Domingo, 14 Agosto 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Egito exige esclarecimentos sobre vala comum de seus soldados

A Embaixada do Egito em “Tel Aviv” foi designada para se comunicar com as autoridades de ocupação israelenses para esclarecer o que está circulando nas reportagens da imprensa israelense sobre “fatos históricos” ocorridos durante a Guerra de 1967 sobre “soldados egípcios enterrados na cidade de Al-Quds [ Jerusalém]”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Egito, Ahmed Hafez, em comunicado divulgado no domingo.

 

A Embaixada do Egito em “Tel Aviv” foi designada para se comunicar com as autoridades de ocupação israelenses para esclarecer o que está circulando nas reportagens da imprensa israelense sobre “fatos históricos” ocorridos durante a Guerra de 1967 sobre “soldados egípcios enterrados na cidade de Al-Quds [ Jerusalém]”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Egito, Ahmed Hafez, em comunicado divulgado no domingo.

 

“A embaixada egípcia em Tel Aviv foi designada para se comunicar com as autoridades israelenses para esclarecer o que está circulando na mídia, pedir uma investigação para verificar a credibilidade dessas informações e informar urgentemente as autoridades egípcias dos detalhes relevantes”, acrescentou na declaração.

 

Mais cedo na sexta-feira, o jornal hebraico Haaretz publicou material de arquivo e entrevistas com moradores contando como dezenas de soldados egípcios mortos na batalha podem estar enterrados lá.

 

De acordo com os relatórios, cerca de 80 soldados egípcios mortos durante a guerra foram enterrados sob o que hoje é um popular parque turístico israelense.

 

Um jornalista israelense especializado em assuntos de segurança revelou na sexta-feira que pelo menos 20 soldados egípcios foram queimados vivos pelo exército israelense durante a guerra de 1967.

 

Em uma série de tweets, o jornalista Yossi Melman escreveu: “Após 55 anos de censura pesada, posso revelar que pelo menos 20 soldados egípcios foram queimados vivos e enterrados pelo IDF (Forças de Defesa de Israel) em uma vala comum, que não foi marcada ou identificada, como contrário às leis de guerra, em Latrun. Aconteceu durante a Guerra dos Seis Dias.”

 

O site do jornal israelense Yedioth Ahronoth publicou detalhes semelhantes narrados por Melman.

 

Melman enfatizou que o falecido presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, dias antes do início da guerra, havia assinado um acordo de defesa conjunto com o falecido rei da Jordânia Hussein bin Talal, que estava no controle da Cisjordânia na época.

 

“O Egito implantou 2 batalhões de comando na Cisjordânia perto de Latrun, que era terra de ninguém. A missão deles era invadir Israel e tomar Lod e um aeródromo militar próximo”, disse Melman.

 

Latrun está localizado na estrada entre Jerusalém e Jaffa, cerca de 25 quilômetros (cerca de 16 milhas) a oeste de Jerusalém. Após a guerra de 1948, foi alcançado um acordo entre Israel e Jordânia para torná-la uma terra de ninguém.

 

Na guerra de 1967, Israel ocupou e anexou Latrun, que hoje é um subúrbio de Jerusalém Ocidental.

 

A troca de fogo aconteceu com tropas do IDF e membros do Kibutz Nahshon. Algumas tropas egípcias fugiram, algumas foram prisioneiras e algumas lutaram bravamente. A certo ponto, como o IDF disparou granadas de morteiro e milhares de hectares de arbustos secos foram incendiados”, disse Melman.

 

Pelo menos 20 soldados egípcios morreram no incêndio que se espalhou rapidamente e não tiveram chance de escapar. Melman citou Zeen Bloch (agora com 90 anos), que era o comandante militar de Nahshon, um Kibutz de esquerda – comunidade agrícola – como fonte dele.

 

“No dia seguinte, soldados da IDF equipados com uma escavadeira vieram ao local, cavaram uma cova, empurraram os cadáveres egípcios e os cobriram com terra. Bloch e alguns membros do Nahshon assistiram com horror quando os soldados saquearam pertences pessoais e deixaram a vala comum sem identificação”, disse o jornalista.

 

Melman observou: “O véu do silêncio servia a todos. Os poucos que sabiam não queriam falar sobre isso. Estávamos envergonhados. Mas acima de tudo, foi uma decisão do IDF no calor da guerra.”

  • Gravatar - Post by
    postado por: Days of Palestine
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.