Domingo, 27 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

A ocupação sionista prende a ativista Hanadi Halawani e outro jovem, e convoca outros

Ontem, terça-feira, as forças de ocupação israelenses prenderam Hanadi Halawani e outro jovem, e convocaram outros de Jerusalém ocupada.

E fontes locais relataram que as forças de ocupação invadiram a casa da professora de Jerusalém, Hanadi Halawani, no bairro de Wadi Al-Joz, em Jerusalém ocupada, causando estragos em seu conteúdo, e a encaminharam para investigação no centro de investigação Al-Maskobiyya.

Em um contexto relacionado às forças de ocupação prenderam o jovem jerusalemita Yusef Hamdan de sua casa na cidade de Anata, a nordeste da Jerusalém ocupada.

Em um contexto relacionado às forças de ocupação convocaram os jovens: Rami Fakhoury, Rouhi Kalghasi, Jihad Qus, Muhammad Hazina e Hisham Bashiti da Jerusalém ocupada, para serem investigados no centro "Al-Qishla", a oeste de Jerusalém.

As forças de ocupação intensificaram-se recentemente como alvo das personalidades de Jerusalém por meio de prisão, deportação e intimação, com o objetivo de esvaziar a Cidade Santa em geral e a Mesquita de Al-Aqsa em particular, levando à judaização do salão de orações Bab al-Rahma.

A escalada da ocupação contra os estacionados na Mesquita de Al-Aqsa ocorreu após as contínuas tentativas das autoridades de ocupação para mudar os fatos no terreno dentro de Al-Aqsa e para passar sua divisão no tempo e no espaço.

Al-Murabitun e Al-Murabitat não medem esforços para impedir as conspirações da ocupação, apesar de todas as prisões e perseguições a que estão expostos, deportação da mesquita Al-Aqsa e da cidade de Jerusalém, proibições de viagens e repetidos ataques a suas casas.

E as práticas de ocupação contra Al-Halawani acontecem dois dias antes das grandes incursões que grupos de colonos pretendem realizar contra a mesquita de Al-Aqsa no chamado fim do ano hebraico, que corresponde depois de amanhã, quinta-feira.

A confeiteira ficou famosa por suas gravatas mesmo depois da deportação; Ela não hesitou em rezar nos portões da mesquita de Al-Aqsa e Rabat em frente a ela, em uma mensagem clara à ocupação de que a deportação não afeta a mensagem dos Murabitat e seu apego a Al-Aqsa.

A ocupação chamou as confeiteiras e com ela das mulheres marabuenses de "lista negra", e elas foram submetidas a muitas sanções, medidas e práticas de ocupação, mas com suas posições heroicas e devocionais de Al-Aqsa chegaram às manchetes.

A ocupação tem como alvo os Jerusalemitas e seus estacionados neles, em particular, por meio de prisões, deportações e multas, com o objetivo de removê-los da Mesquita de Al-Aqsa e deixá-la como uma presa fácil diante das ambições de assentamento.

Rabat na mesquita de Al-Aqsa e as atitudes do povo de Jerusalém estão entre as questões mais problemáticas e preocupantes para o governo de ocupação, que tentou impor suas condições e abordar e estender seu controle sobre os portões de Jerusalém e controlá-lo.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.