Quarta Feira, 05 Outubro 2022

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Povo Palestino

Escolas palestinas em Jerusalém fazem greve devido aos livros impostos por Israel

Centenas de escolas palestinas fazem greve em protesto contra os esforços israelenses para impor livros didáticos palestinos censurados.

Jerusalém Oriental ocupada - As escolas palestinas em Jerusalém Oriental ocupada estão protagonizando uma greve geral em protesto às tentativas do município israelense de Jerusalém de censurar e editar livros didáticos palestinos, bem como introduzir um currículo israelense nas salas de aula.

 

Centenas de escolas fecharam suas portas na segunda-feira de manhã - o último de uma série de medidas recentes nas últimas semanas lideradas pelos pais, que incluíram protestos e uma recusa em ensinar os livros didáticos impostos por Israel.

 

Em um comunicado de imprensa conjunto no domingo, o comitê unificado de pais e as Forças Nacionais e Islâmicas Palestinas em Jerusalém exigiram uma greve total e a intervenção de instituições internacionais para proteger a educação palestina.

 

Jornalistas e residentes compartilharam dezenas de imagens de salas de aula vazias e escolas fechadas na segunda-feira de manhã.

 

Ziad al-Shamali, 56 anos, chefe do sindicato do comitê de pais, disse à Al Jazeera que se os esforços de Israel forem bem sucedidos, "terão o controle sobre a educação de 90% de nossos estudantes em Jerusalém".

 

Existem mais de 280 escolas palestinas em Jerusalém, com cerca de 115.000 alunos desde o jardim de infância até a 12ª série, de acordo com a Al-Shamali. Ele afirmou que aproximadamente 90-95 por cento das escolas estavam observando a greve.

 

Al-Shamali disse que Israel estava tentando impor uma "versão distorcida do currículo da Autoridade Palestina (AP)" nas escolas privadas palestinas desde o início do ano.

 

"Eles estão fazendo isso sob o pretexto de que concedem licenças a escolas privadas, e que lhes dão financiamento", disse al-Shamali, que vive no bairro de al-Tur em Jerusalém Oriental ocupada.

 

As escolas municipais existentes para os palestinos na cidade já começaram a ensinar a versão alterada do currículo da AP, ele continuou, enquanto novas escolas sendo construídas pelo município estavam sendo forçadas a ensinar o currículo israelense.

 

"O que preocupa os pais é que eles estão sendo encurralados entre currículos palestinos distorcidos e os currículos israelenses", disse al-Shamali.

 

"Há uma israelização da educação palestina em curso", continuou ele, “que já existia há 10 a 12 anos, mas que se intensificou nos últimos três anos.”

 

"Agora, eles estão acrescentando seu próprio conteúdo como 'Yossi é vizinho de Maomé', sobre assentamentos, sobre coexistência", disse al-Shamali. "Eles têm jogado com livros didáticos sobre o árabe, religião, história e quaisquer referências nacionais".

 

Na noite de domingo, foram compartilhados vídeos nas mídias sociais dos moradores pendurados em cartazes lendo "greve geral - sim ao currículo palestino, não ao currículo distorcido".

 

Em julho, as autoridades israelenses revogaram as licenças permanentes de seis escolas palestinas em Jerusalém, alegando que seus livros didáticos incitavam contra o Estado e o exército israelenses. Eles receberam permissão para operar por um ano se o currículo fosse editado.

 

A metade oriental de Jerusalém foi militarmente ocupada por Israel em 1967 e ilegalmente anexada. Cerca de 350.000 palestinos vivem atualmente em Jerusalém Oriental ocupada, sendo que 220.000 israelenses vivem em assentamentos ilegais entre eles.

 

Hoje, 86% dos habitantes de Jerusalém Oriental ocupada estão sob o controle direto do governo israelense e dos colonos.

 

A anexação de Jerusalém Oriental não é reconhecida por nenhum país do mundo, com exceção dos Estados Unidos, pois viola o direito internacional que determina que uma potência ocupante não tem soberania sobre o território que ocupa.

 

Em 2009, o município de Jerusalém adotou um plano diretor destinado a "orientar e delinear o desenvolvimento da cidade nas próximas décadas". A visão, como consta do plano, é criar uma maioria demográfica judaica, com judeus israelenses representando 70% da cidade, e palestinos representando apenas 30%. Isto foi posteriormente emendado para uma proporção de 60:40.

 

Al-Shamali disse que o comitê de pais estava planejando continuar a protestar ou intensificar suas ações se suas exigências não fossem atendidas ou se as autoridades israelenses começassem a impor à força os livros de texto alterados.

 

"É provável que continuemos com a greve e que a escalemos", disse ele. "Também continuaremos com nossos protestos em frente às escolas, e pediremos a intervenção de instituições internacionais".

 

Fonte: https://www.aljazeera.com/news/2022/9/19/jerusalem-palestinian-schools-strike-over-israeli-imposed-books

  • Gravatar - Post by
    postado por: Al Jazeera
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2022 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.