Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Em nome da 'segurança de Israel': retirar os EUA dá a Israel bilhões de dólares para ajuda militar

Bilhões de dólares dos contribuintes dos EUA continuarão sendo canalizados para Israel no próximo ano fiscal e por muitos no futuro próximo. Os senadores republicanos e democratas garantiram recentemente exatamente isso, aprovando um projeto de lei que visa fornecer a Israel US $ 3,3 bilhões em ajuda a cada ano.

O projeto, co-patrocinado pelo senador democrata Chris Coons e pelo senador republicano Marco Rubio, foi aprovado em 9 de janeiro, apenas um dia depois que o Irã alcançou posições americanas no Iraque. O entusiasmo em levar o projeto adiante era uma garantia para Washington de Tel Aviv de que os EUA estão comprometidos com a segurança e a superioridade militar de Israel no Oriente Médio.

Apesar de um palpável senso de fadiga de guerra entre todos os americanos, independentemente de sua inclinação política, seu país continua a se afundar mais nos conflitos do Oriente Médio simplesmente porque é incapaz - ou talvez não desejoso - de desafiar os benfeitores de Israel em todo o governo dos EUA. "O que é bom para Israel é bom para a América" continua a ser a máxima suprema nas elites políticas de Washington, apesar do fato de que esse pensamento irracional tenha causado desastres no Oriente Médio como um todo, e finalmente está forçando um retiro americano apressado e humilhante.

O último pacote de ajuda a Israel legalizará oficialmente um "Memorando de Entendimento" que foi alcançado entre o governo de direita do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o governo Barack Obama em 2016. Na época, Obama havia oferecido a Israel o maior pacote de ajuda militar na história dos EUA.

O senador Rubio explicou a aprovação do recente projeto de lei em termos de "ameaças sem precedentes" que supostamente são enfrentadas por Israel. Coons, entretanto, disse que "os eventos dos últimos dias [a escalada EUA-Irã] foram um lembrete da importância da assistência dos EUA à segurança de Israel".

O que é particularmente estranho na declaração de Coons é o fato de que não foi Israel, mas as posições dos EUA no Iraque que foram atingidas por mísseis iranianos e que foram disparadas em resposta ao assassinato do comandante militar iraniano Qassem Soleimani.

No entanto, o financiamento dos contribuintes americanos às aventuras militares de Israel continua inabalável, apesar da realidade política em rápida mudança no Oriente Médio e da mudança do papel dos EUA na região. Isso confirma ainda que o apoio cego dos EUA a Israel não é motivada por uma estratégia centralizada, distintamente estadunidense, que visa servir aos interesses dos EUA. Em vez disso, o financiamento incondicional - e, muitas vezes, autodestrutivo - do governo estadunidense da máquina de guerra israelense está ligado, em grande parte, à política doméstica estadunidense e, de fato, ao poder sem paralelo exercido pelo lobby pró-Israel nos Estados Unidos.

De acordo com o instituto de pesquisa de políticas públicas do Congresso dos Estados Unidos, o Congressional Research Center (CRS), entre 1946 e 2019 (incluindo os fundos solicitados para 2020), a ajuda dos EUA a Israel excedeu US $ 142 bilhões. A maior parte dessa imensa soma de dinheiro - mais de US $ 101 bilhões - foi diretamente para o orçamento militar israelense, enquanto mais de US $ 34 bilhões e US $ 7 bilhões foram para Israel em termos de ajuda econômica e financiamento de defesa antimísseis, respectivamente.

Está se tornando cada vez mais óbvio que os EUA não possuem mais uma estratégia bem definida e centralizada no Oriente Médio; O presidente Donald Trump muda as prioridades americanas de um discurso ou tweet para o próximo. No entanto, a única frase-chave consistente em qualquer agenda política que seja defendida por Washington na região em um determinado momento é: "segurança de Israel".

Esse termo precário parece estar ligado a todas as ações estadunidenses pertencentes ao Oriente Médio, como há décadas em todas as administrações americanas, sem exceção. Guerras foram lançadas ou financiadas em nome da segurança de Israel; os direitos humanos foram violados em grande escala; as cinco décadas - e a contagem - da ocupação militar da Palestina, o prolongado cerco da empobrecida Faixa de Gaza e muito mais, foram realizadas, defendidas e sustentadas em nome da segurança de Israel.

A ajuda dos EUA a Israel - o estado de ocupação - continua, enquanto toda a ajuda americana aos palestinos - as pessoas sob ocupação israelense - foi cortada, incluindo as doações anuais de US $ 300 milhões à Agência da ONU responsável pelo bem-estar dos refugiados palestinos, UNRWA. A Agência fornece educação, assistência médica e abrigo para milhões de refugiados desde 1949, mas agora é estranhamente vista por Israel e pelos EUA como "um obstáculo à paz".

Inexplicavelmente, Israel recebe cerca de "um terço do orçamento estadunidense de ajuda externa, apesar de compreender apenas 0,001% da população mundial e já ter uma das rendas per capita mais altas do mundo", escreveu o professor Stephen Zunes no Relatório de Washington sobre assuntos do Oriente Médio.

Esse orçamento massivo inclui muito mais do que os US $ 3,3 bilhões em financiamento anual, mas os outros valores e vantagens raramente chegam às manchetes. Em qualquer lugar entre US $ 500 milhões e US $ 800 milhões são dados a Israel todos os anos como parte de um pacote de defesa antimísseis; US $ 1 bilhão adicional beneficia Israel na forma de doações dedutíveis de impostos, enquanto US $ 500 bilhões são investidos em títulos israelenses.

Depois, há as garantias de empréstimo, nas quais o governo dos EUA assume a responsabilidade de bilhões de dólares que Israel pode acessar como mutuário de credores internacionais. Se Israel deixar de cumprir seus empréstimos, é de responsabilidade legal do governo dos EUA compensar os juros sobre o dinheiro emprestado.

Desde 1982, Israel recebe ajuda dos EUA como um montante fixo, em oposição aos pagamentos programados, como acontece com outros países. Para cumprir suas obrigações auto-impostas a Israel, o governo dos EUA toma emprestado o dinheiro e fica, portanto, pagando juros sobre os empréstimos. "Israel ainda empresta parte desse dinheiro através de letras do tesouro dos EUA e recebe os juros adicionais", explicou Zunes.

As relações dos EUA com Israel não são governadas pelo tipo de sabedoria política que se baseia em benefício mútuo. Mas eles também não são totalmente irracionais, pois as classes dominantes estadunidenses alinharam seus interesses, sua percepção do Oriente Médio e o papel de seu país nessa região com a de Israel, graças a anos de mídia e doutrinação oficial.

Apesar do fato de os EUA estarem se retirando da região, sem estratégia e visão de futuro, os legisladores de Washington estão se parabenizando por passarem mais um pacote generoso de ajuda a Israel. Eles se sentem orgulhosos de sua grande façanha porque, em seus pensamentos confusos, um Israel "seguro" é o único garante do domínio dos EUA no Oriente Médio. Essa é uma teoria que se provou falsa, uma ou outra vez.

Ramzy Baroud é jornalista e editor do The Palestine Chronicle. Ele é o autor de cinco livros. Seu mais recente é "Essas correntes serão quebradas: histórias palestinas de luta e desafio nas prisões israelenses". O Dr. Baroud é pesquisador sênior não residente no Centro de Islã e Assuntos Globais (CIGA) da Universidade de Zaim de Istambul (IZU).

 

Fonte: Ramzy Baroud, The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.