Sábado, 07 Dezembro 2019

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Avaliação estratégica 116

Relações China - Israel e perspectivas

Resumo:

 

As relações sino-israelenses cresceram consideravelmente nos últimos anos, pois Israel buscou se beneficiar da diversificação e expansão de suas relações políticas e econômicas com um país importante e com as economias que mais crescem no mundo; enquanto a China busca se beneficiar da tecnologia israelense. No entanto, o lado israelense não quer que essas relações causem danos ao seu relacionamento estratégico vital com os Estados Unidos, cujas linhas vermelhas emergem como uma determinante chave desse relacionamento. A China quer relações ativas, mas na "sombra", e não reflete negativamente em suas relações árabes e islâmicas, onde o enorme mercado de comércio exterior, e mantém sua posição tradicional de apoio à causa da Palestina.

 

No curto prazo, é provável que as relações econômicas e políticas continuem as mesmas; a médio e longo prazo, o cenário de declínio gradual das relações aumentará como resultado da crescente rivalidade potencial entre a China e os Estados Unidos e, assim, os americanos buscam restringir as relações de Israel com a China. Suas chances aumentarão à medida que as perspectivas de mudança na região árabe aumentarem para ambientes mais favoráveis à causa da Palestina, e a China leve em conta seus interesses maiores na região árabe e muçulmana.

 

Introdução:

 

Em março de 2019, a RAND Corporation, um dos principais “think tanks” dos EUA e do mundo, lançou um estudo detalhado sobre "as relações em evolução entre Israel e China". É um estudo importante que chama a atenção para o crescente relacionamento nesses vários aspectos: o Zaytuna Center fez uma extensa tradução do texto em árabe.

 

Note-se, no entanto, que o que foi escrito até hoje sobre esse relacionamento em árabe é pouco comparado à sua importância, especialmente com o crescente papel da China e seu crescente impacto na região árabe, o que requer a atenção de pesquisadores e estudiosos da região árabe.

 

Ao estudar o relacionamento entre China e Israel não pode ignorar a disparidade no tamanho dos dois lados. A China, localizada no extremo leste da Ásia, com uma população de cerca de 1,4 bilhão, enquanto a população na entidade israelense cerca de 8,4 milhões de pessoas, cerca de 170 vezes menos. Em termos de área, a China é 434 vezes a área controlada por "Israel". No entanto, ambas as partes encontraram uma série de interesses e preocupações comuns que os levaram a estabelecer um relacionamento ativo. Pode-se dizer brevemente que o principal objetivo dessa relação na China, conforme declarado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, "Israel", é a tecnologia, enquanto o objetivo do presidente é diversificar os mercados de exportação de bens e investimentos estrangeiros.

 

Primeiro: História das Relações Israelense-Chinesas

 

A relação entre os dois lados remonta ao início, onde "Israel" foi o primeiro a reconhecer a República Popular da China na região, quando foi anunciada em 1949 e apoiou a política de "uma única China", mas a relação se desgastou durante as décadas de 1950 e 1960 e depois restabeleceu a comunicação entre eles em 1979 Isso foi influenciado por dois fatores principais naquele dia: a ocupação da União Soviética no Afeganistão e o início do processo de paz egípcio-israelense. O relacionamento começou a esquentar gradualmente, com reuniões de diplomatas de ambos os lados nas Nações Unidas, seguidas de uma reunião entre o ministro das Relações Exteriores de Israel Shimon Peres e seu colega Wu Jujian em 1987, e o influxo de delegações de turismo de Israel na China em 1988, no mesmo ano em que a China reconheceu o Estado da Palestina. No entanto, as relações formais entre as partes não foram anunciadas até 1992.

 

Pode-se dizer que a transferência de tecnologia militar de "Israel" para a China foi a base dessas relações de 1979 a 2005, onde houve mais de 60 transações para transferir tecnologia de "Israel" para a China, no valor estimado de dois bilhões de dólares. Mas o relacionamento recebeu dois golpes dolorosos devido à pressão dos EUA sobre Israel, que levou ao seu declínio, onde os estadunidenses falharam em dois acordos entre as duas partes, o acordo com o avançado sistema de radar aéreo conhecido como Falcon em 2000 e o acordo com os drones Harby, que ocorreu em 2005. A pressão para colocar as linhas vermelhas estadunidenses no relacionamento "Israel" com a China produziu um conjunto de controles relacionados ao sistema de controle de exportação de "Israel" para a China.

 

Por outro lado, a cooperação econômica cresceu sem precedentes, especialmente após a visita de Netanyahu à China em 2013, onde emitiu uma ordem do governo para expandir as relações em todos os aspectos não sensíveis. O Ministério da Economia de Israel abriu escritórios na China e fez concessões à China no Banco da China, acusado de Lavagem de dinheiro a favor do Irã, Hezbollah e Hamas, que tornaram a China, segundo a crença estadunidense, capaz de pressionar "Israel", que despertou a ira dos Estados Unidos em relação a esse relacionamento.

 

Segundo: interesses chineses em "Israel":

 

Podemos dizer que a China vê "Israel" como um parceiro importante por quatro razões:

 

  1. A China é uma entidade que ajuda Israel a catalisar inovação doméstica, pesquisa e desenvolvimento e áreas de cooperação nesse contexto, incluindo tecnologia, energia, meio ambiente, tecnologia agrícola, finanças, especialmente start-ups.

 

  1. A China vê "Israel" como uma fonte para atender às suas necessidades militares e de segurança.

 

  1. A China vê Israel como um importante ator político no Oriente Médio.

 

  1. A China vê "Israel" como um componente importante da Iniciativa do Cinturão e Rota, um ambicioso plano econômico global chinês, e deseja que Israel seja o elo entre o Golfo de Aqaba e o Canal de Suez. Vale ressaltar que a China apresenta a "Iniciativa do Cinturão e Rota", um meio de promover a aproximação entre os países da região e seus componentes, e uma ferramenta para trazer "estabilidade e prosperidade a todos". Em liberdade e independência.

 

No entanto, a China, ciente das sensibilidades da região à entidade israelense e das "complexidades" da causa palestina, gostaria de permanecer um parceiro "silencioso" com Israel. Não deseja provocar suas relações com o estado de ira "israelense" árabe e islâmico em relação a ela, afetar formal ou popularmente suas relações políticas e interesses econômicos na região. Portanto, a China manteve as linhas de política ao reconhecer o direito dos palestinos a um estado ao longo das fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital. Goza de relações privilegiadas com o Irã e não considera o Hamas e o Hezbollah uma organização terrorista. O relacionamento da China com o Irã teve um impacto negativo em seu relacionamento com Israel, devido a seus acordos de armas com o Irã, que incluíram a cooperação com Teerã em seus programas de mísseis e nucleares, além de fornecer a ele centenas de mísseis de cruzeiro antiaéreo e antiaéreo. Irã.

 

Terceiro: Medindo as Relações Israelense-Chinês

 

Pode-se dizer que, apesar do aumento no nível de visão positiva de "Israel" entre a elite chinesa, as pesquisas de opinião mostram que os chineses em geral, não compartilham essa visão, pois a visão negativa atingiu 57% em 2017. Para medir o nível de profundidade do relacionamento entre as partes, é possível examinar vários indicadores, os mais importantes - O desenvolvimento de relações diplomáticas entre as duas partes, a força do relacionamento militar, relações econômicas, turismo e influência cultural.

 

No nível das relações diplomáticas, o nível de visitas recíprocas permaneceu constante em 1992-1998, mas, por outro lado, se fortaleceu tanto na Arábia Saudita quanto no Irã. Quanto ao Conselho de Segurança, o voto da China registrou a continuação de seu comportamento político habitual, já que a China nas nove resoluções sobre a questão da Palestina, apresentadas anualmente ao Conselho, votou no período de 1992 a 2016, constantemente com as formulações usuais em apoio à Palestina, que condena "Israel".

 

Quanto às relações militares, diferentemente das relações da China com o Irã e a Arábia Saudita, ela não possui fortes relações militares com "Israel" e pode ser medida das seguintes maneiras:

 

Visitas militares de alto nível; observamos que o número de visitas privadas de natureza militar de alto nível entre as duas partes é menor que as visitas civis de alto nível, 4 de 13 visitas; em contraste, houve 3 visitas a líderes seniores israelenses em 19, e a mesma situação se aplica a Arábia Saudita e Irã.

 

  • Negociações de armas: nesta área é improvável que "Israel" importe qualquer uma das armas chinesas, ela obtém tudo o que deseja dos Estados Unidos da América, pois para a China obter armas israelenses, não há informações sobre qualquer transação de armas após 2001. Embora as informações disponíveis indiquem que nenhum dos países está vinculado à não venda de armas a uma contraparte, como a venda de armas da China ao Irã ou a venda de armas de "Israel" à Índia.

 

  • Exercícios conjuntos e transferência de tecnologia; Vale ressaltar que há uma crescente presença militar da China no Oriente Médio. A China realizou exercícios militares conjuntos com o Irã e a Arábia Saudita, enquanto "Israel" não parece que a China tenha manobras. A diferença mais significativa ocorreu na área de transferência de tecnologia: a Israel Aerospace Industries Company (IAI) estabeleceu uma joint venture com o Lingyun Group para estabelecer a primeira instituição chinesa de manutenção, reparo e restauração civil na província de Hubei.

 

Relações Econômicas:

 

As relações econômicas entre os dois lados estão florescendo, diferentemente das relações políticas e militares, especialmente propriedade intelectual e produtos de inovação.

 

Vale ressaltar que a atividade no campo de troca comercial entre as duas partes cresceu significativamente, com as exportações chinesas em 2017 totalizando cerca de U$9 bilhões e as exportações israelenses em U$3,3, e a China se tornou o terceiro maior parceiro comercial de "Israel", depois dos Estados Unidos e da União Europeia. Israel se tornou membro do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), um dos principais pilares da Iniciativa China Belt and Road em 2013, apesar da insatisfação dos EUA. Os investimentos chineses em empresas de tecnologia israelenses representaram 40% do volume total de capital de investimento estrangeiro. Um dos destaques desse relacionamento é a visita de Netanyahu à China em março de 2017, durante a qual ele assinou acordos no valor de US $ 25 bilhões.

 

O conteúdo da propriedade intelectual de patentes em produtos israelenses, a maior parte do comércio entre as partes, e fortemente inclinado a "Israel", atingiu "patentes" na China nas patentes no período 1994-1994, um total de 283 patentes; O que a China registrou em "Israel" apenas 21 patentes, o que indica que a China "Israel" é um mercado importante para a venda de produtos e serviços relacionados à propriedade intelectual.

 

Em termos de relações educacionais e culturais, é provável que esse tipo de relação tenha efeitos profundos e de longo alcance, sendo importante a origem da inovação em universidades e instituições científicas. O intercâmbio científico e cultural oferece amplo espaço para um conhecimento mais próximo do país. Instituições científicas e culturais do país anfitrião para disseminar os valores do país exportador.

 

Esse tipo de relacionamento pode ser medido pelo número do Institutos Confúcio em Israel, onde existem dois na Universidade de Tel Aviv e na Universidade Hebraica em Jerusalém, que é o mesmo número no Irã. Pelo número de estudantes de intercâmbio científico nos dois países, os números divulgados pelas partes refletem que o número de estudantes chineses estudando em "Israel" é o dobro do número de israelenses que estudam na China, que é perto de mil estudantes, enquanto o número de israelenses é de cerca de cem estudantes. Assim como o número de programas acadêmicos e universidades trocados, e pode-se ver que o número de universidades israelenses na China é maior que as da China, "Israel", enquanto há quatro universidades israelenses trabalhando na China. Há apenas uma universidade chinesa em Israel, enquanto o número de trocas e visitas acadêmicas mais altas entre as duas partes é um indicador importante nessa área. Uma visita do Ministro da Educação da China em 2000 e uma visita do Ministro da Educação de Israel à China em 2015 resultaram em vários acordos entre as duas partes.

 

O turismo é uma porta importante para o intercâmbio cultural entre os povos, e os números mostram que o número de turistas chineses para "Israel" quadruplicou no período 2017-2014, passando de 32.400 para 123.900 turistas anualmente, o que é um crescimento significativo.

 

Por fim, existem outros tipos de relações culturais que podem ajudar a avaliar nessa área, como:

 

Convergência da mídia: o Times de Israel publicou versões em chinês e, em troca, o China Plus, lançou um canal em hebraico. Eventos culturais como festivais foram realizados, com a Semana Cultural do Festival de Israel de Xangai realizada em 2017 para comemorar o 25º aniversário do relacionamento.

 

Quarto: implicações das crescentes relações israelense-chinesas

 

Embora as crescentes relações de Israel com a China ofereçam benefícios econômicos, políticos e de segurança para ambos os lados, vários desafios podem surgir, principalmente:

  1. Essa cooperação constitui uma área na qual os interesses israelenses podem diferir dos interesses dos Estados Unidos, especialmente a preocupação da China com o setor de tecnologia israelense e a construção e operação de importantes projetos de infraestrutura.

 

  1. Além da questão palestina, como a China depende da energia dos adversários de Israel, como o Irã, as posições e metas políticas da China podem ser contrárias aos interesses israelenses, e os dois lados podem se encontrar em desacordo em fóruns internacionais como as Nações Unidas.

 

  1. Existe uma ameaça real à segurança tecnológica de Israel e às perspectivas futuras de sua economia, como o manejo dos direitos intelectuais pela China, a aquisição de grandes empresas israelenses e a capacidade da China de penetrar no mercado israelense.

 

  1. A construção e operação da China de instalações israelenses poderiam permitir que a China espiasse no chão e no mundo digital.

 

A participação da China em grandes projetos levanta questões sobre a capacidade do mercado israelense de competir com empresas chinesas apoiadas pelo estado. Embora o objetivo seja melhorar a concorrência, o risco de aquisição chinesa permanece.

 

Por outro lado, "Israel" está ciente da sensibilidade da posição estadunidense em relação às crescentes relações com a China;

 

Os Estados Unidos são a primeira fonte de apoio militar e há uma enorme assistência econômica recebida por "Israel" a cada ano, no valor de U$3,8 bilhões por ano. O apoio político americano de "Israel" não é menos importante do que as duas razões anteriores.

 

Cenários Possíveis

 

Cenário I: As crescentes relações econômicas e políticas como resultado da contínua ascensão do mundo econômico chinês, e do declínio do papel dos EUA na região, e o contínuo estado de fraqueza e crise nos regimes árabes que procuram resolver seus problemas através da normalização das relações com "Israel".

 

Cenário II: Estabilidade das relações no nível atual, por causa dos estadunidenses colocarem mais controles e linhas vermelhas que impedem o crescimento das relações, com os crescentes desejos internos dos setores israelenses ativos de ajustar o nível das relações para impedir a "incursão" chinesa e não ofender o lado estadunidense. Ao mesmo tempo, o ambiente árabe continua sendo um fator ineficaz para influenciar essas relações.

 

Cenário III: O declínio gradual e a frieza dessas relações, como resultado da escalada da concorrência e da rivalidade entre os EUA e a China, e da crescente pressão estadunidense sobre "Israel" para reduzir o nível das relações e encontrar outras alternativas. Também pode estar nessa direção mudar na região árabe e islâmica hostil à entidade israelense, de modo que a China está pressionando para recalcular suas contas e organizar seus interesses para não sofrer muito mais perdas do que ganha com suas relações com "Israel".

 

No curto prazo, o segundo cenário de estabilização das relações parece provável, e o terceiro cenário pode aumentar a médio e longo prazo, com o declínio gradual e o esfriamento dessas relações.

 

Sexto: Recomendações:

 

  1. Incentivar estudos e disciplinas sobre a China, como uma potência global crescente, a entender melhor como lidar com eles.

 

  1. Melhorar a comunicação com a China política, cultural e informalmente, o que afeta positivamente sua posição na questão da Palestina e endurece sua posição em relação a Israel.

 

  1. Exigir que os países árabes e islâmicos (especialmente Turquia, Irã, Paquistão e Indonésia) exerçam todas as formas de comunicação e pressão com a China para perceber que seus interesses estão mais conectados à nação árabe e islâmica do que a Israel.



O Al-Zaytoonah Center agradece ao Dr. Mohammed Makram Balawi por seus sinceros agradecimentos por preparar este esboço de estimativa.

 

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2019 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.