Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Como Israel está usando a emergência do coronavírus para anexar a Cisjordânia

Por Fareed Taamallah

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e seu principal rival, Benny Gantz, assinaram um acordo semana passada para formar um governo de coalizão de "emergência".

De acordo com a mídia israelense, o partido Likud de Netanyahu e a aliança azul e branca de Gantz preveem um acordo de rotação. Netanyahu permaneceria inicialmente como primeiro-ministro com Gantz como seu vice, e eles alternariam após 18 meses.

A primeira resposta do governo dos EUA veio pelo secretário de Estado Mike Pompeo na quarta-feira, que disse que anexar partes da Cisjordânia é "a decisão final de Israel". Essa declaração rude reflete o viés do governo estadunidense em relação a Israel.

Como palestino, testemunhei a formação de vários governos israelenses durante o curso da ocupação - nenhum deles procurando seriamente uma solução pacífica do conflito ou uma interrupção na construção de assentamentos ilegais na Cisjordânia.

 

Estabelecendo uma data para anexação

Esta última coalizão não é exceção. O que é diferente é que, pela primeira vez, um governo israelense estabeleceu oficialmente e sem vergonha uma data exata para realizar a anexação de terras da Cisjordânia a Israel.

Em 1º de julho, o Knesset poderá votar na anexação de partes da Cisjordânia, com base no "acordo do século" do governo Trump. O acordo do presidente dos EUA, Donald Trump, foi preventivamente rejeitado pelos palestinos, pois concede a Israel controle militar completo sobre os palestinos, grande parte de suas terras e todos os assentamentos de Jerusalém e Israel.

A votação seria realizada "o mais rápido possível", afirma o acordo, sem atrasos nas etapas do comitê. Embora os membros da coalizão possam votar como entenderem, é provável que o campo pró-anexação no Knesset tenha maioria.

O chamado governo de coalizão de "emergência", que durará 36 meses, foi justificado para lidar com o surto da pandemia de coronavírus em Israel. Mas por que a implementação do acordo do século é considerada uma emergência para Israel?

Netanyahu declarou muitas vezes antes que ele deseja anexar os assentamentos do Vale do Jordão e da Cisjordânia ao formar um novo governo. As equipes dos EUA e de Israel já elaboraram mapas dos territórios anexados planejados.

Alguns especialistas preveem que Israel anexará pelo menos 30% da Cisjordânia. Desnecessário será dizer que a anexação não entraria no contexto de negociações ou de uma troca de territórios acordada; ao contrário, seria uma decisão unilateral que mina o estabelecimento de qualquer futuro Estado palestino, pondo fim à doutrina da “solução de dois estados” e resultando em uma entidade palestina do tipo “bantustão”, como aconteceu na época do apartheid na África do Sul.

 

Movimento de propaganda

Essa anexação teria um impacto desastroso nas aspirações do povo palestino por autodeterminação e, pessoalmente, em mim, como um agricultor palestino que possui terras na Área C.

Caso o governo israelense siga o mapa desenhado pela equipe de Trump, parte de Qira, a vila na área Salfit da Cisjordânia de onde eu sou - e talvez minha própria fazenda - seria anexada ao assentamento ilegal nas proximidades de Ariel.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, alertou os governos dos EUA e de Israel para não anexar nenhuma parte dos territórios palestinos. "Não pense que, por causa do coronavírus, esquecemos a anexação, as medidas de Netanyahu ou o" acordo do século "", disse ele este mês, acrescentando que a liderança palestina continuaria trabalhando contra esses planos.

É claro que a formação do governo de coalizão não tem nada a ver com a emergência da pandemia, mas com objetivos políticos. Netanyahu, e agora Gantz também, querem tirar proveito da pandemia para implementar o acordo de Trump e anexar partes da Cisjordânia, enquanto o mundo e os palestinos estão exaustos na luta contra o surto.

A eleição presidencial dos EUA está marcada para novembro, e isso também seria uma boa jogada de propaganda para facilitar a reeleição de Trump.

O establishment político israelense se uniu em torno da agenda da colonização e anexação permanentes, explorando a situação local e internacional única para ditar o status quo como uma realidade no terreno, com o total apoio e apoio do governo dos EUA.

 

A necessidade de unidade palestina

Segundo Hanan Ashrawi, membro do comitê executivo da Organização de Libertação da Palestina, o acordo da unidade "revela as verdadeiras cores dos partidos políticos israelenses e prova sem dúvida a morte da chamada esquerda em Israel". Concordo e acrescentaria que o governo de unidade evoca, mais do que nunca, a necessidade de acabar com a divisão palestina entre a Cisjordânia e Gaza e buscar a reconciliação entre todos os partidos políticos palestinos.

Os palestinos devem se unir a uma estratégia nova, clara e mais determinada para enfrentar a anexação de suas terras, pois Israel e os EUA os deixaram sem outra opção a não ser resistir ao plano.

Chegou a hora dos palestinos pararem de perseguir a ilusão de "dois estados" e começarem a procurar a solução real de "um estado democrático", que concede a todas as pessoas entre o rio Jordão e o mar Mediterrâneo os mesmos direitos e obrigações que cidadãos iguais, independentemente da religião ou raça.

Essa continua sendo a única solução viável para o conflito do século.

 

Fareed Taamallah é um agricultor palestino e ativista político.

 

Fonte: Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.