Terça Feira, 29 Setembro 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Covid-19 atinge Gaza depois de bombardeada, sem eletricidade e sem ajuda humanitária e sem mídia

A Faixa de Gaza foi bombardeada por Israel por dez noites consecutivas, com pouca ou nenhuma cobertura da mídia internacional. Mesmo quando a mídia tocou no assunto, veículos como o Guardian injetaram propaganda israelense em suas manchetes, publicando termos como “bombas de balão”. No entanto, a pior parte dos últimos ataques de Israel a Gaza não foram os ataques aéreos.

Entre os dias 11 e 21 de agosto, Israel lançou ataques aéreos visando locais de Rafah (sul de Gaza) a Beit Hanoun (norte de Gaza), atingindo uma escola da ONU e ferindo civis palestinos, incluindo uma mulher grávida e duas crianças pequenas. Durante a maior parte desse bombardeio, a imprensa ocidental ficou quase completamente silenciosa sobre o assunto, citando as linhas do Ministério das Relações Exteriores de Israel quase iguais literalmente, quando publicou sobre o assunto.

 

Em 13 de agosto, Israel  já havia bloqueado a única passagem de ajuda humanitária de Gaza para o fluxo de gás e petróleo para o enclave costeiro sitiado. A proibição de entrada de combustível em Gaza, agora efetivamente desmontou a única usina elétrica de Gaza, levando a mais 34 horas de apagões, com a falta de eletricidade afetando gravemente os serviços vitais em Gaza, como hospitais. Israel interrompeu tudo, exceto a limitada ajuda humanitária e médica para chegar a Gaza, que não atende suficientemente às demandas dos dois milhões de residentes de Gaza.

 

Israel continuou sua campanha de ataques aéreos, atacando de manhã cedo, em sua maior parte não houve uma condenação internacional. Em vez disso, ouvimos no Ocidente as chamadas “bombas de balão”, o mais preocupante é que isso não vem apenas de jornais pró-sionistas de direita, mas sim de nomes como o amplamente respeitado Guardian no Reino Unido.

 

A situação foi efetivamente pintada pela mídia ocidental como Israel respondendo em autodefesa à agressão do Hamas contra ele. Mas a realidade é uma imagem totalmente diferente. No dia 10 de agosto, balões, disparados por jovens de Gaza, com objetos em chamas presos a eles, voando em terras agrícolas israelenses. As mesmas terras agrícolas que antes pertenceram aos palestinos da Faixa de Gaza, antes de serem desapropriados e etnicamente limpos de suas terras a partir de 1947.

A tática de voar balões com objetos em chamas feitos à mão presos a eles, através da cerca de separação, foi criada durante a Grande Marcha do Retorno, por jovens que desejavam pressionar Israel para acabar com o cerco ilegal a Gaza. Depois de cerca de 8 semanas - na Grande Marcha do Retorno (começando em 30 de março de 2018) - de bombardeios, tiroteios, gaseamentos e incursões por buldôzeres israelenses nas fazendas de Gaza, essa estratégia começou a se tornar uma estratégia. Colocar isso em seu devido contexto é importante, pois a esta altura, centenas de palestinos foram massacrados e milhares foram feridos por Israel e a comunidade internacional não levantou um dedo para ajudar Gaza. 

 

A estratégia dos balões foi criada como uma forma de tentar pressionar Israel a aliviar o cerco. Nem um único israelense foi morto como resultado dos balões, além disso, houve muito pequenos balões e pipas que tinham explosivos presos a eles e quando eles foram presos, estes são dispositivos caseiros muito pequenos que raramente explodem. A natureza não letal dos balões e pipas foi originalmente tratada por Israel como uma ameaça, mas nunca foi confrontada no passado com ataques aéreos ao Hamas ou posições militares da Jihad Islâmica.

 

Quando a tática do balão foi relançada em 10 de agosto, foi feito por meio do governo do Hamas em Gaza, essencialmente fazendo vista grossa a tais atividades de jovens e rapazes de Gaza. A razão para fechar os olhos a esta atividade foi porque Israel criou uma situação tão insuportável em Gaza e o Hamas buscou um alívio nas condições em que as pessoas viviam.

 

Ainda de acordo com o noticiário israelense 'Walla', que afirmou ter visto os termos apresentados à delegação egípcia, que havia viajado tanto a Gaza quanto a Israel para negociar uma trégua, informou que as demandas do Hamas, eram para Israel permitir que mais ajuda humanitária e dinheiro da ajuda do Catar entrem em Gaza. Portanto, mesmo com a admissão de reportagens da mídia israelense, o Hamas está buscando melhores condições de vida para o povo de Gaza e do próprio Hamas, está pedindo o fim do cerco imposto ilegalmente.

 

Israel respondeu à pressão aplicada a ele, não por um engajamento racional e uma vontade de proporcionar um alívio da situação para os civis em Gaza, mas ao invés disso, tornando-a pior e estabelecendo novas regras de fechamento. As novas regras de engajamento eram para Israel responder aos jovens voando balões frágeis por cima da cerca de separação, queimando terras agrícolas, com ataques aéreos por 10 noites seguidas e depois por volta das 4-5 da manhã. de manhã a partir de então. Além disso, Israel fechou a única passagem de ajuda humanitária, evitando combustível e agora praticamente tudo, exceto um fornecimento limitado de alimentos e ajuda médica para Gaza. Esta é uma forma de punição coletiva, um crime de guerra segundo o direito internacional, causou uma crise nos hospitais de Gaza e em várias outras áreas da vida. Israel também bloqueou todas as frotas pesqueiras de Gaza.

 

Em resposta, houve novas regras de engajamento estabelecidas pelo Hamas e outros grupos de resistência, que incluíam responder aos bombardeios israelenses em Gaza, bem como ataques a pescadores de Gaza. Até a quinta noite de bombardeios consecutivos de Gaza, usando navíos de guerra, drones, caças, helicópteros, artilharia e tanques, as facções de resistência não dispararam um único foguete ou bala contra Israel. Depois disso, apenas três das cinco noites a resistência realmente respondeu aos ataques israelenses. Mas agora parece que a ameaça do Hamas de expandir suas respostas neutralizou efetivamente os bombardeios de maior escala de Israel, que estavam causando grande aflição em Gaza, já que Israel não parece querer uma escalada neste momento. A razão para a falta de desejo por um ataque israelense em grande escala é que eles não podem arriscar quaisquer milícias israelense, nas mãos dos grupos de resistência de Gaza neste momento. Israel também entende o grande golpe que seria desferido, em termos de baixas às suas tropas, se tentasse realmente atacar posições estratégicas de real importância para os grupos armados em Gaza, que teriam de envolver tropas terrestres israelenses.

 

Israel ainda não apareceu cogitar permitir uma flexibilização do cerco, mas em vez disso puniu coletivamente a população civil de Gaza por duas semanas inteiras. Usando sua capa propagandística de tentar "equilibrar" balões em comparação com milhares de toneladas das munições mais avançadas do planeta. Algo que a mídia, silenciosa sobre o sofrimento da população civil de Gaza, parece não ter problemas para imprimir. É questionável se gente como a equipe editorial do Guardian e de outros veículos convencionais são ideólogos sionistas de linha dura e acreditam no que estão dizendo ou se carregam com eles uma mentalidade orientalista que lhes permite citar literalmente as forças de ocupação israelense. , sem reflexão e sem rir da natureza quase cômica das desculpas.

 

A situação no terreno faz parecer que uma escalada militar é iminente, mas não é aí que esta história de terror termina para os residentes de Gaza. A Covid-19 já fez seu caminho para Gaza, com os primeiros quatro casos sendo confirmados ontem, fora da quarentena, garantindo o primeiro bloqueio em grande escala desse tipo em Gaza desde a Intifada (Revolta) de 1987. Com pouco mais de 100 ventiladores  pulmonares e UTI lotadas, tornando os hospitais de Gaza semifuncionais durante uma pandemia, Gaza agora pode ser atingida  por uma larga escala de contaminação pelo vírus da Covid-19.

 

 

 

Gaza está entre os lugares mais populosos do planeta, mais densamente povoado do que Tóquio, e pode-se imaginar como seria terrível a propagação do vírus durante uma escalada militar entre Israel e o território sitiado. As dezenas de milhares de pessoas que provavelmente seriam deslocadas em caso de uma escalada, mesmo que temporariamente, podem ser devastadoras para a propagação do vírus e também de outras doenças contagiosas.

 

O enclave costeiro sitiado tornou-se inviável, desde o início deste ano, segundo especialistas das Nações Unidas. Os horrores que aguardam a população de 2 milhões de habitantes, 52% dos quais são menores, é verdadeiramente uma imagem horripilante e o que é pior, é que essa situação só pode ser descrito como uma mídia ocidental racista, nem mesmo dá ao povo palestino a dignidade de escrever seus artigos corretamente.

 

Qualquer válvula de escape, seja de direita ou de esquerda, no Ocidente, que descreva de maneira imprecisa o que está acontecendo em Gaza, só pode ser considerada uma válvula de escape racista e é assim que isso deve ser retratado pelos anti-imperialistas e anti-racistas. O povo de Gaza não tem tempo para nos fazer fingir que isso não é um grande problema, se alguém está encobrindo isso, eles devem ser responsabilizados e se quiserem se esconder atrás de seus próprios rótulos, então seja isto.

 

O racismo é a razão de Gaza ainda está sitiada e o racismo é a razão pela qual os meios de comunicação ocidentais não noticiam corretamente o assunto. Se gente como o Guardian e outros, que afirmam ser anti-racistas, fossem fiéis aos seus princípios, eles não permitiriam desculpas ridículas para a manutenção do maior campo de concentração do mundo - no qual você está incluído com base puramente na identidade e nada mais - para ser impresso.



Fonte: Europal Forum

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.