Domingo, 14 Agosto 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Associação Médica de Israel auxilia na tortura a Palestinos, dizem grupos de Direitos Humanos 

Os Médicos pelos Direitos Humanos apresentaram uma queixa oficial à Associação Médica Internacional contra a Associação Médica Israelita, sublinhando que ela está a participar no crime de apartheid, na quarta-feira, 6 de julho.

Os Médicos pelos Direitos Humanos apresentaram uma queixa oficial à Associação Médica Internacional contra a Associação Médica Israelita, sublinhando que ela está a participar no crime de apartheid, na quarta-feira, 6 de julho. A associação, que foi fundada por um psiquiatra israelense em 1988, referiu-se a “dezenas de casos de violação dos direitos de pacientes palestinos” em um comunicado à imprensa.

 

Em um comunicado, a Associação expressou sua decepção com o Sindicato Médico em Israel, dizendo que ele não é apenas inútil, mas sim auxilia organizações que negam aos palestinos o direito à saúde, pois ignora sistematicamente dezenas de casos de violação do direito à saúde, desrespeitando a ética médica, e nisso, participando do crime de apartheid.

 

Os Médicos pelos Direitos Humanos pediram ao Sindicato Médico Internacional para cumprir suas responsabilidades e aplicar medidas práticas para garantir que a Associação Médica de Israel adote os valores e princípios estabelecidos pela comunidade médica internacional.

 

“Assim, por exemplo, em resposta à informação apresentada à Associação Médica de Israel sobre a polícia israelense invadir o Hospital Francês em Jerusalém durante o funeral da correspondente da Al-Jazeera Shireen Abu Akleh, o chefe da Associação Médica Israelense, Professor Zion Hagai, se recusou a denunciar o incidente, apenas porque aconteceu em um hospital palestino”.

 

O comitê destacou que esteve em contato com a Associação Médica Israelense por mais de 30 anos exigindo que ela se posicione e trabalhe para acabar com as práticas desumanas contra os palestinos. A queixa cobriu quatro questões principais em detalhes, incluindo o comprometimento da segurança da equipe médica palestina durante as incursões israelenses, bem como o direito dos pacientes palestinos de receber assistência médica.

 

Em segundo lugar, também listou o papel dos médicos israelenses na assistência à tortura de palestinos nas mãos da Agência de Inteligência Israelense Shin Bet. De acordo com a ONG, a Associação Médica de Israel desconsiderou o testemunho de que crianças de Gaza estavam sendo tratadas fora da Faixa sem seus pais. É importante notar que essas crianças geralmente são casos médicos extremos. Um grande número deles são pacientes com câncer, e ficam apavoradas ao serem tratadas sozinhas sem a presença de uma figura paterna consoladora, às vezes sucumbuindo às suas doenças e morrendo, assustadas e sozinhas

 

A denúncia é composta por evidências confiáveis ​​de órgãos locais e internacionais de que a Associação Médica de Israel falhou repetidamente em seu dever de proteger o direito dos palestinos à saúde devido à agressão militar israelense. A associação confirmou que “a Associação Médica de Israel, na maioria dos casos, não se importava em responder às orientações da associação e, em alguns deles, até justificava as políticas israelenses”. Ele acrescentou, dizendo: "Com base nos dados de campo que coletamos, concluímos que a Associação Médica de Israel é cúmplice dessas falhas éticas e violações grosseiras dos direitos humanos e até, em alguns casos, fornece apoio aberto a isso".

 

Há evidências suficientes de órgãos locais e internacionais de que a Associação Médica de Israel falhou repetidamente em cumprir seu dever de proteger o direito dos palestinos à saúde, de acordo com a associação. A associação exortou “a Associação Médica Internacional, a tomar medidas eficazes para garantir o compromisso da Associação Médica Israelita, que é membro, com os valores e princípios estabelecidos pela comunidade médica internacional”, segundo o comunicado.

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.