Quarta Feira, 05 Outubro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Clube Brasil Palestina

Como eu posso ajudar a causa da Palestina?

Confira dez dicas para fazer do mundo um lugar melhor!

Confira dez dicas para ajudar a fazer do mundo um lugar melhor!

O sofrimento a que o povo palestino é submetido por Israel e sua política de Apartheid comove pessoas por todo o mundo, inclusive no Brasil. No entanto, a maioria das pessoas que se compadecem do sofrimento palestino não conhecem as formas pelas quais podem ajudar a combater essa injustiça.

Por isso, apresentamos aqui dez dicas de formas pelas quais qualquer pessoa pode ajudar na luta pela libertação da Palestina. Confira abaixo!

 

Dica nº1: Informe-se!

 

Você sabia que os palestinos são vítimas de um regime de discriminação racial chamado Apartheid?

Pois é! As principais organizações de direitos humanos do planeta - Human Rights Watch, Anistia Internacional, B'Tselem e Al-Haq, entre outras, já provaram tudo através de relatório cuidadosamente elaborados pelos principais especialistas do mundo no assunto.

Mas como isso está acontecendo em pleno século XXI? Para entender a colonização da Palestina, temos algumas sugestões de leitura:

Ilan Pappé - Dez mitos sobre Israel

Edward Said - A questão da Palestina

Joe Sacco - Palestina

Sayid Tenório - Palestina: terra da liberdade

Soraya Misleh - Nakba

 

Dica nº2:  Compartilhe o que você aprendeu

 

Fale com amigos, família e colegas sobre a situação da Palestina! Mas não pare por aí! 

Para que mais gente aprenda, peça a inclusão da discussão da Palestina em programas de entrevistas, podcasts, revistas e demais veículos de informação. Sugira para eles o convite a representantes de organizações palestinas.

 

Dica nº3: Não divulgue, nem mesmo como crítica, conteúdo discriminatório ou mentiroso contra palestinos. 

 

É muito melhor divulgar o conteúdo de perfis em defesa da Palestina. Como vimos com o caso do candidato pró-Israel Jair Bolsonaro, em 2018, fazer isso apenas aumenta o alcance do conteúdo discriminatório.

 

Dicas de conteúdo: Juventude Sanaud, FEPAL, Monitor do Oriente.

Vídeos da Sabrina Fernandes sobre a Palestina.



Dica nº 4: Participe do movimento de boicote, desinvestimento e sanções – BDS. 

 

O BDS - Movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções - surgiu em 2006, inspirado pela luta dos sul-africanos contra o Apartheid.

Para ajudar, não consuma nem financie produtos e serviços de empresas que lucram com a ocupação ilegal da Palestina.

O boicote cultural a artistas, universidades, ONGs e pessoas públicas que atuam em Israel ou que defendem a ocupação e o apartheid contra palestinos também é muito importante! 

 

Dica nº 5: Fortaleça a comunidade Palestina local! 

 

Grupos e empresas como Al-Janiah, Juventude Sanaúd, Palestyle Store, entre outros, costumam ser alvo de atentados, ameaças e discriminação constante. Para eles, o seu apoio faz toda a diferença!

Você também pode se tornar membro voluntário de grupos de militância pró-Palestina, como a Juventude Sanaúd. Eles aceitam pessoas sem ascendência árabe ou palestina como aliados em suas atividades!

Outra forma de apoio é verificar o posicionamento dos políticos em quem você votou ou pretende votar a respeito da questão Palestina. Evite apoiar aqueles que, independente de ideologia, são contrários à causa da libertação da Palestina.

 

Dica nº 6: Promova o debate sobre a ocupação da Palestina em seus ambientes de trabalho e estudo e militância.

 

Escolas, empresas, centros acadêmicos, diretórios centrais de estudantes, sindicatos, partidos e coletivos que você faz parte: onde for possível falar sobre Palestina, fale! 

O Instituto Brasil Palestina, bem como outros grupos em defesa dos direitos palestinos do Brasil, estão sempre abertos a convites para participar de debates, aulas e demais eventos.

 

Dica nº 7: Nada sobre nós sem nós: evite eventos que falam de Palestina sem a presença de representantes de grupos palestinos.

 

Esse tipo de evento é comum entre movimentos de defesa de grupos privilegiados: reúnem-se "especialistas" para falar apenas o que convém aos opressores. 

Não se pode falar de indígenas sem indígenas, de negros sem negros, de palestinos sem palestinos!

Por isso, priorize sempre os posicionamentos das entidades representativas dos povos originários e das minorias!

 

Dica nº 8: denuncie sempre a propaganda pró ocupação. 

 

Quem diz que Israel "apenas se defende de terroristas" é mentiroso ou mal informado, simplesmente. 

Mas esse não é o único tipo de propaganda enganosa pró-Apartheid.

Há quem tente afirmar a existência de "2 lados em condições iguais". Este tipo de posicionamento, que em geral se refere a um "conflito" "Israel-Palestina" ou "árabe-Israel" retrata a questão de maneira enganosa. 

Não há equivalência entre ocupados e ocupantes, colonizadores e colonizados. Por isso, qualquer discussão honesta precisa partir do fato da desigualdade fundamental entre as partes.


Dica nº 9: Não tenha medo de se posicionar! Não deixe que usem o medo contra você. 

 

A calúnia e a difamação de defensores de direitos dos oprimidos são, infelizmente, constantes. Falsas acusações contra os defensores dos direitos palestinos, portanto, também são comuns. 

Mas a verdade é o que é: Israel é um estado de Apartheid que, desde 1948, coloniza a Palestina.

E, para colonizar a terra, promove a limpeza étnica via assassinato e expulsão de palestinos de seus lares. 

Isso não é questão de opinião: está tudo documentado em relatórios da Anistia Internacional, Human Rights Watch, entre outros.

Não tenha medo: a verdade está do seu lado!

Caso você venha a ser difamado na internet ou processado por falar a verdade, procure apoio de grupos como a Associação Nacional de Juristas Islâmicos - ANAJI, com experiência na defesa de camaradas difamados pelos defensores do Apartheid israelense.


Dica nº 10: A solidariedade internacional fortalece a causa de todos os povos!

 

Alguns dos maiores apoiadores da causa Palestina são os povos da Irlanda, Argélia e África do Sul, que lutaram bravamente contra seus colonizadores racistas. 

No Brasil, o MST e lideranças dos povos indígenas são fiéis aliados da causa. Isso não é por acaso: a opressão aos palestinos é parte do regime de dominação contra minorias e povos colonizados em todo o planeta.

Lembre-se: estamos do mesmo lado! A libertação de um povo avança a causa de todos os demais povos oprimidos do mundo!

Leve cartazes de apoio, bandeiras da Palestina, o keffiyeh e outros símbolos da causa Palestina para eventos e manifestações!

Pode ter certeza que a sua solidariedade chega na Palestina e é muito bem vinda! Ela faz toda a diferença!

 

E aí, gostou da lista? Há algo que deveríamos acrescentar? Entre em contato conosco nas nossas redes sociais!

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.