Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Como a guerra de propaganda de Israel silenciou a Europa

Um ataque de acusações exageradas, às vezes totalmente infundadas, de anti-semitismo provou ser brutalmente eficaz.

A secretária de educação sombra do Partido Trabalhista do Reino Unido, Rebecca Long-Bailey, foi demitida recentemente depois de compartilhar um artigo na mídia social dizendo - entre outras coisas - que Israel havia treinado a polícia dos EUA no método de asfixia do joelho no pescoço usado em George Floyd.

Essa alegação circulou amplamente nas últimas semanas entre a esquerda global. O líder trabalhista Keir Starmer acusou Long-Bailey de postar um artigo contendo uma "teoria da conspiração anti-semita". Evidentemente, os ventos da mudança chegaram ao trabalho depois que Jeremy Corbyn deixou o cargo - e a mudança não é um presságio.

 

Ousar culpar Israel

A Middle East Eye, em 25 de junho, publicou detalhes do controverso artigo, com verificação de fatos. A acusação de que foi de Israel que a polícia dos EUA aprendeu o método de asfixia que levou à morte de Floyd é infundada. É questionável por décadas a política de tratamento de cidadãos negros por partes da polícia nos EUA - desde muito antes de o estado de Israel ser fundado e sua força policial estabelecida.

A polícia dos EUA certamente não precisa da perícia israelense para ser capaz de matar civis negros inocentes em números surpreendentemente grandes.

Quando se trata de críticas a Israel, as regras do jogo na Europa são diferentes. Há Israel e depois o resto do mundo

Ainda assim, a velocidade preocupante com a qual Long-Bailey foi substituída no gabinete das sombras deveria ser muito mais preocupante para os defensores dos direitos humanos do que a credibilidade de qualquer artigo que ela publicasse online. Long-Bailey foi demitida apenas porque se atreveu a compartilhar um artigo que culpava Israel, não porque se atreveu a compartilhar um artigo sem fundamento factual.

É duvidoso que Starmer esteja preocupado com a confiabilidade dos artigos compartilhados por membros de seu partido. Ele está muito mais preocupado com a imagem anti-semita que aderiu ao seu partido, nem sempre de maneira justificável.

Mesmo que as acusações do artigo tenham sido fabricadas e totalmente infundadas, permanece altamente duvidoso que Long-Bailey teria sido demitida dessa maneira se ela tivesse postado falsas acusações contra qualquer outro país da Terra, exceto Israel.

 

Propaganda sionista eficaz

A propaganda israelense nos últimos anos teve um sucesso marcante na Europa. A demissão de Long-Bailey é apenas mais um elo de uma longa cadeia de realizações. Ultimamente, sob a direção de um ministro relativamente novo para assuntos estratégicos no governo de Israel - juntamente com a estreita cooperação do establishment sionista no resto do mundo - a propaganda sionista adotou uma nova estratégia, que se mostrou sem precedentes em termos de eficácia.

Israel e o establishment sionista em vários países começaram a classificar todas as críticas a Israel como anti-semitas. Isso silenciou os europeus. Os propagandistas de Israel exploram cinicamente os sentimentos de culpa da Europa sobre o passado que ainda persistem, geralmente por um bom motivo - e as acusações fizeram seu trabalho.

Um palestino com seu filho enfrentando um soldado israelense durante um protesto contra o plano de Israel de anexar partes da Cisjordânia ocupada, no vale do Jordão em 24 de junho (Reuters)

Ainda é difícil criticar Israel, a ocupação, os crimes de guerra que os acompanham, as violações do direito internacional ou o tratamento de Israel aos palestinos; tudo é marcado como anti-semitismo e desaparece rapidamente da agenda. Paralelamente a essa campanha de criação de marca, a maioria das nações ocidentais, incluindo os EUA, aprovou uma legislação abrangente que visa declarar guerra ao movimento completamente legítimo de boicote, desinvestimento e sanções (BDS), na tentativa de criminalizar suas atividades e seus ativistas.

Tão incrível é que essa luta contra uma ocupação e sua infraestrutura legal esteja passando por deslegitimização e criminalização sustentadas. Imagine qualquer outra luta comprometida - digamos, contra as fábricas do Sudeste Asiático, produção industrial de carne ou campos de concentração em massa na China - sendo rotulada como criminosa no Ocidente. É difícil de imaginar.

E, no entanto, a luta contra o apartheid israelense - e não há luta moral mais clara hoje - é considerada criminal. Coronavírus à parte, tente reservar qualquer grande local hoje em qualquer lugar da Europa para uma reunião de solidariedade com os palestinos. Tente publicar um artigo contra a ocupação israelense nos principais meios de comunicação. A máquina de propaganda hiper-vigilante de Israel o encontrará rapidamente, o acusará de anti-semitismo e o silenciará.

 

Apoiando a liberdade de expressão

Esta situação é sobre silenciamento, não há outra maneira de dizer isso. Isso significa que essa questão não pode ser confinada aos interessados na causa palestina; ela deve se tornar uma preocupação urgente para quem apoia a liberdade de expressão.

É improvável que Israel lucre no longo prazo com essa campanha agressiva, quase violenta, que pode sair pela culatra tanto para o Estado quanto para os judeus em geral, evocando oposição ou mesmo repulsa entre os partidários da liberdade de expressão. Por alguma razão, isso não aconteceu - ainda. A Europa abaixou a cabeça e se rendeu incondicionalmente ao ataque de acusações exageradas, às vezes totalmente infundadas, de anti-semitismo. A Europa foi silenciada.

O anti-semitismo deve ser combatido, é claro. Isso existe; levanta a cabeça repetidas vezes; agita memórias do passado. Mas não se pode misturar críticas necessárias e legítimas da ocupação israelense, ou mesmo do sionismo, com o anti-semitismo.

Se Israel cometer crimes de guerra, eles devem ser contra e condenados. Isso é mais do que um direito; é uma obrigação. Como, em nome do céu, isso é sobre anti-semitismo? Como uma luta de consciência se tornou algo proibido?

Se Israel fala sobre anexar territórios ocupados e transformar Israel em um estado de apartheid, não apenas de fato, mas de jure, há o dever de se levantar e se manifestar contra isso, e condenar as ações pretendidas por Israel. Se Israel bombardeia civis indefesos em Gaza, como existe a possibilidade de não se opor a isso? No entanto, isso se tornou quase impossível na Europa e nos EUA.

 

Confusão sistêmica

Faz cerca de um século que os palestinos foram roubados de seu país. Nos últimos 53 anos, eles também viveram sob ocupação militar israelense - sem direitos, sem presente ou futuro, suas terras roubadas e sua liberdade esmagada, suas vidas e suas honras feitas chocantemente baratas - e de repente a luta contra tudo o que é proibido.

É uma confusão sistêmica desconcertante: o ocupante tem o direito de se defender e quem luta contra a ocupação se torna o acusado. Em vez de denunciar a ocupação israelense, atacá-la e finalmente começar a cobrar um preço por isso, punindo o país responsável, algo que a Europa conseguiu bastante bem poucos dias após a Rússia anexar a Crimeia; em vez de chamar o apartheid israelense como apartheid, já que não há outra palavra para descrevê-lo; seus críticos são silenciados.

É uma confusão sistêmica insana: o ocupante tem o direito de se defender, e quem luta contra a ocupação torna-se o acusado

Isso é irritante, imoral e injusto. A Europa não pode e não deve continuar calada sobre isso, mesmo ao preço de ser rotulada como anti-semita.

Essas acusações não devem continuar a silenciar a Europa. Então judeus sionistas e israelenses fazem essas acusações falsas. E daí, não acontece nada?

Long-Bailey postou um artigo on-line que talvez não merecesse ser compartilhado. Mas demiti-la é uma questão ainda mais preocupante.

 

Fonte: Middle East Eye

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.