Quarta Feira, 14 Abril 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

A palavra do neto de Nelson Mandela no Fórum Social Mundial 2021

Sob o título "Israel é o Estado do Apartheid" e com a participação de muitos ativistas de todo o mundo e apoiadores da causa palestina, por iniciativa do Instituto Brasil Palestina IBRASPAL, Conselho de Relações Internacionais da Palestina CIR, e dos Jornalistas Livres.

Zwelivelile Mandela: Membro do parlamento sul-africano, líder tradicional de Mvezo Komkhulu. Neto do presidente Nelson Mandela, no qual abordou as semelhanças entre o racismo em Israel e o racismo na África do Sul.

“Saúdo-vos na saudação universal de paz e na confiança em que todos vós estejais  bem e desfrutando de boa saúde. Transmitimos nossas sinceras saudações à liderança e ao povo da Palestina, e os saudamos por sua bravura e coragem ao longo de sete décadas de ocupação.

 

Permitam-me expressar meu agradecimento e apreço ao Conselho de Relações Internacionais da Palestina e ao Instituto Brasil Palestina pela organização deste simpósio sobre um tema relevante, contemporâneo e de importância crítica nesta fase de luta.

 

Muito tem sido escrito e falado sobre os paralelos entre a África do Sul e Israel, especialmente na caracterização de ambos os estados como Estados do Apartheid e as lutas populares e movimentos de solidariedade global. Eu gostaria apenas de tomar um momento para reconhecer a luta anticolonial profundamente enraizada no Brasil e como gerações de brasileiros também tiveram que lutar e provavelmente ainda têm que lidar com as complexas lutas de raça e classe. Em particular, quero agradecer ao movimento brasileiro de solidariedade à Palestina que obteve grande sucesso na campanha de sanções contra Israel. Se você se lembra, foi nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro de 2016 que, pela primeira vez, ativistas se mobilizaram contra a securitização israelense do esporte. A ação de solidariedade brasileiro-palestino, pedindo que o Rio fosse uma ‘Olimpíada sem Apartheid’, levou o então governo brasileiro a se distanciar de um acordo de US $ 2 bilhões com uma empresa de segurança israelense. Nós os saudamos e esperamos por muitas outras pequenas e grandes vitórias no esforço de mobilizar a solidariedade global com a Palestina.

 

Senhoras e senhores; a estratégia e a tática da luta exigem que sempre embarcamos em um curso de ação que amplie os objetivos gerais da luta em um determinado momento. Tal curso de ação em outro momento pode ser ineficaz, irrelevante e incapaz de nos entregar os resultados desejados.

 

Senhoras e senhores; é da natureza das campanhas de boicote que possam começar com um apoio muito limitado, mas com um planejamento eficaz, organização estruturada, forte networking e lobby podem alcançar resultados extraordinários. Sinto-me encorajado pelo trabalho árduo realizado pelo Dr. Basem Naim e pela Campanha de Boicote à favor da Palestina. Estou registrado como afirmando que o Movimento de Boicote de Desinvestimento e Sanções (BDS) é provavelmente a arma mais poderosa nas mãos do povo palestino e de todos os que apóiam essa nobre causa globalmente.

 

Se alguém já duvidou que Israel é um Estado do Apartheid, a confirmação é evidente em como ele reagiu e continua a reagir ao chamado de boicote, desinvestimento e sanções. Deixe-me colocar de uma forma ligeiramente diferente para vocês; a primeira característica que o Estado do Apartheid na África do Sul exibiu em relação ao apelo por sanções pelo Movimento Anti-Apartheid global e internamente foi a sua brutalidade.

 

Hoje, o Apartheid Israel continua em seus esforços para esmagar brutalmente qualquer pedido de sanções. Fá-lo, em primeiro lugar, visando a liderança do movimento de sanções e liquidando o espaço dentro do qual eles podem operar, restringindo as liberdade, liberdades pessoais e tentando derrotar os objetivos estratégicos.

 

No Apartheid, a liderança da África do Sul e até mesmo operativos e ativistas de luta comuns foram perseguidos, detidos sem julgamento, interrogados e torturados de uma forma que não deixa dúvidas de que eram Apartheids gêmeos que não só foram conjugados pela cintura, mas também desenvolveram estratégias idênticas e cometeram atrocidades semelhantes .

 

Internamente enfrentamos o banimento de todas as formações políticas, o encarceramento da liderança da luta e o exílio forçado de ativistas importantes. Isso levou a protestos em massa e à conscientização de várias gerações de jovens nas décadas de 1970, 1980 e início de 1990. Isso, por sua vez, levou a uma maior consciência global de nossa luta, à medida que o Estado do Apartheid se tornou ainda mais brutal em suas tentativas de esmagar o levante interno.

 

Externamente, o Estado do Apartheid conspirou com as forças do imperialismo global no Ocidente para liquidar e capturar nossa liderança, cooperar com elementos desonestos e estados no rompimento de sanções, engajar-se em campanha de desinformação para contrariar nossos sucessos na campanha de sanções e mobilizar está certo aliados para minar o trabalho da campanha de sanções, inclusive por meio de ações legais.

 

A segunda característica de Israel como um Estado do Apartheid em relação à Campanha de Boicote Palestino é a forma como mobilizou uma extensa rede de grupos de lobby, especialmente na fraternidade jurídica para nos manter envolvidos em ações legais prolongadas que não apenas drenam recursos escassos, mas também buscam para desviar nossas energias dos elementos centrais da luta. Um exemplo clássico disso foi a tentativa de impedir a Global Palestine Expo em Londres há cerca de dois anos.

 

A terceira característica do Estado do Apartheid é seus esforços implacáveis ​​em busca de legitimidade. Ele faz isso principalmente de duas formas. Em primeiro lugar, implantado uma ampla diplomacia de talão de cheques para exercer influência política sobre as nações, por meio da extensão da ajuda ao desenvolvimento. Isso serve para neutralizar a hostilidade ou oposição ao apartheid Israel por um lado e, por outro lado, tenta influenciar os padrões de votação, se não o apoio total à sua posição, ou encorajar a abstenção de votar contra o Apartheid Israel em fóruns internacionais.

 

A quarta característica do Apartheid Israel são seus extensos esforços para quebrar as sanções por meio de conluio com empresas de fachada que escondem a produção do Apartheid Israel por meio de rótulos duvidosos ou reclassificação. Ele também emprega táticas diversionistas, da mesma forma que o Apartheid na África do Sul fez. O exemplo mais clássico são os tanques militares blindados capturados pela Frente Polisário em sua guerra com o Marrocos. Esses tanques manufaturados sul-africanos foram fornecidos via Apartheid Israel.

 

Em 30 de novembro de 1973, a Convenção Internacional das Nações Unidas para a Supressão e Punição do Crime de Apartheid foi o primeiro tratado internacional vinculante que declarou o crime de apartheid e a segregação racial sob o direito internacional. Isso foi tanto uma acusação da natureza do Apartheid da África do Sul como um estado racista quanto uma condenação das atrocidades cometidas contra civis inocentes. A este respeito, sete décadas de pogromas pelo Apartheid Israel resultaram em êxodo em massa e cerca de seis milhões de refugiados palestinos na diáspora, a expansão ilegal de assentamentos israelenses em terras palestinas, a guerra estúpida e o bloqueio em Gaza que matou, feriu e mutilou inocentes, como mulheres, idosos e crianças e destruiu a vida de muitos jovens, a prisão de centenas, senão milhares de ativistas sem julgamento, alguns com apenas 12 anos de idade. Não pode haver dúvida de que Israel é um Estado do Apartheid.

 

Devemos e continuaremos esta nobre luta para derrotar o Apartheid de Israel e garantir que todos os palestinos tenham direitos humanos plenos; o direito de retorno de todos os refugiados; restituição de terras, especialmente os assentamentos ilegais do Apartheid israelense, a libertação de todos os presos políticos, e a acusação de criminosos israelenses por atos cometidos contra a humanidade, de outra forma definidos como Apartheid.

 

Simpósios como este nos dão a oportunidade de medir o barômetro de nossos esforços e medir e avaliar até que ponto alcançamos nossos objetivos estratégicos e o que deve ser feito. Desejo-lhe felicidades no trabalho criticamente importante que realiza e que cresça cada vez mais até que nos encontremos em uma Palestina livre.

 

A luta continua !!!

 

Assista à transmissão ao vivo no YouTube aqui

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.