Segunda Feira, 03 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Terrorismo Israelense

Eu ia falar sobre meninas e meninos palestinos na ONU, Israel me impediu

Para que a agenda da ONU sobre conflitos armados e crianças permaneça relevante e credível, é imperativo que o processo de inclusão não conceda uma exceção a Israel por suas graves violações.

A Bélgica cedeu à pressão israelense para cancelar minha visita ao Conselho de Segurança. Dessa maneira, eles ajudaram a minar o trabalho em direitos humanos para crianças palestinas.

Na semana passada, o governo da Bélgica cedeu à intensa pressão do governo israelense e começou a cancelar meu convite para informar o Conselho de Segurança da ONU em Nova York.

Ironicamente, a decisão de excluir minha voz como representante da Defesa Internacional das Crianças da Palestina (DCIP), uma organização palestina de direitos humanos, exemplifica e reforça a mensagem que eu havia preparado para apresentar ao Conselho.

Fui convidada pela Missão Permanente da Bélgica na ONU no final de janeiro para informar os membros do Conselho de Segurança sobre violações dos direitos da criança em Israel e nos territórios palestinos ocupados.

A Bélgica, que ocupa a presidência rotativa do Conselho de Segurança este mês, é a líder da agenda global da ONU sobre crianças e conflitos armados e, como tal, queria destacar essas questões específicas durante a reunião mensal do Conselho sobre a questão do meio ambiente.

Oriente e Palestina – Os belgas escreveram em seu convite que essa discussão focada ajudaria a "enriquecer o debate" sobre a Palestina.

Eu aceitei de bom grado. O fato de a Bélgica estar disposta a convidar uma organização palestina local de direitos humanos como o DCIP para informar o Conselho era louvável, pois o espaço da sociedade civil na ONU foi reduzido por anos. Enquanto eles pediram que eu fosse "equilibrado" em minha declaração (que eu havia compartilhado com eles para comentários), entenderam que as crianças palestinas carregam esmagadora e desproporcionalmente a pior parte dos tipos de violações que tentaram destacar.

Então os problemas começaram.

Assim que os diplomatas israelenses foram informados de minha assistência, Emmanuel Nahshon, embaixador de Israel na Bélgica e Luxemburgo, supostamente pediu ao governo belga no início de fevereiro para cancelar o convite. O Ministério de Relações Exteriores de Israel convocou o vice-embaixador da Bélgica em Israel, Pascal Buffin, em duas ocasiões distintas para se opor formalmente ao convite. Esses pedidos foram inicialmente rejeitados.

Oficiais israelenses e organizações de direita, como a ONG Monitor e suas afiliadas, organizaram posteriormente uma campanha de desinformação política e da mídia bem orquestrada para pressionar os belgas a capitular.

Então, há quatro dias, recebi um telefonema no início da manhã informando que Bruxelas havia decidido mudar o evento do Conselho de Segurança de uma reunião aberta para uma reunião fechada, o que significa que eu não participaria mais.

 

Campanhas de difamação direcionadas

A aceitação das exigências de Israel pela Bélgica é um golpe frustrante e devastador. Não apenas é um ato vergonhoso de censura, mas também aumenta os esforços de longa data para deslegitimar o trabalho em direitos humanos e os princípios básicos do direito internacional em relação aos palestinos.

Nas últimas duas semanas, fui falsamente chamado de tudo, de "ativista anti-israelense extremo" e "propagandista estadunidense de segunda categoria" a "defensor do terrorismo" e "terrorista diplomático".

O embaixador de Israel na ONU, Danny Danon, até escreveu uma carta ao secretário-geral da ONU, Antonio Gutteres, chamando o DCIP de "um braço da FPLP (Frente Popular de Libertação da Palestina) para promulgar o terror diplomático contra Israel". Ele acrescentou: "Em um lugar que promove a paz e a segurança no mundo, não há espaço para pessoas como Parker".

O DCIP e outras organizações da sociedade civil na Palestina e Israel têm sido cada vez mais alvo e atacado por oficiais israelenses, ministérios do governo e uma crescente rede de forças sociais nacionalistas de direita em Israel, Estados Unidos, Reino Unido e em Israel. Uma estratégia chave dessas forças é lançar campanhas de difamação direcionadas e organizadas, com base em uma série de acusações que tentam nos vincular à legislação nacional antiterrorista para minar nosso trabalho.

Para o DCIP especificamente, funcionários como o embaixador Danny Danon, o Ministério de Assuntos Estratégicos de Israel, a ONG Monitor e os Advogados do Reino Unido para Israel (UKLFI) afirmam que apoiamos e incentivamos mais atos terroristas. Afirmam afetuosamente que o conselho e os membros da equipe do DCIP são "afiliados", "vinculados" ou têm "supostos vínculos" com a PFLP.

Por outro lado, não há evidências de como o trabalho do DCIP (nossa pesquisa de campo, documentação, serviços jurídicos e defesa) está de alguma forma envolvido no apoio a atos terroristas. Além disso, as autoridades israelenses não iniciaram ações judiciais ou acusações contra membros do conselho ou da equipe do DCIP por tais acusações durante seu período na organização.

Em vez de exigir que as autoridades israelenses parem de matar crianças palestinas que protestam em Gaza, acabem com os maus-tratos e torturas de crianças palestinas detidas ou responsabilizem os autores, esses atores estão divulgando informações errôneas destinadas a silenciar, rejeitar e eliminar os direitos humanos legítimos, o trabalho e as críticas às políticas ilegais de Israel em relação aos palestinos. E, infelizmente, conscientemente ou sem perceber, governos como os da Bélgica os estão ajudando.

 

Fora da lista negra da ONU

Então, se a Bélgica não entrou em colapso diante da pressão, o que o governo israelense não queria que eu dissesse hoje ao Conselho de Segurança da ONU?

 

A garota palestina de quatro anos Shayma Al-Masri, ferida em um ataque aéreo israelense que matou sua mãe e dois de seus irmãos, deita-se ao lado de seu pulso enquanto recebe tratamento hospitalar na cidade de Gaza em 14 de julho, 2014. (Emad Nassar / Flash90)

Primeiro, usando amplamente as informações verificadas pela ONU, eu teria explicado como as crianças palestinas são desproporcionalmente afetadas pelo conflito armado nas mãos das forças israelenses. Segundo, eu teria destacado como o fracasso persistente do Secretário-Geral das Nações Unidas em responsabilizar Israel incentivou a impunidade por violações tão graves contra crianças.

Na minha apresentação planejada, ofereci uma solução. A cada ano, o Secretário-Geral da ONU apresenta um relatório ao Conselho de Segurança detalhando a situação dos direitos da criança em situações específicas de conflito armado, incluindo Israel e o Estado da Palestina.

A Resolução 1612 do Conselho de Segurança, adotada em 2005, estabeleceu formalmente um mecanismo de monitoramento e denúncia baseado em evidências liderado pela ONU sobre violações graves contra crianças durante um conflito armado. As seis violações incluem assassinato e mutilação, recrutamento de crianças, violência sexual, ataques a escolas ou hospitais, negação de acesso humanitário a crianças e sequestro.

Quando se descobre que as forças ou grupos armados cometem tais violações contra crianças, o Secretário-Geral é obrigado a listá-las no anexo ao seu relatório anual. Essa lista é conhecida como "lista negra" ou "lista de vergonha" da ONU sobre direitos da criança.

O mecanismo provou ser uma ferramenta sólida para fortalecer a proteção das crianças durante conflitos armados na última década. Mas, apesar dos relatórios persistentes de agências da ONU, como o UNICEF, e grupos locais como o DCIP, Guterres e seu antecessor, Ban Ki-moon, se recusaram a incluir as forças armadas de Israel na lista negra.

Isso apesar do fato de Ban Ki-moon, por exemplo, ter notado em seu relatório de 2014 que houve um "aumento dramático no número de crianças mortas e feridas, especialmente em Gaza", com pelo menos 557 crianças palestinas e quatro crianças. Israelenses mataram e 4.249 crianças palestinas e 22 crianças israelenses feridas.

Enquanto expressava seu alarme na "escala inédita e inaceitável" de destruição e danos causados pela operação militar israelense naquele ano, ele ainda omitiu as forças de Israel do anexo. Alegadamente, ele cedeu a uma pressão significativa dos Estados Unidos e Israel.

 

Defender o direito internacional

A decisão de Ban Ki-moon e a continuidade dessa decisão por Guterres transformaram efetivamente um forte mecanismo de responsabilização em um processo politizado, em que governos poderosos podem se isentar do escrutínio e das regras do direito internacional.

Como escrevi em minha declaração preparada para o Conselho de Segurança, a ausência de Israel da lista negra dá "aprovação tácita para continuar cometendo violações sérias do direito internacional com impunidade". Hoje ainda estamos lidando com o impacto dessa decisão.

 

O enlutado carrega o corpo do garoto palestino de 13 anos Ahmed Sharaka, morto por tropas israelenses atingidas na cabeça por uma bala de metal revestida de plástico, no campo de refugiados de Jalazoun, perto de Ramallah, em 12 de outubro de 2015. ( Flash90)

Hoje, esperava reiterar uma mensagem que Hagai El-Ad, diretor executivo da organização de direitos humanos B'tselem, trouxe ao Conselho em 2018: uma ordem internacional baseada em normas não será apresentada.

Para que a agenda da ONU sobre conflitos armados e crianças permaneça relevante e credível, é imperativo que o processo de inclusão não conceda uma exceção a Israel por suas graves violações. Ano após ano, as crianças palestinas devem lidar com as falhas impostas por esses formuladores de políticas e, sem responsabilidade, essas violações continuarão a sangrar ano após ano.

Dados os ataques e campanhas contra os defensores dos direitos humanos e da sociedade civil palestina, as ações da Bélgica são completamente irresponsáveis.

Quando um suposto representante desses valores evita que você saiba muito bem que ele pode se tornar um objetivo, é desencorajador ver que ele cede a essa pressão. Essa falta de vontade política garante que a impunidade sistêmica continue sendo a norma para as crianças palestinas.

 

Fonte: Brad Parker, Contrainformación

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.