Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Diante das atrocidades contra a Palestina, é urgente democratizar a OLP e retomar o caminho da resistência

Carta do intelectual palestino Dr. Salman Abu Sitta, onde apela a uma liderança nova, democrática, jovem, representativa, eficiente e correta para retomar a luta pela libertação e pelo retorno e reconstruir democraticamente as instâncias da OLP destruídas por quem apostar em Estados Unidos e o fracassado plano de paz chamado "Acordos de Oslo"

Dentro da Palestina e da diáspora, vozes e movimentos fortes surgiram rejeitando os procedimentos e políticas da atual liderança palestina de fato representada pela atual OLP e pela Autoridade Palestina da AP. Foram 25 anos - um quarto de século - de hegemonia e autoritarismo, que serviram apenas a Israel e seus planos anexacionistas e colonialistas. Os resultados hoje confirmam esta afirmação.

Deve-se lembrar que, desde 1988, alguns líderes deixaram a linha democrática da OLP e usaram suas instâncias para realizar conversas de "paz" com Israel, processo do qual surgiu o chamado acordo de Oslo de 1993 e o estabelecimento da Autoridade Palestina em partes da Cisjordânia e Gaza. Para fazer isso, esses líderes realizaram supostos Conselhos Nacionais - a mais alta autoridade palestina - para modificar a Carta Nacional Palestina (Constituição) a pedido dos líderes norte-americanos que patrocinaram o "processo de paz". Muitos setores do povo palestino consideram esses atos prejudiciais e ilegais, uma vez que os Conselhos Nacionais foram realizados sem convocação legal, com membros designados, não democráticos (servis) e em Gaza e Ramallah, cidades palestinas sob ocupação israelense e controle militar, entre outras irregularidades.

Como se sabe, os Acordos de Oslo nunca foram respeitados por Israel; pelo contrário, eram ferramentas úteis para aprofundar a ocupação militar, aumentaram em quase 10 vezes o número de colonos ilegais em territórios palestinos ocupados, o muro ilegal do Apartheid foi construído dentro das terras palestinas ocupadas, etc. Enquanto isso, a Autoridade Palestina aposta há um quarto de século nesta paz patrocinada pelos Estados Unidos, cujo último tapa é o Plano Trump ou o Acordo do Século que dita unilateralmente a apropriação da maioria dos territórios palestinos ocupados, violando flagrantemente todas as resoluções da ONU e de todos os outros órgãos legais do mundo e impossibilitando um estado palestino viável.

Hoje, tanto a Autoridade Palestina quanto os que administram a OLP destruída estão em um beco sem saída. Em face desse desastre - o segundo Nakba -, surgem jovens vozes que pedem para levantar e recuperar o que foi perdido, resistindo à ocupação e opressão militar dentro da estrutura da legalidade e das maneiras que o direito internacional concede aos povos oprimidos para lutarem contra a opressão e violações dos direitos humanos.

Nesse sentido, vemos exemplos do momento atual na causa palestina, traduzimos para o português e publicamos a carta do pesquisador e intelectual palestino Dr. Salman Abu Sitta dirigida ao presidente do atual Conselho Nacional Palestino.


Carta ao Sr. Zanoun (original em árabe) em resposta à sua circular aos membros do Conselho Nacional Palestino CNP.

23 de maio de 2020

Caro Sr. Salim al Zanoun

Presidente do Conselho Nacional Palestino CNP

 

Felicitações;

Recebemos sua circular dirigida aos membros do Conselho Nacional Palestino CNP, sobre a decisão do Presidente Mahmoud Abbas de "ser libertado de todos os acordos com Israel e seus compromissos" e "exortar os árabes, muçulmanos e a comunidade internacional a assumirem suas responsabilidades e deveres para com o povo palestino ". Sua carta termina com a afirmação de que "a Organização de Libertação da Palestina, OLP, é o único e legítimo representante do povo palestino".

Deixe-me começar com uma correção para esta última frase: o Conselho Nacional Palestino (eleito) é o único e legítimo representante do povo palestino. Quanto à OLP, este é o órgão executivo do Conselho, responsável pela aplicação de suas decisões e resoluções. Aqueles que estão sentados em suas cadeiras estão sujeitos a alterações e reeleição.

Como cada palestino é um membro natural da OLP, de acordo com a Carta Nacional Palestina, portanto, cada palestino deve ser representado democraticamente no Conselho Nacional. Caso contrário, a legitimidade do Conselho e a liderança da OLP seriam obsoletas.

A última reunião legítima do Conselho Nacional Palestino foi realizada na Argélia em 1988 e, desde então, nenhuma outra sessão legítima do Conselho foi realizada em um país árabe livre. (Sessões subsequentes foram realizadas em Gaza e Ramallah sob ocupação militar israelense). Por esses motivos, a legitimidade dos membros do Conselho e da liderança da organização atual é suspeita, ou pior, como outros podem ver.

Como seu antecessor, Abd al-Hamid al-Sayeh, um patriota leal, disse: "Não há oração sob lanças", tornando inaceitável a reunião do CNP sob ocupação militar israelense. Da mesma forma, remover alguns dos artigos da Carta Nacional Palestina para apaziguar Clinton é totalmente censurável e inadmissível.

Por outro lado, se reconhecermos as eleições para o Conselho Legislativo (Parlamento da Autoridade Palestina em Ramallah) ocorridas em 2006, devemos reconhecer que seu mandato já expirou.

Então surge a pergunta:

Quem representa o povo palestino hoje?

Mais da metade do povo palestino vive no exílio, e metade da população palestina é um segmento jovem, dentro e fora do país, nascido após o desastre de Oslo. Ambos - palestinos no exílio e juventude - não estão representados no Conselho e não têm voz para serem representados. Nosso povo em Gaza e na Palestina dentro da Linha do Armistício de 1948 (Israel) também não está representado, e você está bem ciente dos motivos.

Por enquanto, não vamos abrir o livro sobre a situação na Cisjordânia, onde vivem 18% do povo palestino e apenas uma pequena porcentagem deles acredita que a Autoridade Palestina os representa.

Essa situação lamentável é vivida pelo povo palestino há um quarto de século, desde os fracassados Acordos de Oslo, que minaram e danificaram a causa palestina mais do que a infame Declaração de Balfour.

Lembro-lhe a raiva do povo palestino pela perda de seus direitos e a traição do que é mais sagrado: nossa pátria. Nenhuma pessoa ou liderança de qualquer espécie tem autoridade para comprometer esses direitos. Quem o faz é acusado de alta traição.

Deixe-me lembrá-lo dos artigos do ilustre palestino Dr. Edward Said, artigos muito críticos de Oslo, apenas um mês após a assinatura. Ele não foi o único.

Eles devem estar cientes das numerosas petições, reuniões e conferências em Londres, Boston, Beirute e Istambul, e agora em todo o mundo ao longo deste mês, as quais exigem respeito absoluto pelos direitos legítimos do povo palestino e adesão ao caminho de libertação e retorno.

O objetivo desses movimentos populares é aderir à Carta Nacional Palestina e exigir a eleição de um novo Conselho Nacional, do qual emergiria uma liderança palestina competente e leal, desfrutando da total confiança de todo o povo palestino, ao contrário do que hoje temos.

Lamento lembrá-lo de seu ataque a essas atividades nacionais, que até as acusaram de serem agentes de entidades estrangeiras. Espero que essa não seja sua opinião hoje.

Desde o desastre de Oslo, a destruição das instituições da OLP e o abandono da estrutura democrática do povo palestino, incluindo sindicatos, associações de professores, engenheiros, médicos, trabalhadores, mulheres e jovens que foram os pilares fundamentais do edifício palestino, nós perguntamos:

Quem defende os direitos palestinos no mundo de hoje?

Eles são principalmente jovens, escritores, autores, líderes de opinião e movimentos populares palestinos no exílio. Eles são os que carregam a bandeira de Libertação e Retorno e são os que lideram o movimento de boicote (BDS) em todo o mundo.

Lamento dizer que muitos embaixadores palestinos no exterior não desempenharam um papel importante neste campo (grande agradecimento aos poucos que o fizeram). Alguns deles apenas se envolveram e estavam ocupados relatando atividades palestinas críticas à Autoridade Palestina em Ramallah.

Mas somos pessoas vivas e dinâmicas. Neste 72º aniversário da comemoração de La Nakba, em maio deste ano, foram realizadas dezenas de atividades de palestinos em todo o mundo, sem impedimentos de censura ou silenciamento, assistidas por novas mídias eletrônicas e redes sociais, onde reiteraram suas demandas por Libertação e Retorno e por seus direitos serem democraticamente representados em um novo CNP, depois de limpar nossa Casa Palestina com uma vassoura democrática.

Fui encorajado a compartilhar recentemente a atividade de um evento organizado por um grupo de mais de 20 associações de jovens, com a participação de cerca de 600 jovens. Esta é a geração do futuro que levará a bandeira da Palestina. Se eles agora estão privados de seu direito de serem representados, eles o tirarão daqueles que lhes negaram esse direito e, além disso, exigirão responsabilidade e julgamento pelos delitos cometidos, pela corrupção e seu crime supremo: cooperem com o inimigo.

 

Portanto

Peço que considere nosso pedido para dissolver o atual Conselho Nacional Palestino e organizar novas eleições para a representação democrática dos 13 milhões de palestinos em um novo Conselho, que elegerá novos líderes, eficientes e honestos.

Como primeiro passo, sugere-se que um grupo de 300 pessoas representando os vários segmentos do povo palestino se reúna para traçar o curso e o procedimento a ser seguido nas eleições em todo o mundo. Este grupo será assistido por um Comitê Preparatório, no qual os jovens devem estar geograficamente representados e que esteja ciente das condições das várias comunidades ao redor do mundo.

É muito comum falar sobre obstáculos que podem ser encontrados. No entanto, nosso caminho de luta sempre foi cheio de obstáculos. Isso nunca nos parou. Quem não pode suportar isso tem que se afastar, dando lugar a quem pode.

O Conselho Nacional da Palestina é a maior conquista que tivemos desde La Nakba, que somos o povo da Palestina (não apenas refugiados sem-teto) e a Palestina é o nosso país. Esta deve ser a nossa missão sagrada. Isso só pode ser através do ressurgimento de novos membros do CNP e da determinação dos jovens que herdarão sua herança, a Palestina.

 

Cordialmente,

 

Salman Abu Sitta

 

Fonte: PalestinaLibre.org

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.