Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

De um acidente de carro repentino a assassinato em quartos, assassinatos de estudiosos que o Mossad realizou

O assassinato de Mohsen Fakhri-zadeh, o mais antigo cientista nuclear iraniano, de um destino desconhecido, lembrou os assassinatos de cientistas árabes e muçulmanos, a maioria dos quais desconhecidos, embora a maioria deles fosse acusada pelo Mossad israelense.

Neste relatório, revisamos uma lista de assassinatos de cientistas nucleares árabes e muçulmanos, depois que alcançaram posições de destaque no campo nuclear ou de pesquisa na fabricação de armas e mísseis, e como esses assassinatos ocorreram, desde formas que não tornam suspeita de uma morte súbita, como avarias no carro repentinamente na estrada, até matança direta por balas em seus quartos e casas.

 

Assassinatos de estudiosos árabes e muçulmanos

 

1- Mohsen Fakhrizadeh, o maior cientista nuclear iraniano - 2020

A partir do último incidente, Mohsen Fakhri-zadeh, um proeminente oficial nuclear iraniano, foi assassinado em um ataque fora da capital Teerã, sexta-feira, 27 de novembro de 2020. Zadeh (nascido em 1958) foi mencionado em um importante relatório da Agência Internacional de Energia Atômica das Nações Unidas, em 2011, como uma figura central nas atividades iranianas suspeita de buscar desenvolver a tecnologia e as habilidades necessárias para construir bombas nucleares, e acredita-se que ele também foi um oficial sênior da Guarda Revolucionária Iraniana.

Autoridades iranianas apontaram o dedo para Israel, quando o ministro das Relações Exteriores iraniano Muhammad Javad Zarif disse que há "indicações perigosas de um papel israelense. Por sua vez, o site americano Responsible Statecraft acredita que Israel continua sendo o primeiro suspeito do assassinato de Fakhri Zadeh por uma série de razões, incluindo o fato de ele ser o homem mais procurado dela, e já havia planejado assassiná-lo, e também possuía a habilidade e a motivação para fazer isso, e havia realizado operações semelhantes para cientistas nucleares iranianos antes.

 

Em 2018, Netanyahu anunciou que a inteligência israelense apreendeu uma ampla gama de documentos relacionados aos esforços de Teerã para desenvolver um arsenal nuclear e descreveu Zadeh como líder do programa nuclear militar de Teerã, e Netanyahu disse na época: "Lembre-se deste nome: Fakhri Zada." 

Além disso, o Hebraico Channel 11 revelou em um documentário publicado há dois anos que havia uma intenção inicial por parte dos líderes israelenses de atacar Zada, como o ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert disse no filme "Um Avanço no Coração de Teerã", que uma operação foi planejada para visar o cientista Fakhri Zada, Sim, mas Olmert ordenou ao chefe do Mossad que parasse tudo no último minuto.

 

2- O cientista nuclear egípcio Saeed Al-Sayed Bedair - 1989

Em 14 de julho de 1989, os vizinhos de seu irmão em um prédio residencial no bairro de Camp Shizar em Alexandria, Egito, foram surpreendidos pelo cadáver de um homem de 40 anos, que não sabia quem ele era. Dr. Saeed Al-Sayed Badir, que veio ontem ao apartamento de seu irmão Sameh no quarto andar, de acordo com o que foi documentado no livro "O Mossad e o Assassinato de Líderes e Estudiosos" de Hamada Imam.

Isso era tudo que os vizinhos sabiam que o homem estava visitando seu irmão e que os dois eram filhos do falecido escritor, ator e diretor egípcio, Sr. Bedir, e esperavam que fosse um suicídio, mas quando o valor do homem e suas realizações científicas se tornaram conhecidas, o assunto passou a levantar dúvidas.

 

O homem que se especializou em engenharia elétrica e eletrônica, então no campo da comunicação com satélites e espaçonaves fora da atmosfera, alcançou por meio de suas pesquisas resultados avançados que o colocaram em terceiro lugar entre apenas 13 cientistas, em seu raro campo de especialização em engenharia de tecnologia de mísseis. A guerra espacial travada pelos EUA foi o resultado de pesquisas roubadas. 

Badir, que era coronel do Exército egípcio, aposentou-se precocemente do emprego militar, após obter o doutorado na Kent University, no Reino Unido, de 1978 a 1982, e ingressou na Força Aérea Egípcia, em janeiro de 1983, onde trabalhou no departamento Pesquisa e desenvolvimento técnico, até julho de 1987, e no mês seguinte, se envolveu em um projeto de pesquisa no Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Duisburg-Essen, Alemanha, e contratou a universidade para conduzir suas pesquisas por dois anos, depois trabalhou no campo de pesquisa de satélites na Universidade de Duisburg-Essen na Alemanha, de acordo com o livro Sangue nos Portões do Mossad: Os Assassinatos de Estudiosos Árabes, do Dr. Youssef Hassan Youssef.

Sim, a morte de Badir parecia suicídio, mas sua esposa negou que seu marido cometeu suicídio depois de todas essas conquistas, e também mencionou que ela, seu marido e seus dois filhos, enquanto estavam na Alemanha, estavam descobrindo o uso indevido de seus móveis e roubando os livros de seu marido e, como resultado de sua ansiedade, a família decidiu retornar ao Egito. O marido foi sozinho para a Alemanha para completar o período de seu contrato e, em junho de 1988, decidiu retornar ao Egito para se proteger contra as esperadas tentativas de assassiná-lo e viajar para um de seus irmãos em Alexandria para concluir sua pesquisa lá.

 

3- Cientista nuclear egípcio Yahya Al-Mashad - 1980

Yahya Al-Mashad é outro cientista egípcio que alcançou grandes conquistas científicas antes de sua misteriosa morte, já que se especializou na engenharia de reatores nucleares, e foi um dos quadros científicos que investiu seu conhecimento no programa nuclear egípcio antes de ingressar no projeto nuclear iraquiano no final dos anos setenta do século XX.

Al-Mashad obteve uma bolsa de estudos do governo para fazer doutorado na Grã-Bretanha, 4 anos após sua graduação no departamento de eletricidade da Universidade de Alexandria, mas sua viagem coincidiu com a agressão tripartida contra o Egito, então sua missão foi transferida para a então União Soviética, onde permaneceu por 6 anos e se especializou em engenharia de reatores nucleares.

Depois de retornar ao Egito, se juntou à Autoridade de Energia Atômica egípcia, que foi estabelecida pelo falecido presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, e também se tornou chefe do departamento de engenharia nuclear da Universidade de Alexandria em 1968, onde supervisionou dezenas de pesquisas científicas no campo da engenharia nuclear, além de escrever 50 artigos sozinho, de acordo com "Al-Jazeera.net."

Al-Mashad recebeu uma oferta para lecionar na Noruega e teria rejeitado as ofertas de naturalização. Também irritou o lobby sionista local depois de fazer um sermão sobre o conflito palestino-israelense. Voltou novamente ao Egito, mas recebeu outra oferta estrangeira, pois a Universidade de Bagdá o emprestou para lecionar por 4 anos, e após o fim desse período, as autoridades iraquianas ofereceram-lhe residência pelo que ele quisesse, então conseguiu o que queria. Trabalhar na Corporação de Energia Atômica do Iraque, além de lecionar por algum tempo em uma faculdade sobre tecnologia, especialmente porque esse período coincidiu com o revés de 1967 e o congelamento do programa nuclear egípcio.

Este período também foi difícil para o programa nuclear iraquiano, pois os reatores nucleares iraquianos explodiram em 1 e 2 de julho antes de serem embarcados da França para o Iraque em 1979, após um acordo de cooperação nuclear entre os dois países, então a França tomou a iniciativa de enviar outro carregamento, mas Al-Mashad se recusou a recebê-lo por não atender aos padrões exigidos. Foi formalmente enviado, acompanhado de seus colegas iraquianos, para coordenar o processo de transferência na França.

Ali, Al-Mashad foi assassinado em seu quarto no Hotel Le Meridien em Paris, em 13 de junho de 1980, após ser atingido com um objeto pontiagudo na cabeça. O programa "ultrassecreto" da Al-Jazeera em 2002 informou que a polícia francesa indicou em um relatório com o dedo acusador no assassinato de Mashad descreveu como uma organização judaica que tem ligações com as autoridades francesas, e o episódio mencionou que a evidência mais poderosa vem no contexto de um livro publicado em 2000, que inclui a confissão do responsável pela divisão de assassinatos no Mossad.

 

4- Cientista nuclear egípcia Samira Moussa - 1952

A cientista atômica egípcia Samira Moussa estudou com o físico egípcio Mustafa Mosharafa, e ele foi creditado por tê-la nomeado professora da Faculdade de Ciências da Universidade do Cairo, onde foi o início de sua rica trajetória científica.

Ela obteve o título de mestre em "comunicação térmica de gases", depois viajou para Londres para estudar radioatividade, e de lá fez o doutorado em radiação atômica. Após o doutorado, fez várias pesquisas que não eram muito populares na comunidade científica da época, a mais importante delas é a pesquisa sobre a possibilidade de desintegrar núcleos atômicos em cobre metálico de maneiras baratas, ao contrário da fissão atômica que é cara usando materiais radioativos como urânio ou plutônio, o que significa produzir energia nuclear muito mais barata do que era comum na época, e ela se ofereceu para supervisionar a terapia de radiação para pacientes com câncer em vários hospitais, principalmente porque foi uma das razões para perder a mãe ainda jovem.

Meses depois da guerra da Palestina e da entrada da ocupação israelense, Samira fundou a Autoridade de Energia Atômica do Egito, e iniciou outras pesquisas sobre o aproveitamento da energia atômica e o uso do campo da radiação atômica para tratar doenças malignas, numa época em que o mundo se interessava por esta especialização durante a explosão da bomba atômica americana nas cidades de "Hiroshima" e Nagasaki em 1945.

Em seguida, obteve uma bolsa da Universidade da Califórnia para estudar instalações atômicas estadunidenses, e lá as autoridades ofereceram sua residência e cidadania para ficar e concluir sua pesquisa pioneira no campo do milho em nome dos Estados Unidos da América, mas Samira Moussa respondeu sua famosa resposta: "Tenho meu querido país, Egito, esperando por mim."

Mas na manhã de 15 de agosto de 1952, o carro que ela carregava capotou das colinas escarpadas da "Califórnia" e morreu aos 35 anos, e sua última mensagem para seu pai foi: "Pude visitar os laboratórios atômicos nesse país, e quando voltar para o Egito prestarei grandes serviços ao meu país neste campo e servirei à causa da paz ", de acordo com um relatório do Conselho Nacional para Mulheres do Egito.

Ao longo dos anos, surgiram muitas investigações da imprensa que acusavam o Mossad israelense de assassinar Musa com a ajuda da atriz judia egípcia Raqia Ibrahim, que deixou o Egito e viajou para os EUA em 1954, e mantinha amizade íntima com o cientista. De acordo com memórias de alta qualidade publicadas por sua neta no país, soube da data de uma das visitas de Samira a um dos reatores nucleares nos Estados Unidos, assim ela informou ao Mossad israelense.

 

5- Einstein dos Árabes, Ali Mustafa Mosharafa - 1950

A viagem do cientista egípcio Ali Mustafa Mosharafa foi repleta de conquistas científicas e excelência no estudo, apesar da difícil situação financeira de sua família, até que o Ministério da Educação egípcio o enviou para a Inglaterra quando tinha 19 anos, onde obteve o diploma de bacharel (com honras) pela Universidade de Nottingham, então a Universidade Egípcia concordou em conceder a um orientador outra bolsa para conclusão do doutoramento.

Durante sua estada em Londres, muitas de suas pesquisas científicas foram publicadas em revistas científicas de destaque, então ingressou no Royal College (Kings College) em 1920, e em 1923 obteve o doutorado em filosofia da ciência sob a supervisão do famoso físico Charles Thomas Wilson, ganhador do Prêmio Nobel de Física em 1927 e em 1924 obteve o doutorado em ciências pela Universidade de Londres, que é o mais alto grau científico no campo da ciência, e foi o primeiro cientista egípcio a obter esse título, sabendo que apenas 11 cientistas o obtiveram naquela época.

Depois, em 1925, quando foi aberta a Universidade Governamental Egípcia, tornou-se professor assistente de matemática na Faculdade de Ciências, por ter menos de trinta anos, idade mínima exigida para cumprir o cargo de professor, mas em 1926 foi nomeado professor, embora não tivesse chegado aos trinta, devido a sua grande excelência científica e o elogio de estudiosos estrangeiros por seu gênio.

O número de trabalhos de pesquisa de Mosharafa publicados em periódicos internacionais chegou a 25, que incluíram pesquisas sobre o movimento do elétron como fenômeno positivo, o mecanismo de onda e o conceito dual de matéria e radiação, além de ter produzido cerca de 15 livros científicos sobre relatividade, matemática, átomos e invasão do espaço.

Em 1945, quando a bomba atômica foi lançada sobre Nagasaki e Hiroshima, o supervisor do livro "O Átomo e a Bomba Atômica" publicou, e viu que as bombas atômicas eram uma ferramenta de dissuasão que não deveria ser usada, mas que deveria ser obtida.

O nome do átomo na mente dos egípcios estava associado ao Dr. Ali Mustafa Mosharafa, que convocou o governo egípcio a estabelecer uma comissão para a pesquisa do átomo, mas nada teve a ver com o Projeto Manhattan ou a invenção das bombas atômicas.

Então, em 1950, sua oferta foi interrompida em Bahr al-Alam, onde Mustafa Mosharafa morreu em circunstâncias pouco claras, e surgiram rumores de que ele foi assassinado pelo Mossad israelense ao derramar veneno sobre ele em uma xícara de café, enquanto estava em um avião, como alguns apontaram o dedo acusador ao Rei Farouk em retaliação por sua recusa ao título de "Pasha" que foi dado a ele, seu irmão, Dr. Attia Mosharafa, publicou um livro sob o título "Ali Mustafa Mosharafa", no qual ele confirmou que Mosharafa não morreu envenenado, como se diz, mas sim morreu naturalmente em sua cama após uma luta contra uma doença.

 

Outros estudiosos iranianos ... e o dedo da acusação apontam para Israel 

A lista de acadêmicos árabes que morreram em circunstâncias misteriosas continua, bem como acadêmicos iranianos cujas autoridades do país acusaram Israel de estar envolvido em seu assassinato oficial, incluindo:

 

Mostafa Ahmadi Roshen: cientista nuclear iraniano e professor universitário. Se formou na Sharif Industrial University no ramo da química, estava se preparando para um estudo de doutorado na área de engenharia elétrica e supervisionou um dos departamentos da instalação de enriquecimento de urânio de Natanz na província de Isfahan, de acordo com a Fars News Agency. Membranas poliméricas para difusão gasosa, que faz parte do processo necessário para o enriquecimento de urânio. Mustafa foi assassinado por uma bomba colocada em seu carro por motociclistas na rua Kul Nabi, na capital, Teerã, em 2012.

 

Dariush Rezaei Nejad: cientista especializado em reatores nucleares e professor assistente da Universidade de Tecnologia Amir Kabir. Anteriormente, conduziu pesquisas sobre corrente alternada de alta voltagem, armas nucleares, mísseis e mísseis guiados. Foi assassinado no leste de Teerã por pistoleiros desconhecidos em uma motocicleta em julho de 2011. Um mês após o assassinato, a agência de notícias alemã Spiegel publicou um relatório intitulado “O Mossad está por trás dos assassinatos que ocorreram em Teerã”, alegando ter recebido informações de uma fonte importante da inteligência israelense que confirma o envolvimento do Mossad no assassinato.

 

Majid Shahriari: Um físico nuclear que desempenhou um papel fundamental na gestão do programa nuclear do Irã antes de ser assassinado por uma bomba pegajosa, em 29 de novembro de 2010, e as autoridades iranianas acusaram o Mossad de seu assassinato.

 

Masoud Ali Mohammadi: Um cientista da física de partículas foi assassinado em uma explosão que o alvejou na frente de sua casa enquanto planejava ir para a universidade em Teerã. O Irã acusou os Estados Unidos e Israel de responsabilidade pelo incidente, mas o Departamento de Estado dos EUA negou as acusações iranianas.

 

Fonte: Arab Post

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.