Segunda Feira, 15 Agosto 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Chefes da ONU deixam violadores dos direitos da criança fora da 'lista de vergonha'

Em seu novo relatório anual sobre crianças e conflitos armados, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, informou que as forças de segurança israelenses mataram 78 crianças palestinas e feriram 982 em 2021

Em seu novo relatório anual sobre crianças e conflitos armados, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, informou que as forças de segurança israelenses mataram 78 crianças palestinas e feriram 982 em 2021, mais baixas causadas por qualquer outra força armada ou grupo nos 21 países de conflito abrangidos por sua revisão. Apesar disso, Guterres não incluiu as forças israelenses em sua “lista de vergonha” anual por violações contra crianças em conflitos armados.

 

Durante anos, Guterres empregou um padrão duplo ao listar alguns partidos em sua “lista de vergonha”, enquanto omitia outros que muitas vezes cometeram muito mais violações. Israel nunca apareceu na lista, embora a ONU tenha considerado suas forças responsáveis ​​por matar ou ferir mais de 7.000 crianças palestinas desde 2015.

 

A “lista da vergonha” é um importante mecanismo de responsabilização e atualmente inclui 57 forças armadas governamentais e grupos armados não estatais responsáveis ​​por graves violações contra crianças em conflitos armados. As partes listadas podem estar sujeitas a sanções do Conselho de Segurança da ONU e, de acordo com as diretrizes da ONU, são removidas da lista somente após a assinatura e implementação de um plano de ação para acabar com suas violações. O processo funciona: até o momento, 39 partes assinaram esses planos, com 12 encerrando suas violações.

 

O Secretário-Geral também poderia ter usado o relatório deste ano para destacar os perpetradores dos conflitos armados na Ucrânia, Etiópia e Moçambique. Ele não apenas os excluiu de sua “lista de vergonhas”, mas também não forneceu informações significativas sobre as violações abomináveis ​​que as crianças sofreram nesses conflitos. A representante especial para crianças e conflitos armados, Virginia Gamba, disse que eles só informarão sobre esses conflitos no relatório de 2023 porque não receberam relatórios que atendam aos seus critérios. Embora a invasão em grande escala da Rússia pela Rússia não tenha começado até fevereiro de 2022, outras entidades da ONU documentaram violações de guerra na Ucrânia desde 2014, incluindo 750 ataques a escolas. As violações em Moçambique têm sido relatadas desde 2017.

 

Tais omissões não são exemplos isolados. No ano passado, um eminente grupo de especialistas identificou dezenas de casos ao longo de um período de 10 anos em que forças armadas ou grupos responsáveis ​​por repetidas e graves violações contra crianças na guerra foram omitidos ou removidos muito cedo da “lista de vergonha” do Secretário-Geral. 

 

O relatório e a lista do secretário-geral são uma colossal oportunidade perdida. Ao não responsabilizar todos os perpetradores e relatar todos os conflitos, ele mina os esforços para proteger as crianças na guerra.

 

Fonte: https://daysofpalestine.ps/un-chief-leaves-child-rights-violators-off-list-of-shame/

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.