Domingo, 28 Fevereiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

As próximas eleições palestinas acontecerão?

Por Dr. Bassem Naim

Desde o primeiro dia da divisão palestina, após as eleições palestinas de janeiro de 2006, os palestinos tentaram buscar uma saída para o impasse nacional em que foram colocados, após a rejeição dos resultados eleitorais. Todos, local, regional e internacionalmente, testemunharam que o processo eleitoral foi conduzido de forma democrática e com alto grau de liberdade e integridade.

 

Infelizmente, porém, os países que encorajaram as eleições e apoiaram conduzi-las politicamente, logisticamente e empenhados em supervisioná-las, especialmente no Ocidente, não fizeram jus aos resultados, depois que o Hamas conquistou uma grande maioria que lhe permitiu formar o governo e desempenham um grande papel dentro dos territórios palestinos. O Hamas concorreu às eleições com um programa que afirmou o direito do povo palestino de resistir de todas as formas possíveis, o não reconhecimento do estado de ocupação e a necessidade de combater a corrupção galopante nas instituições governamentais.

 

Deve-se observar que o Hamas participou dessas eleições com base na fé na democracia, uma abordagem firme para administrar os assuntos palestinos e a rotação pacífica do poder, e continua a enfatizar isso todas as vezes e, em todos os fóruns, e a praticá-las em cada oportunidade única dentro e fora do movimento.

 

Os Estados Unidos, segundo sua secretária de Estado na época, Condoleezza Rice, ameaçaram o povo palestino antes das eleições e os advertiram contra eleger qualquer organização que glorifique a resistência e não reconheça o direito de "Israel" existir e não aceite acordos anteriores; condições que mais tarde foram chamadas de “condições do Quarteto”.

 

Os estadunidenses conseguiram impor a sua vontade a toda a comunidade internacional, apesar de muitos que rejeitaram as condições injustas ou pelo menos as consideraram um obstáculo a qualquer progresso na resolução do conflito. Infelizmente, a comunidade internacional impôs um bloqueio ao povo palestino, em resposta à pressão dos EUA, causando a crise nacional que vivemos hoje; sua manifestação mais proeminente é a divisão e as tragédias humanas resultantes.

 

Posteriormente, a maioria dos partidos que impuseram o bloqueio ao nosso povo, especialmente os europeus, perceberam que rejeitar os resultados eleitorais era um grave erro político que complicou o cenário. Com efeito, as instituições da ONU consideraram o bloqueio ilegal e desumano e disseram que deve ser levantado imediata e incondicionalmente. Infelizmente, porém, ninguém conseguiu superar a pressão estadunidense e todos foram obrigados a desenvolver mecanismos para institucionalizar o bloqueio e codificá-lo em nível nacional, o que tornou difícil e complicado retroceder nesse erro.

 

Os palestinos se reuniram em muitas capitais da região para um diálogo em busca de uma saída. Eles se encontraram várias vezes no Cairo, Doha, Istambul, Moscou e Beirute, até mesmo em Sanaa e Dakar. Milhares de horas de diálogo bilateral e coletivo, centenas de papéis e documentos redigidos, dezenas de acordos assinados, na esperança de sair do grande impasse em que vivemos e que tem repercussões perigosas em nossa causa nacional.

 

Todos tentaram encontrar maneiras de acabar com a divisão e alcançar a unidade nacional em seu sentido abrangente, mas infelizmente esses esforços falharam, apesar dos preços muito altos que pagamos, e ainda somos, a nível nacional e humanitário.

 

Cada partido pode encontrar uma explicação ou justificativa para esse fracasso, mas certamente o fator externo foi o principal responsável, principalmente a ocupação e os estadunidenses, já que a ocupação foi a maior beneficiária da continuidade da divisão e fragmentação do povo palestino, e, portanto, usaram todas as ferramentas para frustrar os esforços de reconciliação.

 

Quanto aos estadunidenses, no quadro de sua visão que é amplamente idêntica à posição israelense para resolver o conflito, que retira dos palestinos a maioria das cartas de poder e ferramentas para a luta pela liberdade e independência, eles formularam as condições do Quarteto e impostos aos demais para obedecê-los, ou eles se expõem à punição.

 

Alguns informantes me disseram que os diálogos do Cairo, logo após o fim da guerra devastadora na Faixa de Gaza, em março de 2009, na qual todas as facções palestinas participaram, e ao longo de uma semana inteira, chegaram a um documento abrangente e nacionalmente aceitável para acabar com a divisão, alcançar a unidade e reconstruir a OLP para representar todos os palestinos.

 

Mas depois de apresentado ao Sr. Mahmoud Abbas para aprovação, solicitou que os estadunidenses concordassem com seu conteúdo e, como esperado, rejeitaram o documento por completo, depois que foi apresentado a eles, e todos voltaram sem nada, para viver de novo anos de dor e desgosto. As reuniões se repetiram e a peça se repetiu de uma forma ou de outra, e o resultado não foi diferente: grande "não" a qualquer consenso palestino ou unidade baseada nos direitos inerentes de nosso povo palestino, que é principalmente a falta de reconhecimento de a legitimidade da ocupação e nosso direito de resistir a ela por todos os meios disponíveis garantidos pelo direito internacional.

 

Consequentemente, e para responder à nossa pergunta básica: as próximas eleições palestinas acontecerão? Sim, é possível, mas se as seguintes condições forem atendidas:

 

Em primeiro lugar, a liderança oficial palestina deve determinar suas opções e deixar a decisão para o povo palestino e sua vontade, e neutralizar o fator externo, especialmente o israelense e estadunidense, ou pelo menos não torná-lo a base para a construção de suas estratégias nacionais.

 

Em segundo lugar, a comunidade internacional deve decidir apoiar e respeitar todo o processo democrático, medidas e resultados, e expressar isso em uma linguagem clara e específica que não possa ser interpretada. A democracia é indivisível; não se pode aceitar uma democracia adequada para o Ocidente, mesmo que traga racistas como Trump, e outra, uma democracia para outros povos, mesmo que expresse a vontade livre e justa desses povos.

 

Terceiro, os estadunidenses devem perceber que continuar tentando impor liderança ao povo palestino é inaceitável; está fadado ao fracasso se tentarem escolher uma liderança que seja compatível com os critérios do "Acordo de Oslo", o acordo que não conseguiu alcançar qualquer progresso ou estabilidade política, mas sim minou qualquer oportunidade futura de resolver o conflito de forma justa e permanente. O que a Sra. Hillary Clinton mencionou em suas memórias de que eles (os estadunidenses) cometeram um erro ao permitir que as eleições ocorressem na Palestina em 2006, sem garantir seus resultados, reflete o racismo e a arrogância da elite política dominante nos Estados Unidos, que apenas causou mais desastres e tragédias em todo o mundo, e reduziu muito as chances de segurança e estabilidade em nível internacional.

 

Todas as tentativas feitas nos últimos anos, através de cercos e guerras, para falsificar a vontade do povo palestino e remodelar a liderança palestina, com base nas necessidades humanitárias do povo e nas medidas da ocupação israelense, terminaram e falharão.

 

Eles devem estar bem cientes de que quando o povo palestino escolhe sua liderança, é um povo maduro, bem ciente das complexidades das equações regionais e internacionais e sabe muito bem que deseja construir um futuro melhor, cheio de estabilidade e prosperidade.

 

Em quarto lugar, não é adequado referir-se às condições do Quarteto, porque elas esgotaram seus objetivos e não são mais válidas, e foram ineficazes desde sua emissão. É razoável exigir que os palestinos renunciem à "violência" enquanto são as vítimas que se defendem, suas terras e suas santidades, enquanto o agressor não é obrigado a parar e renunciar à violência no momento em que possui todos os tipos de armas, incluindo armas nucleares e práticas de anexação de terras, assassinato, deslocamento, demolição de casas e cerco diariamente sob os auspícios da comunidade internacional?

 

O representante dos EUA nas Nações Unidas na década de 1960 não considerou justificada e legítima a "violência" praticada pelo povo da "Namíbia" contra o estado de apartheid na África do Sul, considerando-a uma reação à violência e racismo praticados pelo apartheid Sul África e uma forma de autodefesa?

 

Então, que acordos anteriores eles estão pedindo aos palestinos que aceitem e respeitem? Todos os governos palestinos, incluindo o governo formado pelo Hamas, lidaram com esses acordos como um fato consumado e administraram assuntos públicos dentro de sua estrutura, e nenhum de nós, como ministros, se recusou a lidar com esses acordos para administrar a vida diária de nosso povo e assumir aproveitamento de qualquer oportunidade de aliviar o sofrimento do nosso povo, mesmo que tenhamos que lidar com a outra parte às vezes.

 

No entanto, esses acordos ainda estão em vigor depois de todas as violações e abusos cometidos pela ocupação, principalmente a reocupação da Cisjordânia na Operação Escudo Defensivo em 2002, a construção do muro do apartheid, a expansão maciça de assentamentos e a apropriação da maior parte dos as terras da Cisjordânia?

 

A ocupação, por exemplo, será obrigada simultaneamente a se retirar aos cargos de setembro de 2000, ou seja, antes do início da segunda intifada?

 

Na reunião dos Secretários Gerais em Ramallah - Beirute em 4 de setembro de 2020, todas as facções nacionais e islâmicas finalmente concordaram com um estado palestino independente e totalmente soberano nas fronteiras de 4 de junho de 1967, com a Jerusalém ocupada como sua capital, e para resolver a questão dos refugiados e seu direito de retornar às suas casas de onde foram deslocados, inclusive com base na Resolução 194.

 

Quinto, Jerusalém é uma linha vermelha, e nenhum cidadão palestino aceitará, assim como um líder de facção, eleições sem Jerusalém, já que Jerusalém é o principal endereço da batalha política atual.

 

Temos uma oportunidade de ouro para todos saírem do impasse atual, para acabar com a divisão e alcançar a unidade palestina, a fim de nos permitir renovar a legitimidade e fortalecer a decisão palestina e reconstruir instituições, incluindo a Organização para a Libertação da Palestina, em bases democráticas. Esta oportunidade não deve ser desperdiçada, pois as repercussões de qualquer novo revés serão perigosas para o povo palestino e sua causa, e, portanto, ações devem ser tomadas para consolidar este processo, processual e legalmente, para garantir eleições livres, justas e transparentes que reflitam a vontade do nosso povo e com portas abertas para um futuro melhor.

 

Fonte: Dr. Bassem Naim, Presidente do Conselho das Relações Internacionais - Palestina

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.