Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Autoridade para Assuntos de Prisioneiros Palestinos denuncia que a ocupação tortura brutalmente 3 menores palestinos

A Autoridade para "Assuntos de Prisioneiros e Libertados" revelou que a ocupação "israelense" torturou três menores palestinos e usou métodos "cruéis e hediondos" de abuso com eles.

Hoje, segunda-feira, a comissão publicou novos depoimentos de três meninos que foram torturados durante sua detenção.

 

Citou o prisioneiro Malik Abu Hashrash (16 anos), do campo de refugiados palestinos "Al-Fawwar" em Hebron (sul da Cisjordânia ocupada), que o exército de ocupação atacou ele e dois de seus amigos e os jogou no chão ", e então eles os espancaram de maneira brutal. "

 

E a comissão continuou: "Depois que a ocupação os algemou e vendou, e os transferiu para um acampamento do exército próximo. Não foram poupados de serem espancados e insultados".

 

Ela acrescentou: "Os soldados da ocupação deliberadamente pisaram em suas cabeças e chutaram seus estômagos, e mais tarde os soldados os empurraram para dentro do jipe militar para transferi-los para o Centro de Detenção Megiddo (norte). Os soldados da ocupação não pararam por um momento, esbofeteando-os e batendo neles com as pernas e com as mãos e zombando deles ”.

 

A Comissão também transferiu o depoimento do menor Louay Jabour (16 anos), da cidade de "Salem", distrito de Nablus (norte da Cisjordânia), que relatou ter sido detido dentro da cidade de "Kafr Qasim" (ao norte da Palestina ocupada em 1948) por não possuir autorização de entrada.

 

Ela acrescentou: "Os soldados da ocupação o atacaram e espancaram-no severamente com as mãos, os pés e as coronhas de seus rifles e, pela severidade do espancamento, o menino foi ferido por hematomas na boca e na testa".

 

Ela indicou que o exército de ocupação o levou ao centro de investigação "Petah Tikva" para interrogatório, e permaneceu nas celas por 21 dias, durante os quais foi interrogado diariamente e por muitas horas, após o que foi transferido para os prisioneiros "Cubs" seção em "Megiddo".

 

A Autoridade para Assuntos dos Prisioneiros transferiu um testemunho ao menor, Muhammad al-Qaq (17 anos), da cidade de "Kafil Haris", distrito de Salfit (norte).

 

Ela disse: "As forças de ocupação invadiram seu local de trabalho, dispararam para o ar e ameaçaram os trabalhadores da padaria, e então um dos soldados espancou e esbofeteou-o várias vezes, antes de levá-lo para fora depois de vendê-lo e algemá-lo. Os soldados o colocou no jipe militar e o levou para o assentamento de Yakir, onde foi detido em um campo no assentamento por longas horas. "

 

Ela acrescentou: "No centro de investigação em Al Jalameh (norte), foi submetido a interrogatório várias vezes, e cada vez que o interrogava, era um fantasma (sentado por um longo tempo em uma posição estressante) em uma cadeira amarrada às mãos e pés.

 

Ela acrescentou: "Além disso, foi transferido para os chamados" quartos dos pássaros "(os agentes) no centro de detenção" Megiddo "por três dias, na tentativa de arrancar suas confissões.

 

A comissão afirmou que a ocupação "segue métodos e métodos de abuso cruéis e hediondos contra detidos palestinos, especialmente crianças".

 

Afirmou que a tortura física e psicológica e o abuso de detidos ocorrem durante o processo de detenção e durante o interrogatório, bem como nos porões de interrogatório.

 

As autoridades israelenses prendem atualmente cerca de 4.400 palestinos em suas prisões, incluindo 39 mulheres e cerca de 155 crianças, enquanto o número de presos administrativos é próximo a 350, segundo instituições preocupadas com os assuntos dos prisioneiros.

 

Fonte: The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.