Quinta Feira, 18 Julho 2024

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Dúzias de trabalhadores palestinos são expulsos de ônibus israelense para abrir espaço a passageiros judeus

Um dos passageiros judeus fez-se passar por um funcionário do Ministério dos Transportes e forçou um novo motorista a retirar os palestinos, segundo informou a empresa de ônibus

Três passageiros judeus que embarcaram em um ônibus a caminho da Cisjordânia forçaram a remoção de dezenas de palestinos. A operadora de ônibus alega que um dos passageiros fingiu ser um funcionário do Ministério dos Transportes e ameaçou o motorista.

 

A Tnufa Transportation Solutions opera linhas de transporte público no corredor de Jerusalém e na Cisjordânia. Uma das rotas da empresa viaja da Central Rodoviária de Tel Aviv para o assentamento de Ariel na Cisjordânia. Esta rota também atende os palestinos que trabalham no centro de Israel com permissão de trabalho e voltam para casa à noite ou nos fins de semana.

 

Na última quinta-feira, cerca de 50 trabalhadores palestinos foram obrigados a descer do ônibus na cidade de Bnei Brak para acomodar três passageiros judeus que se recusaram a viajar com eles e exigiram que o motorista os obrigasse a sair.

 

"Depois que alguns ônibus passaram e não pararam - porque o ônibus 288 está reservado apenas para judeus - um que estava vazio de judeus parou para nós e entramos", alegou M. um dos passageiros palestinos. "Três judeus embarcaram em Bnei Brak e exigiram que todos os árabes saíssem".

 

O motorista parou o ônibus debaixo de uma ponte e fez um telefonema para seus superiores, de acordo com M. Após o telefonema, ele pediu a todos os palestinos que descessem. "O motorista nos disse para 'descer e nos resolver’, e saiu com os colonos", disse M.

 

Os operadores de transporte são proibidos por lei de separar judeus e árabes. É ilegal restringir os judeus e os árabes de percorrer uma determinada rota.

 

O CEO da Tnufa refutou as alegações de segregação: "Não temos rotas separadas para palestinos ou judeus... Há linhas que vão para as travessias [entre Israel e a Cisjordânia] e naturalmente os palestinos as utilizam mais, mas se um judeu quer entrar, não há restrição", disse ele.

 

"A pedido da Haaretz, a empresa realizou um inquérito abrangente", respondeu Tnufa. "Foi descoberto que um novo motorista no ônibus 288 foi vítima de uma manipulação vergonhosa de um passageiro que se fazia passar por um funcionário do Ministério dos Transportes. O impostor entrou no ônibus e exigiu que o motorista removesse os passageiros palestinos com o falso pretexto de que estas eram as novas instruções do Ministério dos Transportes para esta rota.

 

"O novo motorista disse que discutiu com o impostor, mas disse-lhe que poderia perder seu emprego ou receber uma grande multa se não seguisse imediatamente as instruções. Parece que, por causa da pressão exercida sobre ele, o motorista cedeu à manipulação racista e foi forçado a deixar os passageiros na parada do ônibus. O motorista não informou isso ao seu empregador", acrescentou Tnufa.

 

"Após o incidente, a empresa apresentou uma queixa à Polícia de Israel e relatou ao Ministério dos Transportes sobre o impostor. A Tnufa opera dezenas de rotas na Judéia e Samaria e presta serviço completo e igualitário a todos os seus passageiros". Não é supérfluo notar que muitos dos motoristas e funcionários da empresa são árabes. A empresa pede desculpas aos passageiros pelo infeliz incidente", disse a empresa de ônibus.

 

Fonte: https://www.haaretz.com/israel-news/2022-08-09/ty-article/.premium/dozens-of-palestinian-workers-ordered-off-israeli-bus-to-make-room-for-jewish-passengers/00000182-81ca-d8a6-a9c7-9fff72d70000?utm_source=dlvr.it&utm_medium=twitter

 

 

  • Gravatar - Post by
    postado por: Haaretz
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2024 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.