Sábado, 23 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Desautorizando a Autoridade

A Autoridade Palestina – AP mostrou uma incapacidade total em administrar as conversações com Israel durante os últimos 27 anos, ou seja, desde o Acordo de Oslo, em 1993.

A situação dos palestinos está cada vez pior. Além de viverem sob a opressão sionista, com perdas das terras e as injustiças impostas, tem a dor maior de ver a pactuação dos líderes da AP com nossos inimigos.


Desautorizamos esses representantes, demagogos, fracos e covardes que não demonstram respeito e nenhuma coragem na defesa dos interesses nacionais palestinos. A única coisa que fizeram com muita maestria foi a “coragem” de transformar as conversações de paz em encontros para receber ordens do mandatário Israel. Criando a falsa imagem de pombo da paz, a AP se afastou da paz fruto da justiça e consolidou a paz dos cemitérios. Nossa resistência enfrentou a repressão da polícia de Mahmoud Abbas e os nossos presos políticos palestinos estão em prisões palestinas administradas pela AP!


Frente a desonra e a fraqueza da AP, engrossamos as fileiras do povo palestino que, por toda parte, está desautorizando esta Autoridade de realizar qualquer acordo em seu nome! Fim da linha com as conversações junto aos invasores Israelenses, ao eixo formado pelos Estados Unidos e seus aliados na “Negociata do Século – Trump” que pretendem liquidar a causa palestina.


Hoje, podemos dizer que o território da Palestina (na cor verde do mapa) está fragmentado e 100% ocupado pelo Estado de Israel, pois a AP não tem autonomia:


Daqui levantamos a voz contra AP, como levantamos a voz contra o sionismo que permitiu o surgimento da injustiça! Levantamos nossa voz para calar os traidores da Causa Palestina! Saibam, covardes, que suas atitudes de submissão ao Estado Sionista de Israel são, cotidianamente, derrotadas na luta e na resistência de cada palestino. A paz verdadeira é a justiça e os
direitos inalienáveis do povo palestino assegurados!


Todos os países do mundo, em todos os governos, reconhecem a necessidade de respeitar e valorizar os presos políticos. São lutadores que
não se dobram, são a salvação das esperanças, são os guardiões dos valores e da cultura da sociedade!


Nos tratados internacionais de guerra, nas operações armadas e até nos cessar fogo o primeiro a ser negociado são a troca de soldados presos nos campos de batalha como sinal de boa fé, preservando a vida. Mas isso não significa nada para as negociações entre os Sionistas e a AP. Nada vai avançar enquanto a AP não modificar sua relação com os presos políticos palestinos e agir pela imediata libertação deles.


A AP não respeita os presos políticos palestinos, não melhora suas condições, não viabiliza advogados, não facilita visitas das famílias, não
investe em tratamentos de saúde e em apoio material, são atitudes de desprezo por aqueles que nunca traíram seu povo e nem os ideais de
libertação de sua Pátria! Mesmo detidos em condições subumanas e precárias, se alimentam com a honra Palestina!


A AP não esta sendo honesta em defender a libertação do seu povo, que deu vidas e continua lutando para conquistá-la! Nem esta sendo honesta, em defender os presos políticos, muitos detidos antes do Acordo de Oslo. Não teve a coragem de negociar a libertação, por exemplo, dos companheiros Kareem Younes, ou Nael Bargouthi (detido aos 15 anos de idade e, neste ano, fez seu aniversario de 56 anos na cadeia, são 41 anos encarcerado).


Maher al Akhras está em prisão administrativa, um estilo inventado pela justiça Israelense: preso sem acusação ou acusação sem provas de acordo com a inteligência do órgão da policia política de Israel. Mas firme de suas convicções, Maher entrou com greve de fome! Seu protesto se somou a de muitos outros presos políticos, que recorrem ao sacrifício da fome para impactar a mídia internacional e pressionar o algoz sionista. Foram 103 dias de greve de fome pela sua libertação! E foi vitorioso! Deve ser solto no dia 26 de novembro! Todo nosso respeito e solidariedade aos presos políticos palestinos!


Olha sua filha Tuqa dando as primeiras colheradas de sopa!


Amargura e mal estar domina o céu da boca quando se fala de nossos presos políticos. A amargura não vem porque não conseguirmos libertá-los, vem pelo descaso e falta de interesse que os governantes da AP perante a esses grandes heróis. Graças a luta e a resistência deles, dos militantes que vivem na Palestina, dos refugiados que levam a Palestina no coração onde  quer que estejam vivendo, lutando pelo direito do retorno e a todos os solidários a Causa Palestina tem respeito no campo internacional.


Queremos eleições diretas para AP e para o Conselho Nacional Palestino, pois a legitimidade vem através de escolhas democráticas! Nosso
recado para a AP e aos governos árabes traidores: fim da linha para suas viciadas conversações! A Palestina livre virá pela luta da resistência do nosso povo!


Viva a Palestina Livre!


Imediata libertação dos presos políticos palestinos!


Viva 29 de novembro! Dia Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino!


novembro/2020


Centro Cultural Palestino de São Paulo
Centro Cultural Palestino do Rio Grande do Sul
Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino
Comitê de solidariedade à luta do Povo Palestino Rio de Janeiro
Comitê da Palestina Democrática
Espaço Palestino de Cultura e Política Al Janiah
Instituto Brasil Palestina - Ibraspal
Sociedade Árabe Palestina de Corumbá
Sociedade Palestina de Brasília
União Democrático das Entidades Palestina do Brasil

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.