luta. No trabalho de alQaws, a homossexualidade palestina não é simplesmente uma identidade, mas uma abordagem radical à mobilização política e à descolonização.

 

O que isso significa para os ativistas de solidariedade internacional e para os palestinos que se organizam na diáspora? Este documento foi concebido na esperança de reorientar o trabalho anti-pinkwashing para centrar as vozes palestinas queer e incorporar abordagens que se desenvolveram ao longo de duas décadas de organização de base na Palestina. Nos círculos ativistas baseados no Norte Global, o pinkwashing tem sido amplamente considerado uma estratégia de propaganda e combatido por meio de iniciativas anti-pinkwashing baseadas em campanhas. Basear-se na análise do pinkwashing como violência colonial não apenas permitirá que os ativistas combatam melhor as instâncias de propaganda israelense, mas também situará o pinkwashing em seu contexto colonial mais amplo e nos permitirá fazer conexões com outras formas de colonialismo e opressões de gênero e sexuais. O trabalho anti-pinkwashing é conduzido no espírito do internacionalismo e do anti-imperialismo, mas também esperamos que este recurso viva em uma organização local dinâmica e evolua de acordo com o contexto em que é lido e usado.

 

Fonte: http://www.alqaws.org/articles/Beyond-Propaganda-Pinkwashing-as-Colonial-Violence?category_id=0

Traduzido do original em inglês por G. Hamid

  • Gravatar - Post by
    postado por: Al-Qaws
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.