Domingo, 27 Novembro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

A visita de Biden confirma a marginalização dos direitos palestinos

Um artigo de opinião de Ahmed Abu Artema

O presidente dos EUA, Joe Biden, chegou à Palestina ocupada em sua primeira visita desde sua posse. Durante esta visita, ele assinou com o primeiro-ministro israelense Yair Lapid uma declaração conjunta chamada “Declaração de Jerusalém”, confirmando o compromisso de Washington de apoiar a segurança do país ocupante e não permitir que o Irã adquira uma arma nuclear.

 

O objetivo mais importante da visita de Biden foi expresso em sua chegada ao Aeroporto Ben Gurion, onde declarou o compromisso dos Estados Unidos de fortalecer a segurança de Israel e disse que trabalharia para fortalecer o sistema Iron Dome, bem como avançar para alcançar a integração de Israel na região.

 

O objetivo da visita de Biden também fica claro no artigo que ele publicou no Washington Post alguns dias antes de sua visita, intitulado “O motivo da minha visita à Arábia Saudita”.

 

Ele descreveu a Arábia Saudita como um parceiro estratégico para seu país por 80 anos e enfatizou que seu objetivo desde o início era melhorar as relações com ela, não cortá-las, observando que ele seria o primeiro presidente dos EUA a viajar de Israel a Jeddah.

 

É notável que o Washington Post tenha sido escolhido para o editorial a ser publicado, notadamente o jornal em que o falecido ativista saudita Jamal Khashoggi estava escrevendo, e o jornal que adotou fortemente o caso Khashoggi.

 

Biden queria antecipar as críticas que poderiam ser dirigidas contra ele por visitar o país cujo príncipe herdeiro estava implicado no assassinato de Khashoggi publicando da mesma plataforma e enfatizando que está redirecionando as relações com o país, não as cortando.

 

Um movimento estratégico da parte de Biden para evitar quaisquer críticas postando na mesma plataforma que atestou uma cruzada contra o governo Sudi por matar o ativista Sudi-Americano em plena luz do dia.

 

Fica claro pelas declarações de Biden e pela agenda da visita, juntamente com o título de seu artigo no Washington Post, que sua visita está longe de priorizar a causa palestina.

 

A inclusão da causa palestina na agenda de Biden não passou de uma mera reflexão tardia. Isso é confirmado pela escolha do presidente de Belém, e não de Ramallah, para um breve encontro com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, a fim de distanciar qualquer interpretação política desse encontro, já que Belém é amplamente conhecida por ser uma cidade sagrada para os cristãos e um destino turístico, o que enfraquece a interpretação política de seu encontro com Abbas.

 

A marginalização política dos direitos dos palestinos é confirmada pelas recentes ações de injustiça que Israel praticou e declarou antes e durante a visita de Biden apenas para oferecer algumas melhorias triviais nas condições de vida dos palestinos, e o anúncio condicional flexível de Israel de que poderia abrir o Aeroporto Ramon para voos para Residentes palestinos em troca de 'calma política'.

 

A visita de Biden visa enfatizar a cooperação militar e de segurança com Israel, promover a normalização das relações com os países árabes, especialmente a Arábia Saudita, e coordenar as sanções contra o Irã. Ao mesmo tempo, esta visita reforça a marginalização dos direitos palestinos por suas posturas e promessas frívolas em relação à causa palestina.

 

A declaração de Biden reafirma que o compromisso de seu país com a solução de dois Estados não tem valor concreto. É uma declaração vazia que não pretende fazer nada além de mascarar o vazio da falta de interesse profundamente enraizada na causa palestina. Isso não é uma surpresa para o atual curso das políticas dos EUA em geral e esta visita, em particular, confirma o fato previamente estabelecido de que o governo dos EUA não está interessado em colocar nenhum esforço político na causa palestina.

 

Essa é a posição consistente para israelenses há mais de vinte anos, que consiste em parar o processo político com os palestinos e tomar medidas unilaterais como anexar a Cisjordânia e judaizar Jerusalém, e se contentou em oferecer apenas algumas moradias para os palestinos.

 

O que a visita de Biden confirma é a vitória da posição de ocupação israelense e que o governo dos EUA adotou a mesma posição e não considera a questão palestina uma prioridade em suas relações com a região do Oriente Médio.

 

Os palestinos estão enfrentando desafios difíceis devido à aliança entre os regimes árabes e a potência de ocupação israelense, e por causa da fraqueza da Autoridade Palestina e sua incapacidade de levantar sua voz e engajar-se em qualquer processo de confronto real, mesmo no âmbito jurídico e diplomático, contra Israel.

O que pode restaurar o interesse pela questão palestina cultivando um novo espírito no povo palestino para que eles possam pressionar a ocupação israelense e lembrá-los de que os palestinos existem e estão profundamente enraizados em sua terra, que estão dispostos a lutar para para obter seus direitos nacionais, e que continuar a ignorar essas pessoas não anulará sua existência ou sua insistência em usurpar sua liberdade e soberania.

 

Ahmed Abu Artema é um jornalista palestino, escritor e atua na associação Act for Palestine

 

Fonte: https://daysofpalestine.ps/opinion-bidens-visit-confirms-the-marginalization-of-palestinian-rights/ 

 

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.