Sexta Feira, 22 Janeiro 2021

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Estudante palestina libertada da prisão israelense relata tortura que sofreu

Por cerca de 15 meses, uma estudante de 22 anos foi presa em uma prisão israelense, onde sofreu todos os tipos de torturas por acreditarem que ela pertencia a um grupo proibido.

Mays Abu Ghosh, uma estudante de jornalismo de 23 anos, foi libertada de uma prisão israelense onde, por 15 meses, enfrentou tortura psicológica e física durante interrogatório pelas forças israelenses.

Abu Ghosh, que estava estudando jornalismo na Universidade Birzeit, foi presa em agosto de 2019 e acusada de ser membro do Polo Estudantil Democrático Progressista, que é proibido por ordens militares israelenses e também estava ligado a participar de atividades estudantis anti-ocupação israelense.

Abu Ghosh foi multada em 2.000 shekels (US $ 600) e libertada da prisão de Damon no posto de controle de Jalameh ao norte da cidade de Jenin ocupada ilegalmente na Cisjordânia, onde foi recebida por sua família e amigos.

Vários grupos de direitos humanos disseram que Abu Ghosh lhes contou sobre a tortura física e psicológica que sofreu por mais de um mês no famoso centro de interrogatório Maskobiyeh em Jerusalém.

Os grupos acrescentaram que a forçaram a várias posições estressantes por longas horas e ameaçaram voltar para casa paralisada ou mentalmente quebrada. Ela também foi forçada a ouvir os gritos e choros de outros prisioneiros sob interrogatório e enfrentou repetidas tapas no rosto quando os soldados israelenses gritavam obscenidades contra ela. 

"Quero contar a todos o que aconteceu comigo durante o período de interrogatório e tortura", disse Abu Ghosh à Al Jazeera um dia depois de ela ser libertada. "Não foi como algo que aconteceu comigo, mas para que os palestinos saibam o que esperar quando Israel os prende’’.

Após 15 meses na prisão, Mays Abu Ghosh se reencontra com sua família.

Essa prática de indiciar estudantes demonstra a criminalização dos direitos humanos fundamentais pelas autoridades de ocupação por meio de ordens militares. Enquanto Abu Ghosh acrescentou que a mensagem que ela transmite de outros prisioneiros é "unidade nacional".

 

Israel violento, Abu Gosh sofreu tudo

Em agosto de 2019, a casa de Abu Gosh foi invadida de madrugada por forças israelenses acompanhadas por cães militares. Eles a levaram para uma sala separada e ordenaram que ela ligasse o laptop e o telefone. Após sua recusa, ela foi vendada, algemada e presa.

Um mês depois, seu irmão Suleiman, de 17 anos, foi preso por pressionar Abu Ghosh a confessar. Ele cumpriu quatro meses de detenção administrativa, preso por Israel sem acusação ou julgamento. Seus pais também foram convocados para interrogatório.

 

Em janeiro de 2016, o irmão mais velho de Abu Ghosh, Hussein, foi assassinado pelas forças israelenses por supostamente realizar um ataque de facadas. 

Cerca de 40 mulheres palestinas estão presas por Israel. A população carcerária total atualmente é de 4.500, incluindo 170 menores e 370 detidos administrativos.

Na Prisão Damon, sete presidiários fizeram cursos universitários, mas uma invasão em suas celas pelo Serviço Prisional de Israel na semana passada resultou no confisco de seus livros.

Após sua libertação, Abu Ghosh disse que deseja terminar seus estudos e continuar seu treinamento de mídia. "As autoridades penitenciárias ameaçaram isolar os presos que continuassem seus estudos", disse Abu Ghosh.

 

Fonte: laverdadnoticias.com

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2021 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.