Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

A Palestina pode desaparecer e depois o mundo árabe-persa?

Por Susana Khalil

O chamado Plano de Anexação do regime colonial de "Israel" e do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não é novidade, pelo contrário, faz parte da essência do projeto sionista. Isto é, acabar com o povo palestino árabe-semita original.

Esta anexação é ilegal? Também é ilegal e ilegítima a Resolução 181 da ONU de 1947, que, para estabelecer um Estado de Religião Judaica, dividido, fragmentou o território da Palestina Histórica, fato que viola a mesma Carta das Nações Unidas, que estabelece que nenhum território nacional pode ser dividido pela instância citada. Além disso, nenhum palestino foi consultado ou votou a favor dessa resolução.

A zombaria legal foi e é de uma injustiça criativa e alucinante, um manto bastante refinado.

Agora virá a grande festa moral dos pronunciamentos dos governos contra a anexação, mas nenhuma ação será tomada, sanções de ferro, especialmente as econômicas, como uma alternativa pacífica, concreta e honesta a esse processo de limpeza étnica contra o povo palestino.

Desde a imposição de 1948 do regime colonial de "Israel" sobre a Palestina Histórica, a imposição europeia e eurocêntrica, a existência e a continuidade do povo palestino foram ameaçadas.

Grande parte do mundo não vê com clareza que esse "Israel" é um colonialismo clássico e que não tem ligação com o antigo Israel, o israelense não é, de fato, um israelita.

Não está claro para o mundo, incluindo o mundo árabe, que o povo palestino pode desaparecer se não derrubar esse jugo e o anacronismo colonial. Hoje, a classe e a multidão árabe neoliberal não a veem ou têm clareza sobre o fato de que, a longo prazo, podem desaparecer como povos árabes. A sociedade persa é um pouco mais madura nesse aspecto.

Estamos no século XXI e pensamos, acreditamos e sentimos que o colonialismo já foi expulso do nosso tempo histórico. Não há clareza no fato de que o Israel que foi imposto em 1948 pela Europa na histórica Palestina é um anacronismo e uma atrofia colonial. E tome cuidado, não é um neocolonialismo, é um colonialismo literal, mas pior e mais cruel que o colonialismo clássico, pois é um colonialismo que não vem de um povo, mas de um movimento europeu que busca se tornar um povo. E é por isso que não só toma a terra natal dos povos nativos, mas também leva sua história, isto é: o retorno à terra de seus ancestrais. Trata-se de uma falsificação bem-sucedida da História, pois mais de 80% da população judaica mundial é de origem ashkenazi, com raízes indo-europeias e não-semitas. No colonialismo clássico, o colonizador toma a terra e destrói a história do povo nativo. O colonialismo eurossionista usurpa a história para esconder seu caráter colonial e se perpetuar ali; nessa ordem, um regime do Apartheid é necessário como um dos muitos métodos para alcançar o fim do povo palestino.

O colonialismo eurossionista não se limita à Palestina histórica, mas também a outros povos árabes, persas e curdos. Trata-se do projeto de o Grande “Israel”, de fato que o regime não possui uma Constituição Nacional precisamente para evitar definir suas fronteiras e continue assim seu expansionismo.

Embora seja verdade que o regime colonial de "Israel" seja uma fraude moral, também é verdade que foi um verdadeiro sucesso.

O mundo árabe-persa pode desaparecer. Essa afirmação pode parecer exagerada, irreal, risível, ilógica e até sem sentido. Em 1917, com a Declaração de Balfour, na qual o Império Britânico concedeu ao movimento sionista, a criação de um "Lar" judaico na Palestina, os árabes e outros já sabiam de seu caráter colonial, mas exatamente como o viam hoje como um absurdo, risível e irreal.

Imagem em destaque: O falafel é um prato típico do mundo árabe de Levante. O colonialismo de Israel usurpa a culinária árabe e, portanto, quer fazer desaparecer os povos e culturas árabes.

 

Fonte: Orinoco Tribune

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.