Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Edward Said : O Oriente Visto Sozinho, Não O Oeste

O escritor palestino recebeu com o judeu Barenboim o príncipe das Astúrias da Concórdia, e aqui está parte de sua ideologia

Muitas pessoas devem acreditar que Edward Said (1935-2003) era um muçulmano palestino, quando ele pertencia a uma igreja cristã árabe, seu bisavô foi o primeiro protestante nativo a traduzir a Bíblia para o árabe, seus pais eram ortodoxos até que seu pai se tornou anglicano e sua mãe se tornou batista, um de seus avós era um ministro da batista, ele foi educado em árabe e inglês. Ele nunca suspeitou das religiões com as quais tinha que viver, mas criticou o sequestro de sentimentos religiosos por ideologias políticas. Os cristãos na Palestina continuam sendo uma minoria, a juventude foi passada no Líbano e no Cairo, onde, no Victoria College, ele era um colega de classe de Omar Sharif, ele estudou nos EUA e foi professor de literatura, comparada na maior parte de sua vida. Em 2002 ele recebeu juntamente com Barenboim, o Prêmio Príncipe das Astúrias da Concórdia, uma fundação é nomeada após ambos.

Neste espaço, são reunidas as entrevistas mais interessantes que ele deu de 1976 a 2000, nelas, ele trata fundamentalmente, do orientalismo, a questão Palestina, a crítica literária; sua narrativa favorita, autores filosóficos, nacionalismos, música, exílio e etc. Disse que até sua morte prematura, era um dos intelectuais mais influentes, humanista, estudioso e um exemplo da liberdade de pensamento, ele não ficou isento de controvérsias, seu livro mais famoso foi o “Orientalismo”, um estudo do discurso colonial escondido nas teorizações intelectuais ocidentais do mundo árabe. A imposição de critérios europeus para explicar o Oriente fora da realidade sócio-política-cultural local.

Conhecimento e poder:

Para Said, o universal sempre esteve à custa do nativo, ele se acusou de seguir as regras que criticou devido à sua educação. Disse que confronta línguas e estilos literários com história e política. O orientalismo era equivalente, de maneira adocicada, a uma visão imperialista e colonialista. O ensaísta palestino estudou as relações entre conhecimento e poder, entre representação e autoridade. Seus professores são: Vico, Gramsci e Foucault. Bloom, De Man e Lukács são suas preferências de ensaio. Ele não está convencido de Derrida porque, para ele, o estruturalismo tem uma visão pessimista da liberdade: as redes de poder construídas por e ao redor do discurso privam os indivíduos da capacidade de resistir ao poder ou de reescrevê-lo para recuperar essa vontade. .

Ele defendeu um estado palestino do consenso e da paz, ele sempre exclui a violência

Os indivíduos são condenados a habitar representações que usurpam sua própria realidade vivida? Não há como escapar dos tópicos orientalistas? O orientalismo sempre representou um domínio discursivo, um domínio do poder. Disse abriu um novo caminho crítico, estudou os vestígios que existiam no leste da cultura dominante. Faça um inventário, como ele gostava de dizer, seguindo Gramsci. A leitura de fora de seus contextos e origens políticas levou a conclusões parciais.

Um exílio:

Como se libertar dos laços, hábitos, estereótipos e alianças do passado? Em Cobrindo o Islã, ele rejeitou a homogeneização do mundo árabe e defendeu a fusão de culturas, identidades e afiliações com base na paz. Ele usa uma reflexão importante para falar do anti-semitismo (judeu e árabe), na esteira da ideologia de Renan. Para Said, os sionistas assumiram a imagem dos orientalistas e a aplicaram aos palestinos. O palestino tornou-se um sujeito do orientalismo israelense, assim como os muçulmanos e outros foram os orientalistas coloniais, disse que retornou à Palestina, rejeitou qualquer oferta e retornou aos Estados Unidos, depois disso, ele se considerou um exilado, e ele dedica muitas páginas a esse assunto.

Said não desacredita o esforço acadêmico dos orientalistas, mas sua visão de mundo sim, ele defendeu a constituição de um estado palestino do consenso e da paz, sempre excluindo a violência, e repita que ninguém está totalmente certo.

 

Fonte: César Antonio Molina, ABC.es

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.