Sexta Feira, 19 Abril 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Buscas sob os escombros de Rafah

Por: Ola Mousa

A noite de 6 de agosto foi tranquila em al-Shaout, um bairro da cidade sulista de Rafah, na Faixa de Gaza.

 

Alaa al-Tahrawi, 30 anos, estava brincando com seu filho Ahmad, de 3 anos. Ela perguntou a seu marido, Ismail al-Malahi, 36 anos, se ele não se importaria de fazer um recado e levar Ahmad junto com ele.

 

Ismail só tinha saído de casa por alguns minutos quando ouviu os bombardeios pouco depois das 21h. Em pânico, ele começou a correr para casa, perguntando às pessoas pelo caminho se sabiam onde o bombardeio tinha ocorrido. Ele soube então que era al-Shaout.

 

Ele pegou Ahmad e correu. Uma vez lá, ele viu edifícios desmoronados, uma cena de destruição.

 

Levou duas horas para que os trabalhadores de resgate o informassem de que sua esposa havia sido morta.

 

"Alaa tinha me pedido para comprar algumas coisas na mercearia perto da casa", disse ele. "Levei meu filho para fora apenas para que ele voltasse para casa como órfão. Israel matou inocentes sem aviso prévio".

 

Ostensivelmente, o alvo israelense em al-Shaout era o líder da Jihad Islâmica Khalid Mansour. Contudo, naquela noite, ataques aéreos israelenses em Rafah mataram mais seis pessoas, incluindo pelo menos uma criança, e feriram 35, incluindo 18 crianças, de acordo com Al Mezan, um grupo de direitos humanos em Gaza.

 

Eles estavam entre as 17 crianças mortas durante o ataque israelense de três dias a Gaza que deixou quase 50 pessoas mortas e mais de 360 feridas.

 

O aniversário de Ahmad foi no dia 9 de agosto. Sua mãe tinha presentes escondidos para ele na casa de seu pai, preparando-se para surpreendê-lo em seu aniversário. Em vez disso, o tio de Ahmad entregou os presentes, e Ahmad fez 4 anos sem sua mãe.

 

Foi um massacre.

Apenas alguns dias antes de Israel atacar Gaza, Abeer Omar Harb, 24 anos, e Ismail Dweik, 30, estavam ocupados preparando seu próximo casamento.

 

Abeer estava alegre enquanto cuidava dos detalhes da festa de casamento deles e dava os últimos retoques na casa onde viveriam.

 

Quando Israel começou a bombardear a Faixa de Gaza em 5 de agosto, Abeer havia conversado ao telefone com Ismail sobre os bombardeios, como eles haviam se acostumado a eles e como eles passariam, como nas outras vezes em que Israel tinha como alvo Rafah.

 

Ismail jantou com sua mãe, Hana al-Khalidi, em sua casa em al-Shaout, depois de conversar com Abeer. Pouco depois de desligar o telefone, Israel bombardeou a área, e a casa da família de Abeer, que estava a centenas de metros de distância da dele, foi abalada.

 

O pai de Abeer lhe disse que uma casa perto da casa de seu noivo havia sido atingida. Ela pegou seu telefone para ligar para ele, mas ele não atendeu.

 

Seu pai, Omar Harb, 66 anos, partiu em direção à casa de Ismail e, em poucas horas, ele voltou com a notícia de que os atentados israelenses haviam matado Ismail e sua mãe.

 

Omar, que havia chegado do Egito três dias antes dos ataques israelenses, disse que foram necessárias mais de cinco horas para recuperar todos os corpos debaixo dos escombros de al-Shaout, devido ao equipamento limitado e às equipes de resgate.

 

Foi um massacre horrível.

 

"Seu noivo nos convidou para jantar na casa de sua família na noite do atentado, mas eu recusei porque estava exausto da viagem de volta do Egito", disse Omar.

 

No dia seguinte, Abeer ficou com seu pai perto dos escombros da casa da família de Ismail. Um dos vizinhos lhe pediu para entrar no que restava da casa para ver se ela conseguia encontrar algo de Ismail para guardar.

 

Entre os itens que ela encontrou estava um ursinho de pelúcia que ela lhe havia dado, juntamente com alguns de seus pertences pessoais e fotos.

 

Ismail era fisiculturista do Clube Khadamat de Rafah. Eles estavam noivos há dois meses, um período que Abeer descreveu como "os melhores dias da minha vida".

 

"Demolir a casa".

Ashraf al-Qaisi soube do massacre em al-Shaout por telefone. Ele estava na mercearia quando seu vizinho ligou para lhe dizer que sua casa havia sido bombardeada.

 

Ele correu para casa, com as mãos trêmulas, mas quando chegou, sua família não estava em nenhum lugar à vista. Ele logo descobriu que eles estavam a salvo, na casa de um vizinho. Sua esposa e um de seus filhos haviam sido feridos, mas todos os outros não haviam sido feridos fisicamente.

 

Junto com seus vizinhos, al-Qaisi escavou através dos escombros para tentar encontrar pessoas. Quando as equipes de resgate chegaram, chegaram à conclusão de que poderiam ter melhor acesso a possíveis sobreviventes nos escombros se eles demolissem completamente a casa de al-Qaisi.

 

Al-Qaisi não hesitou em sua decisão.

 

"Demolir a casa e resgatar rapidamente os feridos de debaixo dos escombros", lembrou al-Qaisi dizendo.

 

Al-Qaisi descreveu sua casa como inadequada para a vida humana, com oito pessoas vivendo em dois cômodos. Ele disse que a casa era muito fria no inverno e muitas vezes tinha água da chuva da viela fluindo para dentro, enquanto no verão a casa era muito quente devido à falta de fluxo de ar.

 

Embora al-Qaisi tenha lutado para encontrar trabalho, ele freqüentemente ganha a vida como vendedor ambulante, vendendo pães cheios de chocolate.

 

Ao concordar em deixar sua casa ser demolida, ele ganhou a reputação de herói nas ruas de Rafah.

 

Ola Mousa é um artista e escritor de Gaza.

 

Souce: https://daysofpalestine.ps/searching-beneath-the-rubble-of-rafah/



  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.