Quarta Feira, 12 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Caminho Antigo do Rei Davi: Arqueólogos Israelenses Ajudando o Assalto a Silwan

Invocando a "ciência" como razão e com total desconsideração pelo bem-estar da população, os túneis são cavados sob casas palestinas em Silwan, destruindo as fundações e forçando os moradores a fugir.

Wadi Hilweh, também conhecida como Silwan, é uma cidade bonita e antiga, localizada no vale logo abaixo do complexo Al-Aqsa, nos arredores da cidade antiga de Jerusalém. Infelizmente, em qualquer dia neste vale antigo, é possível ver a limpeza étnica em curso, a violência incitada pelos colonos israelenses e o apagamento da história, tudo ao mesmo tempo e em plena luz do dia.

Devido à sua proximidade com a Cidade Velha, Silwan foi alvo de um ataque brutal por parte do governo de Israel, do município de Jerusalém e, em particular, das organizações sem fins lucrativos Elad e Ateret Cohanim, que subsidiam a violência e a destruição do patrimônio Palestino e financiam a construção de colônias judaicas em Jerusalém Oriental.

 

Conquista e destruição sionista

Ao longo de sua longa história, Silwan viu muitas culturas e conquistadores irem e virem, deixando suas pegadas e tornando este vale único. Desde o início da ocupação sionista de Jerusalém Oriental, o vale tornou-se um local de escavação, mas não para a preservação ou descoberta da rica história e arqueologia que ela contém, pelo contrário.

Arqueólogos sionistas buscam Wadi Hilwe para validar sua narrativa, ignorando e até destruindo todo o resto. Eles alegam que havia um rei hebreu chamado Davi que governou na antiga Jerusalém e que a cidade antiga onde governava está localizada abaixo das casas do povo Silwan. Embora não haja evidências históricas de que o rei Davi tenha vivido, as casas do povo do vale estão sendo destruídas porque Israel quer que o mundo acredite que o rei Davi existiu.

 

Os israelenses tiram selfies em um popular local arqueológico e turístico no bairro palestino de Silwan, no leste de Jerusalém. Tsafrir Abayov AP

Invocando a "ciência" como razão e com total desconsideração pelo bem-estar da população, os túneis são cavados sob casas em Silwan, destruindo suas fundações e forçando as pessoas a deixar suas casas. Um túnel - em particular - ficou famoso quando o embaixador dos Estados Unidos, David Friedman, participou da escavação e destruição.

A escavação é financiada principalmente por meio da Fundação Elad, cujo dinheiro, segundo Ha'aretz, "veio de empresas registradas em abrigos fiscais mundiais como Bahamas, Ilhas Virgens e Seychelles, e não está claro quem os controla".

 

Uma perspectiva sionista

Um artigo recente publicado pelo “grupo de investigação” pró-Israel, o Instituto de Washington para a Política do Oriente Próximo, descreve Silwan como "pequeno, montanhoso, pobre e densamente povoado". No entanto, esta descrição é enganosa. Silwan, com mais de 50.000 habitantes, não é pequeno. Começando logo abaixo do santuário de Al-Aqsa na Cidade Velha, atravessa o vale e sobe a colina em frente a Jabel Mukaber, oferecendo vistas deslumbrantes sobre o vale e a Cidade Velha.

 

Esta foto de 9 de setembro de 2019 mostra uma vista do bairro de Silwan em Jerusalém Oriental. Mahmoud Illean | AP

Se Silwan é pobre, isso se deve em grande parte ao fato de que os guias turísticos devem alertar os turistas a não comprarem dos "árabes". Além disso, desde o estabelecimento da "Cidade de David" como um parque arqueológico, os turistas, cerca de 400.000 por ano, de acordo com o Centro de Informações de Silwan, param no local israelense que perpetua a falsa narrativa, mas nunca se aventuram até a própria cidade para ver os inúmeros tesouros históricos e culturais que ela contém. 

Segundo o Centro de Informações de Silwan, esta cidade sofre com a negligência do município de Jerusalém em relação às necessidades da vila: “A vila permanece sem infraestrutura - residencial, educacional ou econômica - e desde a ocupação de Jerusalém as forças de ocupação não emitiram nenhuma licença de construção para apartamentos ou edifícios residenciais no bairro Wadi Hilweh. ”

 

Tensões

O Instituto de Washington para a Política do Oriente Médio continua dizendo que Silwan "às vezes tem sido um ponto crítico do ativismo e tensão dos judeus e palestinos". Eu visito Silwan frequentemente. Tem uma localização única, é linda e o Centro de Informações Wadi Hilweh, com suas muitas atividades, é um bom lugar para visitar e conversar com pessoas que moram no vale. No entanto, embora a tensão exista claramente, não se deve ao "ativismo judeu e palestino". É porque os colonos israelenses se espalharam por todo o vale, trazendo violência e hostilidade aos moradores nativos.

Os colonos israelenses, a polícia e a milícia privada que trabalham para os colonos criam um ressentimento totalmente justificado entre o povo Silwan, ressentimento que muitas vezes irrompe na forma de protestos e muitas vezes resulta na prisão e assassinato de jovens palestinos. Acrescente a isso a contínua destruição de casas palestinas pelas autoridades israelenses e você terá uma zona de desastre real. 

 

Policiais israelenses vestidos de civis prenderam um garoto palestino durante protestos pelas colônias somente para judeus em Silwan, 28 de janeiro de 2011. Sebastian Scheiner | AP

Além de tudo isso, os palestinos são impedidos de enterrar seus mortos no antigo cemitério muçulmano, logo acima de Silwan. O cemitério islâmico de Bab al-Rahmah está localizado fora das muralhas orientais da Cidade Velha e os moradores palestinos de Silwan enterram seus mortos lá por mais de 1.000 anos. As autoridades israelenses confiscaram o cemitério, integrando-o no "Parque Nacional dos Muros de Jerusalém (Cidade de David)".

Segundo o Centro Internacional do Oriente Médio, "o município de Jerusalém é conhecido por classificar as áreas palestinas como parques nacionais para o controle e desapropriação de mais territórios". Além disso, "a área de Bab al-Rahmah é crucial para os planos de assentamentos israelenses, que visam unir quatro círculos concêntricos de assentamentos, começando pela Cidade Velha, seguidos pela" Bacia Sagrada "(Silwan, Sheikh Jarrah, a-Tur, Monte Sião e Vale do Cedrom), a fronteira de anexação de Jerusalém e, finalmente, a Cisjordânia ».

 

Uma injustiça histórica

Em 1881, cerca de trinta famílias judias deixaram o Iêmen para a Terra Santa. Por vários anos, esses judeus empobrecidos não tiveram residência permanente até que em 1884 se estabeleceram em novas casas de pedra no extremo sul de Silwan. As casas foram construídas para eles por uma instituição de caridade judaica chamada "Ezrat Nidahim". Permaneceram lá até 1936, quando o levante palestino começou, quando as autoridades sionistas os transferiram para o bairro judeu na cidade velha de Jerusalém.

Durante a campanha sionista de 1948 para a limpeza étnica da Palestina, todos os palestinos residentes em Jerusalém Ocidental foram forçados a sair, os sionistas tomaram suas casas e propriedades e seus pertences foram saqueados por soldados sionistas. Em uma batalha que ocorreu na Cidade Velha, a Legião Árabe da Transjordânia derrotou as forças sionistas e todos os judeus que residiam lá foram evacuados. 

 

Casas construídas por Ezrat Nidahim nos arredores de Silwan para judeus iemenitas por volta de 1880. Foto | Domínio público

Por muitos anos, Ateret Cohanim tentava despejar palestinos que moravam na parte de Silwan, onde residia a comunidade judaica iemenita. De acordo com um relatório do Centro de Informações de Silwan, em janeiro de 2020, um tribunal israelense "emitiu uma decisão para despejar a construção da família Naser Rajabi no bairro de Batn Al-Hawa em Silwan, em favor da empresa de colônias" Ateret Cohanim ", sob o pretexto de que os judeus possuíam a terra sobre a qual o edifício foi construído em 1948."

O relatório afirma ainda que isso faz parte do plano de Ateret Cohanim de controlar 5.200 metros quadrados do Bairro Central chamado Batn Al-Hawa, alegando que "os judeus do Iêmen são donos da terra desde 1881". Os moradores de Silwan disseram ao tribunal que "moravam no bairro há décadas e tinham provas de compra de terras e propriedades". O tribunal decidiu a favor dos colonos judeus.

 

Atitudes bélicas

O Instituto de Washington para a Política do Oriente Próximo afirma que "as atitudes de Silwan são excepcionalmente belicosas". Cita como exemplo que os locais foram questionados se concordavam com a frase: "Espero que um dia possamos ser amigos dos israelenses, pois somos todos seres humanos afinal". "Em Silwan", afirma o relatório, "apenas 4% concordam, em comparação com 90% que discordam totalmente".

 

Palestinos assistem às autoridades israelenses destruindo a casa de sua família no bairro de Silwan, Jerusalém Oriental, em 17 de abril de 2019. Mahmoud Illean | AP

 

Considerando o que Israel faz ao povo Silwan, esses números não são chocantes. Mas, ao contrário do que o Instituto de Política do Oriente Médio de Washington disse, a agressão tem sido predominantemente do lado israelense.

 

Sobre o autor: Miko Peled é um autor nascido em Jerusalém e ativista de direitos humanos. Ele é o autor do Livro Filho do general. Jornada de um israelense na Palestina e de injustiça, a história da Fundação Terra Santa.

 

Fonte: Miko Peled, Mint Press News

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.