Quarta Feira, 05 Outubro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

A negação de responsabilidade de Israel pelo assassinato de Abu Akleh pode requerir um corte de ajuda - Leahy

Na semana passada, o governo dos Estados Unidos aceitou a alegação de Israel de que o soldado que atirou na jornalista palestina Shireen Abu Akleh em Jenin ocupada em 11 de maio não pretendia matá-la. Mas Israel não deu nenhuma evidência para a reivindicação.

Ontem o senador Patrick Leahy, senador de Vermont, fez um forte discurso no Senado desafiando a posição dos EUA e advertindo que o caso poderia exigir um corte na ajuda militar americana.

 

"Não houve nenhuma investigação independente e confiável", disse Leahy. "Dizer que disparar fatalmente contra uma pessoa desarmada, e neste caso uma com a IMPRENSA escrita em negrito em suas roupas, não foi intencional, sem fornecer qualquer prova que sustente essa conclusão, põe em questão o compromisso do Departamento de Estado com uma investigação independente e credível e de 'seguir os fatos'".

 

Leahy disse que se o assassinato foi intencional, e Israel não responsabiliza ninguém, "então a Lei Leahy deve ser aplicada". Essa lei proíbe a ajuda militar aos países que cometem violações dos direitos humanos com impunidade.

 

Investigações independentes por grupos de direitos humanos e organizações de mídia deixaram em aberto a possibilidade de um soldado israelense ter como alvo Abu Akleh. Ela estava em um grupo de repórteres todos claramente identificados, e o tiro que a matou foi um dos vários em um grupo apertado - "repetir o tiroteio diretamente contra civis desarmados, a maioria deles conspicuamente marcados como jornalistas", como disse um grupo de direitos humanos.

 

A conclusão dos EUA de que o assassinato não foi intencional foi baseada em uma revisão dos materiais israelenses, e Leahy disse que Israel não podia ser confiável. Porque "Israel tem um histórico de investigações de tiroteios por soldados da IDF que raramente resultam em responsabilização".

 

Israel mentiu sobre o caso desde o início, e só admitiu sua responsabilidade mais de três meses depois.

 

Leahy fez uma série de perguntas "chave" sobre as descobertas oficiais:

 

Se o soldado que disparou o tiro fatal não tinha a intenção de matar a Sra. Abu Akleh, o que ele pretendia?

 

Se, como as autoridades israelenses parecem estar dizendo, o soldado falhou a quem ele estava mirando e atingiu a Sra. Abu Akleh por engano, a quem ele estava mirando?  Que evidência há, se alguma, de que alguém nas imediações do local onde a Sra. Abu Akleh foi atingida estava atirando no soldado da IDF que a matou?

Leahy ridicularizou a linha oficial sobre o assassinato do Coordenador de Segurança dos EUA. "Que provas específicas levaram à conclusão do USSC 'que não há razão para acreditar que isso foi intencional, mas sim o resultado de circunstâncias trágicas'? Quais eram as 'circunstâncias trágicas' a que o USSC estava se referindo?"

 

Leahy também se referiu ao ataque israelense ao cortejo fúnebre de Abu Akleh em Jerusalém.

 

Também exortei as autoridades israelenses a disciplinar aqueles que foram responsáveis e participaram do caos que irrompeu durante o cortejo fúnebre da Sra. Abu Akleh, quando a polícia israelense espancou desnecessariamente os enlutados com bastões, incluindo os portadores do caixão, fazendo-os largar momentaneamente uma ponta do caixão.  Alguma coisa foi feita?

Então Leahy disse que o caso fazia lembrar o assassinato do estado saudita de Jamal Khashoggi, não haverá conseqüências:

 

Há um presságio crescente de que, como em tantos outros casos e como no assassinato de Jamal Khashoggi, nunca haverá a investigação independente e confiável e a responsabilidade que a família da Sra. Abu Akleh, o Secretário de Estado, eu e outros pedimos.  Isso comprometeria ainda mais a segurança dos jornalistas em todos os lugares que corajosamente arriscam suas vidas para informar o público.

O discurso de Leahy é outro sinal de que os democratas progressistas e a imprensa não vão abandonar o assassinato de Shireen Abu Akleh, mas vão manter a pressão sobre a administração Biden.

 

Há dois dias, o Comitê de Relações Exteriores do Senado exigiu uma cópia do relatório dos EUA que aceitou a investigação israelense.

 

Cerca de 60 congressistas e 24 senadores apoiaram as exigências anteriores para uma investigação dos EUA. O deputado Andre Carson disse que continuará empurrando esse projeto de lei até que uma maioria do Congresso assine. O senador Chris Van Hollen tem repetidamente exigido responsabilidade.

 

Os comentários de Leahy foram relatados pela Al Jazeera, antiga empregadora de Abu Akleh. O tweet do discurso de Leahy foi amplamente retweetado.

 

O grupo liberal sionista J Street retweetou os comentários de Leahy, seu diretor político escrevendo: "A Lei Leahy bloqueia a ajuda militar às unidades de segurança estrangeiras que cometem violações graves dos direitos humanos".

 

Fonte: Mondoweiss

https://daysofpalestine.ps/israels-denial-of-accountability-for-abu-akleh-killing-may-require-cutoff-of-aid-leahy/



  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.