Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Artista palestino é preso por Israel pelo “crime” de inspirar seu povo

Hoje ele pode estar sentado e apodrecendo em uma cela israelense, mas em 2012 os pôsteres do designer gráfico palestino Hafez Omar estavam incendiando a Internet. No Facebook, em particular, seus avatares marrons simples, icônicos e anônimos em apoio aos prisioneiros palestinos mantidos por Israel se espalharam como fogo. Pessoas de todas as mídias sociais mudaram suas fotos de perfil para uma ou outra das versões, masculina ou feminina.

Em uma entrevista de 2013, Omar explicou que seu trabalho se baseava em uma tradição palestina muito antiga de pôsteres políticos populares. Essa tendência, que remonta a muitas décadas, sempre ajudou a reunir e inspirar o povo a resistir a Israel. É um método comum para a mobilização em massa das pessoas em muitas sociedades ao redor do mundo.

O trabalho de Omar, de várias maneiras, foi uma extensão digital moderna desse trabalho para o mundo on-line. Naquela entrevista, ele observou o quanto considerava encorajador quando o próprio povo palestino adotava e imprimia seus pôsteres. “Entendo que ainda estou com as pessoas quando vejo que elas imprimem e usam as coisas que eu desenhei”.

Hafez Omar não é um criminoso; ele não é um “terrorista” e nem é um “extremista”. Ele nem é um lutador de resistência. O único “crime” que ele cometeu é defender os direitos de seu povo, o povo da Palestina. Por isso, Israel o mantem preso sem julgamento por quase um ano.

Bandidos do exército de Israel sequestraram Omar pela primeira vez em março do ano passado. Durante o processo de interrogatório, os israelenses exigiram saber sobre “suas obras de arte e publicações nas mídias sociais, especialmente aquelas que apóiam os direitos dos prisioneiros palestinos”. Ele não foi acusado de nenhuma irregularidade, exceto o “crime” de inspirar seu povo a resistir à ocupação israelense.

 

Vidas de prisioneiros palestinos nas prisões israelenses – Cartum [Arabi 21]

Segundo a Human Rights Watch, a ficha de acusação inválida dos israelenses consistia “quase inteiramente de atividades pacíficas, como reuniões com outros ativistas e envolvimento em protestos, incluindo vários contra a Autoridade Palestina”. Até as atividades supostamente “não pacíficas” de que ele é acusado são “confrontos” não especificados de quatro anos antes; Alega-se que ele “atirou pedras nas forças de segurança [israelenses]”.

Ainda que Omar realmente tivesse feito isso, teria sido totalmente justificado. Mesmo a resistência armada à ocupação militar ilegal e opressiva é um direito básico consagrado no direito internacional, sem contar algumas pedras. Os soldados israelenses mentem rotineiramente sobre isso e costumam inventar acusações contra manifestantes palestinos.

Tudo isso é incrivelmente bem documentado, e eu mesmo o experimentei em meados dos anos 2000, na área de Jerusalém, quando estava filmando um pacífico protesto palestino contra um posto de controle israelense. Os manifestantes foram atacados repentinamente pelas forças de ocupação israelenses, que começaram a espancá-los e a prender vários, inclçusive a mim como ativista solidário. Fomos todos amontoados em uma van e levados para uma delegacia.

Como ocidental, com privilégios concedidos pelo sistema racista de Israel, fui libertado após algumas horas sem acusação. Antes de sair, fui informado pela polícia israelense de que todos fomos acusados de atirar pedras. Isso era uma mentira descarada, mas era óbvio pela maneira casual como a mentira foi contada que tais invenções eram rotineiras na ditadura militar racista e de apartheid de Israel, imposta aos palestinos na Cisjordânia ocupada.

O que quero dizer é que Hafez Omar não é culpado de nenhum crime. Ele está preso há quase um ano pela ditadura israelense de maneira muito simples, porque o estado de ocupação considera a própria existência do povo originário palestino um crime contra seu projeto racista-colonialista alimentado por essa ideologia perniciosa sionismo.

Nesta semana, quase um ano após sua prisão, o “tribunal” militar de ocupação ilegítima de Israel em Ofer condenou Omar a um ano de prisão. Em outras palavras, eles o prenderam e, em seguida, fizeram as acusações.

O sistema de “tribunais” militares de Israel na Cisjordânia é um sistema racista, usado apenas contra palestinos, e não contra colonos judeus ilegais. O sistema tem uma taxa de condenação de 99,7%, assim como o pior dos tribunais de exceção. E, lembre-se, esses tribunais são operados pelo que é supostamente “a única democracia no Oriente Médio”, um estado que somos convocados a apoiar incondicionalmente sob pena de sermos acusados de anti-semitismo. Isso realmente não tem como dar certo.

Felizmente, Hafez Omar será solto em breve. No entanto, como todos os palestinos seqüestrados pela ditadura militar de Israel, há uma ameaça real de que ele seja preso novamente imediatamente, sob acusações semelhantes. É assim que Israel funciona. A legisladora palestina e a ativista dos direitos da mulher Khalida Jarrar, por exemplo, está dentro e fora da prisão há anos e mais uma vez é mantida sem acusação nem julgamento sob o infame sistema de “detenção administrativa”.

É uma farsa afirmar que Israel é uma democracia, pois suas políticas e práticas provam o contrário. O estado é uma ditadura militar racista que nega aos povos indígenas da Palestina seus direitos humanos mais básicos. Como tal, Hafez Omar – o artista palestino preso por inspirar seu povo – não deve ficar sozinho; todos nós precisamos desafiar e resistir à ocupação brutal de Israel.

Um dos cartazes criados por Hafez Omar defende liberdade para palestinos presos por Israel [Hafez Omar]

 

Fonte: Asa Winstanley, Middle East Monitor

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.