Sábado, 08 Agosto 2020

Linguagem Selecionada: PORTUGUÊS BR

Inicio > Posts > Política Agressiva

"Façam máscaras com meias" , Vírus Corona é a morte esperada para os prisioneiros

Alguns dias podem separar os prisioneiros do ataque à pandemia de Corona, e uma verdadeira revolta que as prisões podem testemunhar devido ao "Coro-israelense". Essa é a realidade da situação nas seções de prisioneiros palestinos em um momento em que países e organizações internacionais tentam lidar com essa epidemia e fracassam.

O prisioneiro palestino fica com as quase mãos vazias com apenas uma parte da barra de sabão, para enfrentar as linhas de ocupação, por um lado. O Ministro da Segurança Interna aprecia o recente pacote de sanções imposto aos prisioneiros. Por outro lado, temem que o vírus entre na vida dos prisioneiros.

Os próximos dias podem testemunhar uma revolta maciça que inclui todos os prisioneiros devido à negligência da Autoridade Prisional em responder às demandas dos prisioneiros e interromper medidas punitivas que afetaram todos os aspectos de suas vidas. A mais importante delas é a capacidade de lidar com esse vírus mortal e impedir que se reduza a quantidade de vegetais comprados pelos prisioneiros pois pararam de comprar carne e peixe, considerados uma fonte necessária de proteína. O assunto não parou por aí, pois impediram que os presos comprassem os detergentes usados para esterilizar os banheiros e as salas de estar dos presos. Também impediram que os órgãos reguladores e seus representantes familiarizem-se com as condições dos prisioneiros recentemente isolados na prisão de Megiddo por conta da infecção pelo vírus. A Autoridade Prisional está tentando manter em segredo essa situação por medo da reação do povo palestino. Os prisioneiros estão à beira de um confronto aberto com a ocupação em defesa de seu direito à vida e seu retorno às famílias.

E se a Autoridade Prisional negligenciou a vida dos prisioneiros, alcançou o nível máximo de tensão depois que os prisioneiros de Megido exigiram que a administração prisional realizasse um exame de todos os prisioneiros e oferecesse recursos preventivos, como máscaras, luvas e materiais de esterilização. Esses itens foram recentemente proibidos dentro das cadeias. Trata-se de uma clara demonstração da falta de empatia e descaso da Autoridade Prisional sobre os prisioneiros num momento em que o mundo está focado em seus problemas e agora preocupados com os estragos provocados pelo vírus que tem atormentado os países.

Os esforços feitos dos prisioneiros para não inserir o vírus Corona em suas vidas podem falhar e, em seguida, as prisões se tornarão o maior foco novo dessa epidemia. A realidade das prisões e a maneira como a assistência medica são deterioradas facilita a propagação desta doença. Oitenta prisioneiros representam o círculo social e o nível de interação entre eles são mantidos em cada seção. Não é possível, com o dano de qualquer um dos prisioneiros, isolá-lo do resto dos prisioneiros, o que pode transformar as seções em centros de isolamento ou valas comuns, pois os prisioneiros têm todo o direito de libertá-los por causa dessa pandemia global. Eles não são os assassinos daqueles que os prendem nem bandidos a serem deixados sozinhos na frente de seu inimigo. São soldados. Tem direito à liberdade e independência, e se a morte deve ser confrontada, os prisioneiros preferem a morte atirando enquanto estão de pé. São combatentes de respeito!

O grande povo da Palestina deve assumir suas responsabilidades em relação aos filhos em cativeiro. Não damos as costas a esse grave problema, nossos irmãos no cárcere, e não somos responsáveis com o evidente fracasso dos partidos e instituições oficiais em pressionar a ocupação e usar todos as armas e documentos disponíveis para libertar os prisioneiros.

 

Fonte: O Prisioneiro Palestino Abu Ahmed, The Palestinian Information Center

Tradução: IBRASPAL

  • Gravatar - Post by
    postado por: IBRASPAL
  • postado em:
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Copyright © 2020 IBRASPAL - Instituto Brasil Palestina. All Rights Reserved.