Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

A posição do movimento “Black Lives Matter” com os palestinos tem uma história

Por Asa Winstanley

É comum pensar no “Black Lives Matter” como um grupo único quando não é; é um movimento. De fato, é um movimento pela libertação dos negros que entrou em ebulição em resposta à brutalidade policial em 2014, após o assassinato de dois afro-americanos: Mike Brown em Ferguson, Missouri, e Eric Garner na cidade de Nova York.

As manifestações que se seguiram a esses dois assassinatos foram baseadas na hashtag #BlackLivesMatter, criada nas redes sociais no ano anterior, com a absolvição de George Zimmerman pelo assassinato do adolescente negro Trayvon Martin, na Flórida.

Em 2014 e 2015, o Black Lives Matter se tornou um fenômeno nacional nos EUA, com manifestações em todo o país. Os protestos de solidariedade começaram então a se espalhar pelo mundo. Essa expansão global assumiu uma nova dimensão com a mais recente onda de protestos após o assassinato de George Floyd pelos policiais de Minneapolis, em maio.

Os negros nos centros das antigas potências coloniais europeias - Londres, Paris e Bruxelas - foram às ruas. Juntamente com seus amigos e apoiadores, protestaram contra a violência policial, o racismo estrutural e o legado do imperialismo.

Embora a Black Lives Matter seja um movimento e não uma única organização, também existem grupos específicos que se autodenominam "Black Lives Matter", ou alguma variação do mesmo. Às vezes, isso pode ser um pouco confuso.

O grupo chamado Black Lives Matter UK foi lançado em 2016 e chamou a atenção nacional em setembro daquele ano com a interrupção do aeroporto da cidade de Londres. Eles twittaram que "a crise climática é uma crise racista". Sete dos dez países mais afetados pelas mudanças climáticas estão na África subsaariana, apontaram os manifestantes.

O movimento sempre teve uma forte dimensão internacionalista. Isso não é uma ruptura com a história, mas está muito na tradição da luta de libertação dos negros, que viu Malcolm X se opor ao sionismo, e os líderes do Partido Pantera Negra expressam sua solidariedade aos combatentes da resistência palestina.

No fim de semana passado, o BLM UK continuou essa tradição publicando uma série de tweets condenando o plano de anexação israelense para a Cisjordânia e exigindo o direito de criticar o sionismo. "A política britânica está amordaçada do direito de criticar o sionismo e as atividades coloniais de colonos de Israel", disse o grupo.

O lobby pró-Israel provou o ponto de vista do BLM UK, tentando amordaçá-los. Eles foram manchados como anti-semitas por dizerem que as críticas ao sionismo fazem com que você seja manchado.

A Junta de Deputados dos judeus britânicos chamou o tweet de "tropo anti-semita" e atacou o BLM UK como "uma organização supostamente anti-racista". Membros da liderança do Movimento Trabalhista Judeu os difundiram como um grupo "falso" que estava envolvido em uma "fantasia prejudicial".

No entanto, em flagrante contraste com o retrocesso covarde dos parlamentares de esquerda do Partido Trabalhista e da mídia, o BLM UK não recuou diante de calúnias tão sujas. Em vez disso, o grupo postou um poderoso tweet que incluía uma citação de Angela Davis.

Em 2016, o Movimento por Vidas Negras nos EUA endossou o BDS, o movimento de boicote, desinvestimento e sanções contra Israel. O grupo foi ainda mais longe, condenando a cumplicidade dos EUA "no genocídio ocorrido contra o povo palestino" e descrevendo Israel como "um estado de apartheid".

Não é de admirar, portanto, que Israel e seu lobby considerem a Matéria de Vidas Negras uma grande "ameaça estratégica" ao regime de apartheid que oprime os palestinos. Ao atacar de maneira tão discreta e censuradora, porém, Israel e o lobby pró-Israel estão apenas criando mais inimigos e criando mais problemas de longo prazo para si mesmos. Eles estão enfiando os dedos no número crescente de buracos na represa. Apesar de toda a ofuscação, no final do dia, estão argumentando contra a igualdade para todas as pessoas na terra Palestina, e ainda assim afirmam que Israel é uma democracia.

Como Ali Abunimah explicou recentemente, “sionismo é a crença de que os palestinos podem e devem ser expulsos de sua terra natal, para que os colonos possam tomar seu lugar. O sionismo é a crença de que os refugiados palestinos não podem retornar à sua terra natal, às cidades e vilas de onde foram expulsos, única e exclusivamente porque não são judeus. ”

É por isso que é tão ultrajante quando grupos de lobby pró-Israel como o Movimento Trabalhista Judaico querem esmagar toda a discordância quando o tópico em discussão é sionismo, e quando indivíduos desprezíveis como John Mann querem que qualquer referência crítica ao sionismo seja "proibida" na vida política britânica. Eles fazem isso porque o sionismo é indefensável em seus próprios termos e não pode resistir ao escrutínio próximo do debate aberto e livre. Seus proponentes estão, assim, voltando cada vez mais para encerrar esse debate. Seus esforços são discretos e claramente antidemocráticos. Muito parecido com o sionismo, de fato.

 

Fonte: Palestine Responds

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.