Sexta Feira, 22 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Condições médicas graves ameaçam a vida de 4.700 prisioneiros palestinos

“4.700 casos de detenção, incluindo 550 crianças, 118 mulheres e meninas, durante o ano de 2020”, relatou o Instituto de Estudos da Palestina.

O ano é o pior do lado da saúde para os prisioneiros, pois suas vidas foram expostas a um grave perigo como resultado do desrespeito de Israel por sua segurança e facilitação da chegada do Coronavírus às prisões. ” O instituto disse à Agência Safa.

Indicou-se que até o final do ano, 140 presos haviam sido feridos e a previsão é de que o número aumente devido à não implementação de meios de proteção e prevenção por parte da administração penitenciária.

Além disso, muitos dos presos sofreram de câncer e ataques cardíacos.

“Jerusalém recebeu a maior parcela de detenções durante o ano de 2020, com 200 detenções, e constituiu cerca de 42% do total de detenções que ocorreram em todos os territórios palestinos”, disse o diretor do Instituto de Estudos da Palestina, Riad Ashqar, disse.

Hebron veio em segundo nível com 700 detenções, enquanto Israel prendeu 88 cidadãos da Faixa de Gaza.

As crianças detidas somam 550, entre elas 52 têm menos de 14 anos, sendo o mais novo Majid Abu Saad (7) de Jayyus, a leste de Qalqilya.

As mulheres presas, durante o ano de 2020, chegaram a 118, incluindo 11 menores, além de idosas, ativistas, jornalistas, universitárias.

9 pessoas de deputados do Conselho Legislativo Palestino e 145 dos pacientes e portadores de necessidades especiais que sofrem de deficiências físicas e psicológicas e epilepsia foram presos em 2020.

Além disso, muitos idosos, 1.200 ex-detentos e 7 de acadêmicos e professores em universidades foram presos no ano passado.

As prisões também afetaram vários líderes islâmicos e nacionais, incluindo o chefe da comissão islâmica Suprema em Jerusalém e o pregador da mesquita de Al-Aqsa, Sheikh Ikrimah Sabri (81), o vice-diretor-geral dos Endowments Islâmicos, Sheikh Najeh Bekirat, e o governador de Jerusalém, Adnan Ghaith.

Em 2020, a lista de mártires do Movimento Cativo Palestino subiu para 226 mártires, após 4 como resultado de negligência médica deliberada, e seus corpos ainda estão detidos, e a ocupação se recusa a entregá-los às suas famílias para sepultamento.

Ashqar confirmou que os tribunais israelenses emitiram 1100 decisões administrativas entre a nova e a renovação, em comparação com 1022 decisões administrativas durante o ano de 2019, o que constitui um aumento de 8% na emissão de ordens administrativas.

O relatório monitorou 72 casos de citação e prisão de jornalistas, incluindo 26 casos de detenção de jornalistas e profissionais da mídia, alguns dos quais foram investigados por horas ou dias e liberados, outros foram transferidos para investigação e prisões, alguns foram condenados à prisão administrativa, e outros jornalistas foram julgados com prisão real.

Os tribunais israelenses emitiram 7 novas sentenças de prisão perpétua contra prisioneiros palestinos.

É necessário continuar as atividades de solidariedade com os presos para garantir que permaneçam vivos em todos os momentos, e pressionar a Organização Mundial da Saúde para intervir a fim de garantir que os presos sejam protegidos da ameaça da pandemia do Coronavírus e para fornecer-lhes a vacina contra esse vírus.

A eleição do Estado da Palestina como membro do Gabinete Executivo do Tribunal Criminal Internacional deve ser encorajada a fim de abrir processo contra Israel e exigir que seus líderes sejam tratados como criminosos de guerra por praticarem uma política de tortura física e psicológica contra prisioneiros, incluindo crianças e mulheres, e a mobilização contínua da opinião pública internacional para apoiar os prisioneiros e reforçar suas devidas queixas.

 

Fonte: Safa

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.