Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Como os nazistas: ódio, racismo, islamofobia e muitos argumentos para apoiar assassinatos e crimes

O que aconteceu em 30 de maio na Palestina lembra um pouco das práticas nazistas à cerca de 80 anos atrás. Antes da fobia judaica dos nazistas, 30 de maio é a islamofobia dos sionistas!

No dia 30 de maio, um jovem palestino, doente, incapacitado e desarmado em Jerusalém, foi morto a sangue frio. Os assassinos dizem que eram suspeitos de portar armas.

No dia 29 de maio, outro palestino foi morto a tiros. A mesma história: os soldados suspeitariam que o motorista palestino pretendia atropelá-los.

Essas histórias são de todos os dias. Assassinado por suspeita!

No entanto, a típica publicação da mídia israelense: "terrorista islâmico", e ataca deliberadamente soldados israelenses inocentes. Motivos suficientes para matá-lo!

Para todo o mundo, a resistência contra a ocupação alemã no gueto de Varsóvia e contra a ocupação nazista de Paris foi uma resistência heróica e exemplar. Para sionistas e afins, a resistência Palestina contra a ocupação militar israelense é "terrorismo". Apesar de resistir a uma ocupação militar estrangeira, como no caso da Palestina, é um direito consagrado por todos os órgãos legais e humanitários do mundo; os israelenses insistem em classificá-la como "terrorismo Islâmico" e reiterar as justificativas.  E, apesar do fato de que a ação israelense em territórios ocupados é um verdadeiro terrorismo de estado, tendo em vista que é classificada por todas as entidades legais do mundo, incluindo organizações israelenses e judaicas de direitos humanos, como crimes de guerra, violações de direitos humanos e atividades ilegais. Israel mantém sua narrativa e insulta aqueles que a criticam e os descarta como "anti-semitas", o único e repetido argumento - frase clichê -. O mais racista falando sobre anti-semitismo!

Também é típico ver na imprensa, líderes e governantes de Israel e nas redes sociais de ativistas pró-sionistas, usando insultos e frases típicas contra palestinos e especialmente contra muçulmanos. Se os nazistas eram judeofóbicos, os sionistas são claramente islamofóbicos. O mesmo estilo, o mesmo objetivo e os mesmos crimes de ódio e racismo!

Ser judeofóbico é uma coisa terrível ... ser islamofóbico é uma questão de qualificação válida e "liberdade de expressão".

Outro aspecto é ver como Israel justifica e apóia os crimes mais hediondos. Seria suficiente que um soldado israelense (um estrangeiro em terras estrangeiras), pense ou suspeite de um palestino (eles o chamam de terrorista islâmico), esse é o motivo para atirar e matar. Em suma, a versão do soldado israelense é a única verdadeira e válida que justifica o assassinato.

Os soldados israelenses são dotados de um presente especial: lendo os pensamentos dos palestinos e adivinhando seu credo ou religião!

Tendo simplesmente como diretrizes os  mesmos métodos e práticas nazistas, usados ​​e reinventados para desqualificar, justificar e endossar assassinatos e crimes.

Foto: Capa de um artigo típico da imprensa israelense. De forma sistemática e diária, as autoridades israelenses promovem a islamofobia, usando a mesma metodologia e estratégia nazista para promover a judeofobia.

Fonte: Correspondente PalestineLibre.org em Jerusalém ocupada

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.