Sexta Feira, 22 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Al-Shweiki: a ocupação usou a pandemia de covid-19 para judaizar Jerusalém

“Um movimento popular árabe e islâmico é necessário em 2021”

Saleh Al-Shweiki, membro do Comitê para a Defesa das Terras de Jerusalém e do Comitê para a Proteção da mesquita de Al-Aqsa, confirmou, que a ocupação sionista explorou durante o ano 2020 a covid-19 para judaizar Al-Aqsa e permitir que os colonos a profanassem mais do que nunca.

Al-Shweiki disse que a questão de Jerusalém e da Mesquita Al-Aqsa é a questão de toda a nação, convocando uma ação popular árabe e islâmica para salvar a mesquita de Al-Aqsa e a cidade de Jerusalém.

Ele explicou que, desde o início de 2020, a ocupação tem praticado mentiras e calúnias para passar o trato do século e judaizar Jerusalém o mais rápido possível. Dizer ao mundo que a Jerusalém é a capital do "Grande Israel", mas a verdade é que mesmo os turistas estrangeiros que visitam a cidade de Jerusalém percebem que existe uma coisa, onde a parte ocidental de Jerusalém não tem barreiras, ao contrário da parte oriental completamente que está cheia de postos de controle sionistas e quartéis militares.

Cometer dois crimes

O membro do Comitê para a Proteção da mesquita de Al-Aqsa apontou que durante o ano de 2020, a ocupação aumentou o número de colonos que profanam a mesquita Al-Aqsa em troca de impedir que muçulmanos palestinos orem nela sob o pretexto da pandemia do coronavírus, indicando que a ocupação estava pagando colonos para profanar a mesquita Al-Aqsa em troca de uma quantia de dinheiro estimada em $ 150, sob a proteção da polícia da ocupação israelense chamada Guardas de fronteira.

Al-Shweiki explicou que, durante o ano de 2020, as forças de ocupação israelense fechou os portões da mesquita de Al-Aqsa sob o pretexto da pandemia, e impediu os palestinos que vinham do norte, centro e sul para visitar e rezar na mesquita, e foram detidos, impedidos e violados, sob o pretexto das medidas da pandemia, mas a verdade é que as forças de ocupação cometeram crimes contra os palestinos.

O papel dos almorávidas

Al-Shweiki, que se considera um integrante da mesquita Al-Aqsa, diz que os almorávidas de Jerusalém não deixaram a mesquita de Al-Aqsa por um único dia, e trabalharam muito e diligentemente, apesar de todas as medidas arbitrárias contra eles para frustrar muitos dos esquemas sionistas praticados pela ocupação contra a mesquita de Al-Aqsa.

Al-Shweiki alertou sobre à preocupação gigantesca dessa situação, são as formas de profanação e incursões de colonos contra a Mesquita Al-Aqsa, que assumiram formas mais perigosas por meio do estabelecimento de seus próprios rituais, e seu foco na área do edifício Bab al-Rahma, que era o objetivo de estabelecer uma sinagoga nela.

O efeito da normalização

Al-Shweiki não acredita que haverá um impacto direto na normalização árabe-sionista na mesquita de Al-Aqsa, mas por outro lado, ele incentiva muitos colonos e sionistas a cometer os crimes mais hediondos contra a mesquita de Al-Aqsa, Jerusalém e os palestinos em geral.

Ele disse: "A liderança palestina correu para a coordenação de segurança com o inimigo sionista e concluiu acordos com ele, portanto, não consideramos esses mini-estados que se apressaram em normalizar a ocupação e buscar sua aprovação."

Al-Shweiki explicou que há uma tendência popular palestina de atacar qualquer árabe muçulmano que visite  a mesquita  Al-Aqsa sob as lanças da ocupação com qualquer pretexto, indicando que há um plano sionista dos Emirados de visitar Jerusalém e a Mesquita Al-Aqsa sob a proteção das forças da ocupação israelense. Esse esquema falhou, e os jerusalemitas fazem de tudo para falhar este plano sionista.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.