Quarta Feira, 14 Abril 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

A ocupação israelense ameaça demolir todo o bairro de Bustan adjacente a Al-Aqsa

“Um precedente perigoso na história de Jerusalém”

Um membro do Comitê de Defesa da Terra de Silwan, Fakhri Abu Diab, revelou a intenção do município de ocupação israelense na Jerusalém ocupada de demolir todo o bairro de Al-Bustan novamente, após cancelar todos os acordos firmados com os moradores do bairro, rejeitou os planos de engenharia, e congelou as ordens de demolição.

Abu Diab disse à agência "Safa" na quarta-feira que o município de ocupação informou ao comitê e ao advogado do bairro que cancelou todos os acordos com o bairro de Al-Bustan e rejeitou os planos de engenharia que havia solicitado aos moradores como alternativa à demolição.

Explicou que o tribunal de ocupação se recusou a conceder prorrogação para congelar as ordens de demolição, que distribuiu aos moradores do bairro recentemente, e assim a prefeitura vai demolir todas as casas, em preparação para a criação de um "parque nacional bíblico".

Ele lembrou que os moradores do bairro já haviam submetido previamente todos os planos de engenharia ao município de ocupação, e cumpriam as condições necessárias para interromper o processo de demolição, e todas as vezes que as encomendas eram congeladas, “mas hoje nos surpreendemos com a recusa do município de todos acordos e sua intenção de realizar a demolição. ”

“Como resultado desta decisão e da insistência do município de ocupação em implementar seu plano, as casas do bairro estão sem cobertura legal e ao vento”, acrescentou.

O bairro de Al-Bustan está localizado a 300 metros da parede sul da abençoada Mesquita de Al-Aqsa. A ocupação afirma que representa um "legado cultural histórico do povo judeu", assim, trabalhou para judaizar seu nome e transformá-lo no "Jardim do Rei Davi".

A história do bairro remonta ao ano de 2005, quando o município de ocupação emitiu a decisão de demoli-lo na sua totalidade, e passou a distribuir ordens de demolição a seus 1550 moradores, a pretexto de construir sem licença, ainda que seus terrenos sejam propriedade privada de palestinos e dotação islâmica.

Depois que o município de ocupação rejeitou os planos de engenharia e desmentiu os acordos, os moradores temem que suas 100 casas sejam demolidas a qualquer momento, e que sejam desalojadas a céu aberto.

Ao longo dos anos, planos estruturais para algumas partes de Silwan foram aprovados, mas eles não previam uma área necessária para a expansão do bairro e não aumentavam os direitos de construção na mesma, e com o aumento da superlotação na cidade, seus moradores começaram construindo sem licença até hoje eles correm o risco de deslocamento e deportação.

Abu Diab acrescentou que as casas do bairro estão em perigo e ameaçadas de demolição a qualquer momento, e há grande temor do deslocamento de milhares de residentes de Jerusalém.

Mulheres e crianças representam 65% do bairro de Al Bustan, e algumas casas foram construídas antes de 1948 e outras antes de 1967.

Abu Diab considerou que esta medida constitui um precedente perigoso na história de Jerusalém, e o início de uma demolição em massa e deportação de bairros inteiros, com o objetivo de esvaziar a cidade de seus residentes originais.

Ele ressaltou que, com esta medida, o município de ocupação está desafiando o direito internacional, a comunidade internacional, o Tribunal Penal Internacional e até a administração estadunidense, e quer manter a primeira linha de defesa longe da Mesquita de Al-Aqsa, alerta no mesmo tempo, dos perigos de realizar o maior deslocamento forçado de Jerusalemitas do bairro de Al-Bustan.

Ele disse: "A cidade de Jerusalém se transformou em uma lata quente como resultado da escalada das violações da ocupação e ataques contra os habitantes de Jerusalém, incluindo demolições e deslocamento forçado de residentes, com o objetivo de estabelecer assentamentos e projetos de judaização."

 

Estágios ascendentes 

Sobre as próximas etapas para impedir a demolição, Abu Diab disse que durante os últimos anos, eles tomaram muitas medidas de protesto, movimentos populares e legais e pressão internacional e conseguiram congelar as ordens de demolição, e hoje trabalharemos para escalá-las nos protestos.

Ele acrescentou: "Vamos fortalecer nossa presença e firmeza na tenda que os residentes montaram para enfrentar o plano de demolição e iremos aos direitos humanos e às instituições internacionais para proteger nossas casas".

E continuou: "Se o bairro for demolido, isso terá grandes repercussões e riscos para os habitantes de Jerusalém, como outros bairros virão, com o objetivo de atacar a mesquita de Al-Aqsa."

Abu Diab apelou à comunidade internacional, instituições de direitos humanos e diplomatas para que se movessem com urgência e pressionar o município de ocupação para impedir a demolição de casas no bairro de Al-Bustan e expulsar os residentes.

 

Fonte: Agência de Notícias Safa

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.