Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Bassam al-Sayeh, Faris Baroud e o lento assassinato de prisioneiros palestinos

Bassam al-Sayeh foi a mais recente vítima de negligência médica nas prisões israelenses. O palestino de 47 anos de Nablus morreu em 8 de setembro.

O último desses casos trágicos é o de Faris Baroud, que faleceu na prisão de Nafha em 6 de fevereiro.

Em 2011, al-Sayeh foi diagnosticado com câncer de osso e sangue, segundo a Rede de Solidariedade de Prisioneiros Palestinos “Samidoun”. Alguns anos depois, ele foi preso por soldados israelenses da ocupação. Em 2015 um tribunal militar israelense o condenou à prisão perpétua por seu suposto papel no assassinato de um oficial israelense na Cisjordânia.

Organizações e ativistas de direitos humanos que vêm acompanhando o caso alertaram repetidamente que a vida de al-Sayeh estava em perigo, pois o paciente com câncer foi mantido em condições extremamente severas na prisão de Ramleh com pouca atenção médica, antes de ser transferido para o hospital de Afuleh. Naquela época, a condição de al-Sayeh havia se deteriorado irreparavelmente. Pouco poderia ter sido feito para salvar sua vida.

Em comunicado divulgado em 9 de setembro, a Organização de Libertação da Palestina (OLP) responsabilizou Israel pela morte de al-Sayeh. Outros grupos destacaram o fato de que a negligência médica é uma ferramenta usada pelas autoridades penitenciárias de Israel para punir ainda mais os palestinos que resistem à ocupação israelense mesmo após sua prisão e sentença.

De acordo com o grupo de direitos dos prisioneiros Samidoun, “Al-Sayeh é o 221º prisioneiro palestino a perder a vida nas prisões israelenses, e a negligência e abuso médicos têm sido um fator consistente na doença e na morte dos prisioneiros palestinos, juntamente com a tortura e maus tratos sob ocupação. ”

O grupo de apoio aos prisioneiros de Ramallah, Addameer, concorda. O Serviço Prisional de Israel (IPS) "adotou uma política de negligência médica deliberada contra prisioneiros e detidos". Entre o início da Segunda Intifada Palestina (revolta) em 2000 e 2008, 18 prisioneiros morreram ao receberem atenção médica séria.

Aqueles que não morrem enfrentam doenças prolongadas que frequentemente os acompanham pelo resto de suas vidas. Segundo Addameer, “o número de doentes entre prisioneiros e detidos aumentou para mais de 1000, um aumento em comparação com 800 casos de doentes em 2013”. 200 desses presos doentes estão enfrentando doenças crônicas, incluindo câncer, e 85 estão permanentemente incapacitados.

Faris Baroud já esteve entre os palestinos com doenças crônicas e, como Bassam al-Sayeh, morreu na prisão por negligência médica.

Baroud foi preso em 23 de março de 1991. Um tribunal militar israelense o condenou a 134 anos de prisão, acusando-o de matar um colono judeu israelense armado que participava da ocupação militar de Gaza.

Ria, mãe de Faris, foi proibida de visitar seu filho na prisão de Nafha nos últimos 15 anos. A mãe de 70 anos foi informada de que a decisão foi motivada por "preocupações de segurança".

Faris era o único filho de Ria. Ele nasceu em 1968, dois anos após o início da ocupação militar israelense de Gaza. Seu pai, Ahmad Mohammad Baroud morreu quando Faris ainda era criança. Ria que permaneceu solteira após a morte de seu marido, dedicou sua vida a criar Faris. Eles moravam juntos em uma pequena casa no campo de refugiados de Shati em Gaza.

Faris teria sido torturado e mantido por quase 10 anos em confinamento solitário. Ele também foi impedido de visitar a família por mais da metade de seu tempo na prisão. Antes de ser preso, ele sofria de asma, uma condição que piorava com o tempo.

Anos depois de sua prisão, Faris desenvolveu uma doença renal, que se agravou por negligência médica, agravada ainda mais por sua participação em várias greves de fome em solidariedade com outros prisioneiros.

Várias vezes Faris foi negada a libertação antecipada, começando imediatamente após a assinatura dos Acordos de Oslo em 1993 e após uma troca de prisioneiros em 2011. Juntamente com outros 29 prisioneiros, ele deveria ser libertado em 2013 ou 2014, em especial, arranjo que também foi frustrado pelo governo israelense.

A partir de 2002, Ria recebeu visitas negadas ao filho. Apesar de sua saúde deteriorada e da perda gradual de visão devido ao glaucoma, ela era conhecida por nunca perder uma única vigília realizada por famílias de prisioneiros palestinos em frente ao escritório da Cruz Vermelha, toda segunda-feira na famosa Rua Jala da cidade de Gaza.

Às vezes, ela era a única ali, sempre segurando a mesma foto emoldurada de seu filho, Faris, perto de seu coração. Ria Baroud morreu em 18 de maio de 2017, aos 85 anos. Passou quase um terço da vida esperando para ver seu filho Faris, livre mais uma vez.

Logo após a morte de sua mãe, a saúde de Faris piorou, ele também desenvolveu uma forma agressiva de glaucoma e teria perdido 80% de sua visão. Faris morreu em 6 de fevereiro de 2019, na prisão de Nafha, no deserto de Naqab, ele tinha 51 anos.

São apenas vislumbres de apenas duas histórias, em episódios aparentemente intermináveis de sofrimento infligidos a milhares de palestinos e suas famílias.

Os direitos dos presos estão consagrados no direito internacional, especialmente nos artigos 76 e 85 da Quarta Convenção de Genebra. Israel não deveria ter permissão para continuar sem essa contestação moral e fazendo o que quer. Grupos e organizações internacionais que pretendem defender os direitos humanos devem falar em nome de Bassam, Faris e milhares de prisioneiros palestinos, que sofrem e frequentemente morrem sozinhos nas prisões israelenses.

 

Fonte: Ramzy Baroud, Middle East Monitor

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.