Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Bachelet: Ataques de Israel em Gaza 'podem ser crimes de guerra'

Os ataques com mísseis israelenses na Faixa de Gaza "podem constituir crimes de guerra", declarou a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, durante uma sessão para discutir a escalada.

Em sessão especial do Conselho de Direitos Humanos realizada na quinta-feira (27/05/2021) para discutir a recente escalada do conflito israelense-palestino, Bachelet disse que os ataques a Gaza "lançam dúvidas sobre o cumprimento de Israel aos princípios de distinção e proporcionalidade em lei humanitária internacional ". Se for demonstrado que esses ataques foram indiscriminados e desproporcionais, “tais ataques podem constituir crimes de guerra”, concluiu o ex-presidente chileno.

Os ataques israelenses aos quais Bachelet aludiu foram em resposta aos primeiros lançados pelo Hamas e outros grupos armados palestinos contra Israel (que causaram pelo menos 10 mortes). Instalações civis, incluindo residências, escritórios de organizações humanitárias, centros médicos e a mídia foram destruídas pelos ataques israelenses. "Embora Israel defenda que muitos desses prédios abrigavam grupos armados ou eram usados para fins militares, não vimos evidências a esse respeito", disse Bachelet.

 

Cessar-fogo revela devastação em Gaza

A alta comissária esclareceu, referindo-se ao Hamas, que “também é uma violação do direito internacional localizar recursos militares em áreas densamente povoadas de civis, ou atacar a partir deles", embora indique que “as ações de uma das partes o fazem não isenta o outro de suas obrigações''.

 

Sem proteção

Bachelet também comparou a situação dos civis em Israel e na Palestina, observando que, enquanto os primeiros "têm a Cúpula de Ferro e forças militares profissionais para defendê-los, os palestinos não têm proteção alguma contra ataques aéreos contra uma das áreas mais densamente povoadas do mundo". Não têm para onde fugir, devido ao bloqueio por terra, mar e ar implementado nos últimos 14 anos ”, acrescentou o responsável pelos direitos humanos das Nações Unidas.

Por sua vez, o relator da ONU para os direitos humanos no território palestino, Michael Lynk, acrescentou a esse respeito na mesma sessão do conselho que os palestinos de Gaza "vivem em uma situação desesperadora que as Nações Unidas qualificaram como insustentável e impossível de viver, uma forma de punição coletiva ".

 

Diante do Tribunal Penal Internacional

Ele também denunciou que os despejos de palestinos em Jerusalém Oriental, um dos gatilhos do conflito recente, faz parte do plano israelense de aumentar os assentamentos ilegais a fim de estabelecer uma reivindicação ilegal de soberania, apesar dos repetidos pedidos das Nações Unidas para impedir essa prática.

Lynk reiterou seu pedido, feito recentemente com outras autoridades de direitos humanos das Nações Unidas, para que os recentes incidentes em Gaza e na Cisjordânia sejam investigados pelo Tribunal Penal Internacional.

 

Israel pede condenação do terrorismo do Hamas

Por sua vez, Israel pediu ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que condenasse as ações do Hamas, já que "não fazer isso dará a esse e a outros grupos terroristas uma desculpa para continuar usando inocentes como escudos humanos".

O Conselho "deve escolher entre uma organização terrorista que glorifica a morte, ou entre uma democracia que valoriza a vida", disse o embaixador de Israel nas Nações Unidas em Genebra, Meirav Eilon Shahar, por videoconferência. O diplomata defendeu que os ataques com mísseis contra Gaza pelas Forças Armadas israelenses, nos quais, segundo a ONU, pelo menos 242 pessoas (incluindo 63 crianças) morreram, foram um ato de defesa contra os ataques do Hamas.

 

Fonte: DW

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.