Terça Feira, 04 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Documentos internacionais e decisões legais

Europa se une ao plano de anexação de Israel na Cisjordânia

Várias nações européias expressam preocupações, exortam Israel a aderir à solução de dois estados.

Incentivado pelo acordo do século de Trump, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou no mês passado que seu governo anexaria formalmente grandes partes da Cisjordânia ocupada.

A anexação estava programada para ser declarada por Netanyahu em 1º de julho.

Mas a incerteza envolve a posição de Netanyahu, à luz das críticas internacionais generalizadas ao plano, juntamente com as diferenças com os EUA em sua aplicação.

A anexação "certamente acontecerá em julho", mas deve ser feita em parceria com os EUA, disse à Rádio do Exército Ofir Akunis, ministro da cooperação regional de Israel.

A anexação "só acontecerá após uma declaração de Trump", acrescentou.

A Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, é vista como território ocupado sob o direito internacional, tornando ilegais todos os assentamentos judaicos sionistas no local - e também a anexação planejada.

As autoridades palestinas ameaçaram abolir acordos bilaterais com Israel se prosseguir com a anexação, o que prejudicará ainda mais a solução de dois estados.

Como a Turquia e grande parte da comunidade internacional, a UE não reconhece a soberania de Israel sobre os territórios que ocupa desde 1967.



Alemanha

O Parlamento expressou sua forte oposição na quarta-feira aos planos israelenses de anexar a Cisjordânia.

O ministro das Relações Exteriores Heiko Maas alertou que a medida israelense ameaçaria a estabilidade de todo o Oriente Médio.

"A paz não pode ser alcançada através de medidas unilaterais", disse Maas ao parlamento em Berlim.

Ele prometeu colocar a questão no topo da agenda, pois Berlim assumiu a presidência rotativa da União Européia por seis meses, além de chefe do Conselho de Segurança da ONU, que durou um mês.

Maas instou Israel a reconsiderar seus planos, dizendo que ainda era possível usar "a oportunidade e a janela do tempo" antes de uma provável anexação.

 

Reino Unido

O primeiro-ministro Boris Johnson disse que o Reino Unido "não reconheceria nenhuma mudança" nas fronteiras de Israel estabelecidas em 1967, a menos que os palestinos concordassem com isso.

Em um artigo escrito para o jornal israelense Yedioth Ahronoth, Johnson alertou Israel, pedindo um "resultado que ofereça justiça para israelenses e palestinos".

Johnson argumentou que a anexação proposta "colocaria em risco o progresso que Israel fez na melhoria das relações com o mundo árabe e muçulmano", acrescentando que os interesses de Israel "se sobrepõem" aos parceiros árabes.

"Mas, por mais forte que eles tenham interesse em um tipo diferente de relacionamento com Israel, a anexação inevitavelmente atrasaria essas oportunidades e restringiria potenciais parceiros árabes", disse Johnson.

Expressando o orgulho da "contribuição do Reino Unido ao nascimento de Israel com a Declaração de Balfour de 1917", ele disse que permaneceria "negócios inacabados até que haja uma solução que forneça justiça e paz duradoura para israelenses e palestinos".

"A única maneira de conseguir isso é que os dois lados retornem à mesa de negociações", afirmou. "Esse deve ser o nosso objetivo. A anexação nos levaria mais longe."

Bélgica e UE

O parlamento belga adotou uma resolução em 26 de junho que instou o governo a preparar uma lista de contramedidas, contra Israel no caso de anexar territórios palestinos ocupados.

A resolução foi proposta pelo Partido Verde e aprovada com 101 votos a favor e 39 abstenções.

Ele chama o governo a "desempenhar um papel de liderança nos níveis europeu e multilateral, a fim de estabelecer uma lista de contramedidas eficazes para responder proporcionalmente a qualquer anexação israelense do território palestino ocupado".

A resolução reconhece que alguns estados podem vetar sanções da UE. Por isso, sugere que a Bélgica crie uma coalizão europeia com países que pensam da mesma forma.

Anteriormente, mais de 1.000 parlamentares de toda a Europa condenaram o plano de anexação da Cisjordânia em uma carta conjunta.

Eles pediram aos líderes europeus que evitassem a anexação, salvassem as perspectivas de uma solução de dois estados e expressaram apoio à declaração anterior do chefe de política externa da UE, Josep Borrell, que advertia que "a anexação não poderia passar sem contestação".

No total, 1.080 membros das assembléias nacionais e do Parlamento Europeu da Áustria, Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malta, Holanda, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido assinaram a carta.

Falando na sessão plenária do Parlamento Europeu em 18 de junho, Borrell disse que seria uma "grave violação do direito internacional" se o governo israelense decidisse unilateralmente anexar qualquer parte da Cisjordânia.

A maioria dos estados membros da UE só pode aceitar "uma solução negociada de dois estados, com base em parâmetros internacionais".

O reconhecimento da UE, da Palestina como um Estado se tornaria "inevitável". Se Israel avançar com seu plano controverso, disse o ministro das Relações Exteriores de Luxemburgo ao semanário alemão Der Spiegel em 14 de junho.

Jean Asselborn pediu uma posição mais rígida da UE contra o plano de Israel sobre a anexação.

“O reconhecimento da Palestina. Esse debate ganharia uma dinâmica totalmente nova, eu consideraria inevitável ”, afirmou Asselborn, observando que tal decisão não exigiria uma decisão unânime dos 27 países membros.

Vaticano

O Vaticano disse que as "possíveis ações unilaterais" de Israel podem piorar a "situação delicada do Oriente Médio".

O cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, expressou a preocupação da Santa Sé de que tal ação possa "comprometer ainda mais a busca pela paz entre israelenses e palestinos", segundo comunicado divulgado quarta-feira.

"Como já tinha sido declarado em 20 de novembro de 2019 e 20 de maio de 2020, a Santa Sé reitera que o Estado de Israel e o Estado da Palestina têm o direito de existir e viver em paz e em segurança, dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas", afirmou.

Parolin enfatizou a necessidade de todos os lados "reabrirem o processo de negociação direta ... auxiliados por medidas que podem restabelecer a confiança recíproca".

 

Fonte: Anadolu

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.