Quarta Feira, 27 Outubro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

Em violação da legalidade e do consenso internacional, Biden segue o rastro de Trump e evita descrever a Cisjordânia como território "ocupado".

Trump deu uma guinada na política externa ao reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e mais tarde apoiou a anexação das Colinas de Golã da Síria, contradizendo o consenso internacional que unanimemente considera os assentamentos israelenses na Cisjordânia ilegais.

O governo Joe Biden manteve a semântica inaugurada pelo governo Donald Trump e se absteve de descrever a Cisjordânia como um "território ocupado" no relatório anual sobre os direitos humanos no mundo preparado pela diplomacia americana.

 

No governo Trump, o relatório do Departamento de Estado começou em 2018 a se referir a Israel, Cisjordânia e Gaza, abandonando a tradição de usar a fórmula "Israel e os territórios ocupados", uma mudança semântica que foi interpretada como uma rejeição ao consenso alegação internacional de que Israel é uma força de ocupação.

 

No primeiro relatório do governo Biden, cobrindo os acontecimentos de 2020, o Departamento de Estado não inverteu essa forma de se referir à região.

 

"A linguagem neste relatório não pretende estabelecer uma posição definitiva ou status a ser negociado com as partes no conflito, incluindo os limites específicos da soberania israelense em Jerusalém ou as fronteiras entre Israel e um eventual futuro estado palestino", Lisa Peterson, Subsecretária Interina de Direitos Humanos.

 

A alta funcionária indicou que os autores do relatório continuam a acreditar que é melhor atribuir nomes geográficos aos lugares.

 

“Isso está de acordo com nossas práticas gerais. Também acreditamos que seja mais claro e útil para os leitores que buscam informações sobre direitos humanos nessas áreas específicas”, disse ele a repórteres.

 

Trump deu uma guinada na política externa ao reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e, mais tarde, apoiar a anexação das Colinas de Golã da Síria.

 

O ex-chefe da diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, disse não compartilhar do consenso internacional de que os assentamentos israelenses na Cisjordânia são ilegais.

 

O sucessor de Pompeo, Antony Blinken, indicou que os Estados Unidos manterão sua embaixada em Jerusalém, mas também pediu maiores esforços para apoiar os palestinos, incluindo a entrega de ajuda humanitária.

 

No relatório, o Departamento de Estado denuncia o agravamento da crise humanitária na Venezuela devido à corrupção do governo de Nicolás Maduro, a aprovação de leis cada vez mais "repressivas" na Nicarágua e as contínuas "restrições" à liberdade de expressão.




Fonte: www.rfi.fr

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.